BBC navigation

Dilma propõe superar entraves para revigorar comércio com Argentina

Atualizado em  28 de novembro, 2012 - 18:52 (Brasília) 20:52 GMT
Dilma Rousseff e Cristina Kirchner nesta quarta-feira (Foto: União Industrial Argentina)

Presidentes exaltaram a integração bilateral

A presidente Dilma Rousseff defendeu que Brasil e Argentina resolvam seus problemas "pontuais", ampliem a integração industrial e não se limitem a exportar commodities, para reverter a recente tendência de queda no comércio bilateral.

"Será sempre melhor resolvermos os atritos pontuais do que cair no vazio de não desenvolver projetos comuns", disse Dilma, em visita à província de Buenos Aires para participar de uma conferência promovida pela União Industrial Argentina (UIA), que debateu o fato de as duas economias sul-americanas terem volume muito maior de exportação de produtos primários, em vez de itens com valor agregado.

A visita ocorre em um momento de queda dos investimentos brasileiros na Argentina e de redução no comércio entre os dois países. Empresários brasileiros reclamam de barreiras comerciais aplicadas pelo país vizinho - medidas que, somadas ao menor ritmo de crescimento das duas economias, provocaram a redução nas trocas comerciais bilaterais, segundo analistas.

Dilma afirmou que "não se pode negar o efeito adverso" das medidas de controle do comércio bilateral e criticou o "desvio do comércio bilateral em benefício de parceiros extrarregionais". Nesse momento, foi aplaudida por empresários argentinos e brasileiros.

Empresários brasileiros são críticos à maior entrada de produtos asiáticos no mercado argentino, num momento de maior controle do governo da presidente Cristina Kirchner às importações – mecanismos que afetariam principalmente o Brasil, de acordo com consultorias privadas de Buenos Aires.

'Sócios'

Dilma defendeu a "maior integração" bilateral, afirmou que Brasil e Argentina são os principais produtores de alimentos do mundo e que devem "se olhar como sócios de negócios binacionais".

Ela lembrou que os dois países bateram recorde de comercio bilateral no ano passado, com cerca de US$ 40 bilhões (número que deve cair cerca de 13% neste ano, segundo estimativas). Também citou os investimentos bilaterais - os brasileiros na Argentina, de US$ 15 bilhões; os argentinos no Brasil, de US$ 7 bilhões - que considerou modestos.

"É pouco. Nosso objetivo deve ser a\integração intensa e complementar para que mudemos de patamar."

Citando a Copa de 2014 e a Olimpíada de 2016, Dilma convidou os empresários argentinos a formar "parcerias, alianças" com brasileiros para investir no Brasil em áreas como infraestrutura e plataformas de petróleo. "Nosso objetivo é superar entraves (...), reduzir as assimetrias comerciais. A Argentina é o principal mercado industrial para o Brasil. Devemos buscar maior equilíbrio na relação bilateral e ampliar essa relação", disse a presidente.

Por fim, disse que a entrada da Venezuela no Mercosul ampliará a dimensão energética do bloco, com as reservas brasileiras e venezuelanas de petróleo e as reservas de gás xisto argentinas. "Podemos fazer uma cadeia produtiva e estratégica. Acho que essa é uma das grandes oportunidades que se abrem para nós."

Dívidas argentinas

Cristina Kirchner, por sua vez, despertou risos entre jornalistas ao fazer um gesto de duplo sentido, para dizer que os crustáceos argentinos são "mais competitivos e maiores" que os brasileiros.

A argentina usou seu discurso para falar também de temas internos: disse que seu país "pagará" todas as suas dividas, depois que um juiz em Nova York ter determinado que a Argentina pague um resíduo da dívida que foi declarada em moratória após a crise econômica de 2001/2002.

Antes dos discursos das presidentes, o presidente da União Industrial Argentina, José Ignacio de Mendiguren, disse que Brasil e Argentina devem aproveitar a demanda do mundo em tempos de globalização para exportar produtos com valor agregado.

"Temos que perguntar se queremos ser só (exportadores de) minério de ferro e broto de soja ou se queremos ser grandes produtores com valor agregado."

Leia mais sobre esse assunto

Tópicos relacionados

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.