BBC navigation

País de origem pode ser obstáculo na conquista de cidadania, sugere estudo

Atualizado em  8 de fevereiro, 2013 - 08:12 (Brasília) 10:12 GMT
Passaporte (arquivo/Getty)

O estudo realizado na Suíça sugere que o país de origem é determinante para a conquista da cidadania

Um estudo realizado com dados da Suíça pelo Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) e pela London School of Economics (LSE) concluiu que o país de origem do imigrante pode ser o maior obstáculo para a conquista da cidadania em outro país.

Ao analisar dados acumulados durante décadas no setor de imigração suíço, os autores da pesquisa viram que, mesmo quando um imigrante cumpre todos os requisitos, como um bom nível de educação acadêmica, habilidades de trabalho e domínio do novo idioma, seu país de origem pode ser uma "grande desvantagem" quando tenta se naturalizar.

A pesquisa também sugere que os padrões de discriminação contra uma pessoa de um país em particular mudam de acordo com algumas circunstâncias sociais, e eventuais preconceitos podem desaparecer com a interação da população local com grupos de imigrantes.

Apesar de o estudo ter se concentrado em dados da Suíça, os pesquisadores afirmam que os resultados podem ser aplicados no debate sobre imigração em outros países, como os da Europa e os Estados Unidos.

Décadas analisadas

Em vários municípios suíços, os eleitores podiam "votar" em uma espécie de referendo secreto sobre se são a favor ou contra o pedido de cidadania do candidato. Os eleitores davam o seu parecer baseado em apostilas que recebiam, com informações detalhadas sobre o imigrante, como nível de educação, trabalho, situação familiar, há quantos anos mora na Suíça e seu país de origem.

Os professores de ciência política Jens Hainmueller, do MIT, e Dominik Hangartner, da LSE, analisaram os resultados desses referendos em várias regiões da Suíça entre os anos de 1970 e 2003.

A pesquisa

  • Levantamento conjunto da LSE, do MIT e da Universidade de Zurique analisou os resultados de referendos em que a população de certos municípios suíços decidia se indivíduos imigrantes poderiam receber ou não o direito à cidadania suíça
  • Identificou-se que os países de origem eram o principal fator determinante para um ou outro imigrante receberia ou não a cidadania
  • Imigrantes da Turquia e da antiga Iugoslávia tinham dez vezes mais chances de terem seus pedidos de cidadania rejeitados na Suíça do que imigrantes vindos de países mais ricos da Europa.


"Queríamos saber quais são as causas dos sentimentos anti-imigrantes que se manifestam em muitos países da Europa Ocidental e EUA", disse Hainmueller à BBC Mundo.

Os pesquisadores se aproveitaram do fato de que, nestas regiões da Suíça, os cidadãos podiam votar em segredo - dando, portanto, sua opinião sem temer serem considerados politicamente incorretos -, a favor ou contra cada pedido de cidadania.

"Esses cidadãos estavam, basicamente, realizando um referendo sobre cada solicitante, e isso nos permitiu diferenciar quais os imigrantes tinham a probabilidade de serem aprovados e quais seriam recusados", afirmou Hainmueller.

E o país de origem, segundo os pesquisadores, era o fator mais decisivo para a aceitação ou recusa dos pedidos.

"Com tudo igual - mesmo nível nos requisitos, mesmo período de residência (na Suíça), as mesmas condições, na mesma municipalidade -, as taxas de recusa são dramaticamente diferentes apenas porque (a pessoa) veio de um país 'errado'", disse o professor.

Democracia

É razoável pensar que o preconceito em relação à origem do imigrante possa esconder outros tipos de preconceito, como o racismo, ou o pensamento de que os cidadãos de um certo país são menos educados, pertençam a uma religião considerada problemática etc.

Mas a decisão final é mesmo baseada no país de origem, garantiu o professor.

Cartaz imigração (Getty)

Em algumas regiões da Suíça, os eleitores decidem quem deve se tornar um cidadão do país

Após uma reclamação encaminhado a uma das municipalidades suíças, os cidadãos perderam o direito de decidir sobre quem receberia a cidadania - função que foi passada a um grupo de funcionários eleitos.

No primeiro ano, as taxas de aceitação aumentaram 50% e foram crescendo ano a ano até chegarem a quase 100%, o qur sugere que os imigrantes são mais favorecidos por mecanismos de democracia representativa do que de democracia direta.

"Deixar que o povo vote pode parecer uma maneira muito legítima de decidir políticas. Mas há um grande custo para as minorias se a maioria decide com base em suas preferências, que podem ser discriminatórias", acrescentou Jens Hainmueller.

Nos Estados Unidos não existe um sistema de referendos semelhante ao suíço - e não se pode saber quais seriam os resultados se os americanos votassem por esse mecanismo. Mas a discussão sobre a imigração é igualmente politizada.

Ameaça cultural

David Laitin, professor de Ciência Política da Universidade de Stanford, na Califórnia, disse que, apesar dos sistemas diferentes, os resultados da pesquisa realizada pelo MIT e LSE são relevantes para os Estados Unidos.

"Apesar de não podermos demonstrar, (a pesquisa) sugere que a ameaça cultural de uma onda de imigrantes de apenas um país pode deixar os (cidadãos) locais mais assustados do que a ameaça econômica de um grande número de imigrantes procedentes de uma variedade de países", afirmou Laitin à BBC.

"O estudo implica que esse medo da cultura latina - e não o temor de que os imigrantes se apoderem dos trabalhos e serviços sociais - é o que gera a oposição à reforma imigratória."

Hainmueller, do MIT, fez seus próprios estudos nos Estados Unidos sobre as atitudes em relação à imigração e descobriu que os americanos têm outras preocupações.

"Americanos de todas as faixas, níveis de educação e afiliação política mostraram interesse nos níveis de educação dos imigrantes, sobretudo profissões como medicina e tecnologia, no idioma, se têm planos concretos de trabalhar e se entraram legalmente no país", afirmou o professor.

Mas para Laitin, de Stanford, os americanos resistem há tempos a qualificar os pedidos de cidadania dos imigrantes de acordo com níveis acadêmicos ou linguísticos, como ocorre em outros países.

Imigração nos Estados Unidos (Getty)

Para os americanos, a entrada ilegal no país pode ser determinante

"As regras antielitistas - e alguns diriam anti-intelectuais - dos Estados Unidos ajudaram a sustentar uma sociedade igualitária", disse.

Conceitos mutantes

De qualquer forma, os dois professores concordam que as atitudes e preconceitos em relação aos imigrantes mudam com o tempo. O estudo na Suíça é uma imagem congelada de uma época, e não é um resultado geral do que são os suíços na história ou o que serão no futuro.

Hainmueller observou ainda que, à medida que há um maior contato com grupos imigrantes de uma região em particular, os preconceitos contra esse grupo tendem a desaparecer.

O efeito contrário pode ser corroborado com um estudo feito nos Estados Unidos, com exemplos da Alemanha, França, México, Filipinas, Polônia, Índia, China, Somália, Sudão e Iraque.

"As diferenças não eram tão grandes em termos de país de origem, comparado com outras características, exceto o Iraque, onde o sentimento negativo é muito destacado", afirmou.

Outro dado importante recolhido na pesquisa é a opinião muito negativa sobre as pessoas que entraram sem autorização no país.

"É uma opinião que poderia ser descrita como politicamente incorreta neste momento, mas define uma postura muito rígida", afirmou.

Leia mais sobre esse assunto

Tópicos relacionados

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.