Demissão na meia idade aumenta risco de enfarte, diz estudo

Atualizado em  21 de novembro, 2012 - 07:09 (Brasília) 09:09 GMT
Ataque cardíaco / BBC

Pessoas de meia idade têm mais chances de sofrer infarto quando demitidas

Um estudo conduzido nos Estados Unidos revelou que pessoas entre 50 e 60 anos, quando demitidas, correm o risco de sofrer um ataque cardíaco da mesma magnitude que fumantes inveterados.

A pesquisa, feita com mais de 13 mil pessoas no país, indica que o risco de infarto cresce 25% durante o ano seguinte à perda do emprego e aumenta proporcionalmente caso o indivíduo seja demitido novamente após conseguir um novo trabalho.

O levantamento foi publicado na revista científica Archives of Internal Medicine.

Especialistas acreditam que o estresse possa ser uma peça fundamental para entender o aumento do risco de parada cardíaca na meia idade.

Eles acrescentam, entretanto, que são necessárias mais pesquisas para identificar o principal elo entre as demissões na meia idade e o aumento das chances de infarto.

Estudos realizados anteriormente já revelaram que um trabalho estressante pode elevar o risco de parada cardíaca.

Por outro lado, a British Heart Foundation defende que o estresse em si não é uma causa direta de doença cardíaca, embora possa contribuir para aumentar as chances da fatalidade.

Tabagismo

No último estudo do gênero, que foi conduzido durante quase 20 anos, especialistas registraram mais de 1 mil enfartos entre os 13.451 participantes.

Quando os pesquisadores analisaram especificamente quais indivíduos foram mais suscetíveis a sofrer a enfermidade, encontraram várias tendências distintas.

Homens e mulheres que fumavam, estavam com sobrepeso ou faziam pouca ou nenhuma atividade física eram mais propensos a sofrer um infarto.

Os mais velhos ou aqueles com hipertensão ou diabetes também corriam maior risco de ter uma parada cardíaca.

Depois de analisar os fatores de risco, os pesquisadores descobriram que a perda de emprego também estava associada à doença.

Infartos foram significativamente mais comuns (27%) entre os que tinham sido demitidos havia pouco tempo, independentemente do tipo de ocupação que realizavam.

O efeito também foi cumulativo: as chances de sofrer um infarto aumentou 63% entre aqueles que tinham perdido quatro ou mais empregos.

Entre os que fumavam, as chances de ataque cardíaco cresceram quase pela metade (44%).

Stress / SPL

Stress pode ser peça-chave para entender aumento do risco de parada cardíaca

Linda George, da Universidade de Duke, na Carolina do Norte, responsável pelo estudo, disse: "Este é um impacto significativo e semelhante a outros fatores de risco de infarto bem conhecidos e estabelecidos, incluindo o tabagismo e a obesidade."

"Achamos que o estresse de enfrentar o desemprego poderia explicar esta associação"., acrescentou

"E, provavelmente, a perda de um emprego tem um efeito mais forte do que um trabalho estressante", lembrou.

Já a Donna Arnett, da Associação Americana do Coração, disse: "Isto confirma outros estudos que mostram que as pressões da vida podem aumentar o risco de um ataque cardíaco."

"Estar fora do trabalho pode ser muito estressante.", acrescentou.

"Mas não sabemos como o estresse afeta o risco cardiovascular. Esta é uma área que necessita de mais pesquisas.", lembrou.

A especialista afirmou, ainda, que existem formas de gerir o estresse de maneira a minimizar seus efeitos.

"Exercitar-se é uma ótima maneira de reduzir os níveis de estresse", disse Arnett.

Leia mais sobre esse assunto

Tópicos relacionados

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.