Diocese de Milão cria telefone para atender à crescente demanda por exorcismo

Atualizado em  30 de novembro, 2012 - 18:32 (Brasília) 20:32 GMT
O Duomo, catedral de Milão (AFP)

Clérigo cita aumento na demanda, mas conta que poucos casos são de fato 'fenômenos diabólicos'

O interesse do público pelo exorcismo fez com que a Diocese de Milão dobrasse o número de padres que realizam a prática e criasse, inclusive, uma linha de telefone para atender à crescente demanda.

Em uma entrevista publicada por um site ligado à Igreja Católica, a diocese explicou ter aumentado de 6 para 12 o número de clérigos oficialmente treinados para exorcismos.

Pelo telefone, pessoas interessadas em receber o atendimento conseguem agendar visitas aos padres especialmente treinados.

Fenômenos diabólicos

Segundo o monsenhor Angelo Mascheroni, encarregado, nos últimos 15 anos, de treinar os padres praticantes de exorcismo, o interesse está em alta.

"A partir do número de chamadas que recebemos, (notamos que) a demanda dobrou", disse ele ao site Incrocinews.

Um membro da diocese disse à BBC que a linha telefônica especial está recebendo entre três e quatro chamadas diárias. E, segundo Mascheroni, esse interesse vem de pessoas distintas.

"São jovens e idosos, homens e mulheres, pessoas de diferentes níveis educacionais - tanto os que abandonaram a escola como os que se formaram na universidade."

No entanto, casos que de fato requerem exorcismo são incomuns, ele acrescentou.

"Todas as pessoas devem ser escutadas com paciência e ninguém deve ficar chocado com o que eles contam, porque Deus é sempre mais forte que o diabo. Mas os fenômenos realmente diabólicos são, pelo menos na minha experiência, muito raros."

"Muitas vezes recebo ligações de pais dizendo que seu filho ou filha está faltando na escola, usando drogas ou se rebelando", prossegue o clérigo. "Não há nenhum demônio neles, mas, aos 18 anos, muitos jovens não querem limites. É importante discernir as diferentes situações."

Leia mais sobre esse assunto

Tópicos relacionados

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.