BBC navigation

General e socialite são investigados em escândalo que derrubou diretor da CIA

Atualizado em  13 de novembro, 2012 - 09:41 (Brasília) 11:41 GMT
Allen (à direita) sucedeu Petraeus no comando de forças no Afeganistão

Allen (à direita) sucedeu Petraeus no comando de forças no Afeganistão

O FBI disse estar analisando milhares de páginas de mensagens e documentos, entre eles e-mails de conteúdo ''impróprio'', trocados entre o general John Allen, o comandante da Otan no Afeganistão, e Jill Kelley, uma mulher que está no centro do escândalo que levou à renúncia do então diretor da CIA, o general David Petraeus.

Petraeus renunciou ao comando da CIA na sexta-feira passada, após a denúncia de que a mulher com quem ele estava tendo um caso, Paula Broadwell, teria enviado uma série de mensagens ameaçadoras a Jill Kelley.

Kelley é uma socialite na cidade de Tampa, no Estado da Flórida, e atua como uma espécie de relações públicas não-remunerada na base aérea de MacDill, que serve como quartel-general do Comando Central Militar dos Estados Unidos.

Ela procurou o FBI após ter recebido os e-mails enviados por Paula Broadwell, detonando o escândalo que derrubou o diretor da CIA e que agora se volta para a natureza de sua relação com o general Allen.

Ao investigarem o caso, os agentes acabaram descobrindo que Broadwell havia tido um caso com Petraeus, após terem levantado uma série de e-mails trocados entre os dois.

Kelley é uma amiga da família do general Petraeus e, apesar de estar sendo chamada de "rival" de Broadwell pelas atenções de Petraeus, não há provas de que ela também teria tido um caso com o militar.

O FBI também não informou que tipo de conteúdo ''impróprio'' foi detectado nas mensagens entre os dois novos protagonistas do escândalo e nem se segredos de Estado foram trocados entre os dois.

Abalo

David Petraeus é casado há 38 anos. Ele é um dos mais conceituados líderes militares americanos e comandou as forças dos Estados Unidos no Afeganistão e no Iraque. Ele era cotado até para ser um futuro candidato à Presidência dos Estados Unidos pelo Partido Republicano, mas o escândalo abalou a sua carreira.

O secretário de Defesa americano, Leon Panetta, afirmou em um comunicado que o tema foi trazido ao conhecimento do Departamento de Defesa pelo FBI no domingo.

O general Allen será mantido em seu cargo, mas Panetta pediu que a indicação do general como comandante das forças da Otan na Europa seja adiado.

De acordo com o documento, o presidente americano, Barack Obama, concordou com o adiamento.

Panetta pediu uma investigação sobre o general Allen na segunda-feira e pediu que o Comitê de Forças Armadas do Senado Americano aja com rapidez para referendar a indicação do sucessor do militar no Afeganistão, o general Joseph Dunford.

John Allen é um militar "quatro estrelas" (cinco é a condecoração máxima) que sucedeu ao general Petraeus como o principal comandante militar americano no Afeganistão, em julho de 2011.

Ele foi o vice-comandante do Comando Central Militar dos Estados Unidos antes de assumir o controle das forças do país no Afeganistão. Ele é também um veterano da Guerra do Iraque.

O caso do general Petraeus com Paula Broadwell teve início meses após ele ter se aposentado do Exército e ter se tornado diretor da CIA.

Leia mais sobre esse assunto

Tópicos relacionados

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.