BBC navigation

Banco Mundial reduz previsão para o Brasil e lança alerta a emergentes

Atualizado em  15 de janeiro, 2013 - 23:42 (Brasília) 01:42 GMT
Indústria

Novo relatório do Banco Mundial prevê avanço de 3,4% para a economia brasileira em 2013

O Banco Mundial revisou para baixo sua previsão de crescimento da economia brasileira e lançou um alerta para que os emergentes protejam seu crescimento, já que o caminho da recuperação mundial ainda é "espinhoso".

"As nações em desenvolvimento devem se concentrar em melhorar o potencial de suas próprias economias e, ao mesmo tempo, fortalecer suas reservas para enfrentar os riscos provenientes da zona do euro e das políticas fiscais adotadas pelos EUA", diz a edição mais recente do relatório Global Economic Prospects (Perspectivas Econômicas Mundiais), publicada nesta terça-feira.

De acordo com o novo relatório, o PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro deverá avançar 3,4% em 2013, abaixo da previsão anterior, feita em junho, de 4,2%.

A nova estimativa ainda está um pouco acima das previsões do mercado brasileiro, de 3,2%, segundo o Relatório Focus desta semana.

Para 2014, o Banco Mundial prevê crescimento de 4,1% para a economia brasileira, um avanço em relação aos 3,9% previstos anteriormente. O Focus prevê crescimento de 3,6% em 2014.

"O crescimento no Brasil deve se acelerar para 3,4% (depois de 0,9% em 2012), impulsionado por políticas de estímulo monetário e fiscal cujos efeitos ainda não foram totalmente sentidos", diz o órgão com sede em Washington.

Desempenho fraco

O relatório chama a atenção ainda para o impacto da desaceleração da expansão do crédito sobre o crescimento brasileiro e de um ambiente de comércio um pouco menos favorável.

Diz ainda que pressões inflacionárias poderão ser contrapostas com os cortes nas tarifas de eletricidade e com o próprio crescimento um pouco abaixo do potencial.

Segundo o Banco Mundial, o ambiente externo fraco e a contração na demanda doméstica foram amplamente responsáveis pelo crescimento fraco da América Latina, de 3% em 2012. Para este ano, a previsão é de 3,5%.

Tal ritmo lento não foi visto só na América Latina. De acordo com o Banco Mundial, no ano passado os países em desenvolvimento registraram uma de suas piores taxas de crescimento da última década.

O aumento das incertezas na zona do euro em maio e junho de 2012 é apontado como um dos motivos para esse desempenho.

"Desde então, as condições dos mercados financeiros melhoraram drasticamente", indica o documento.

"No entanto, a economia real respondeu de maneira moderada. A produção se acelerou nos países em desenvolvimento, mas se vê freada pela falta de investimentos e pela fraca atividade industrial nas economias avançadas."

Leia mais sobre esse assunto

Tópicos relacionados

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.