BBC navigation

Líbio que teria capturado Khadafi morre após levar tiros

Atualizado em  25 de setembro, 2012 - 17:12 (Brasília) 20:12 GMT
Khadafi, no dia em que foi morto, 20 de outubro de 2011 (Reuters)

Khadafi foi capturado e morto em outubro de 2011

O combatente rebelde líbio a quem é atribuída a captura o coronel Muamar Khadafi morreu em um hospital em Paris, informaram nesta terça-feira autoridades do país norte-africano.

Umran Jum'ah Sha'Ban fora, também de acordo com autoridades, atingido há dois meses por tiros supostamente disparados por simpatizantes de Khadafi na cidade de Bani Walid, um antigo bastião do coronel na Líbia.

Khadafi, que governou a Líbia durante 42 anos, foi morto em outubro de 2011, na cidade de Sirte, em meio aos protestos da Primavera Árabe.

Sha'Ban teria sido o primeiro a deter Khadafi, que estava escondido em Sirte, em 20 de outubro do ano passado. Imagens amadoras divulgadas naquele dia mostraram o corpo do coronel sendo arrastado pelas ruas e agredido. Khadafi morreu de ferimentos a bala antes de ser levado ao hospital.

'Mártir'

Nesta terça, autoridades líbias afirmaram que Sha'Ban - que fora levado a Paris para ser tratado - não resistiu aos ferimentos do ataque que sofreu há dois meses.

Sua morte foi anunciada ao vivo pela National Libyan TV (alinhada com o governo interino do país) e ele foi descrito como "herói e mártir" por "pertencer ao grupo que capturou o amaldiçoado (Khadafi)".

Em comunicado, as autoridades interinas afirmaram que os acusados pela morte de Sha'Ban serão punidos.

Quase um ano após a queda de Khadafi, a Líbia realizou há poucos meses a primeira eleição livre de sua história, mas ainda vive um clima de incerteza quanto ao futuro da recém-criada democracia, diante da falta de controle estatal sobre todo o território e da existência de milícias.

Nesta semana, o governo interino do país disse que todas as milícias ilegais seriam dissolvidas, após uma série de enfrentamentos e protestos populares contra milicianos.

Os protestos foram desencadeados pela ação atribuída a uma milícia fundamentalista islâmica, a Ansar al-Sharia, em 11 de setembro deste ano, quando o consulado americano em Benghazi foi atacado e incendiado. O ataque matou quatro pessoas, entre elas o embaixador dos Estados Unidos na Líbia, Chris Stevens.

Leia mais sobre esse assunto

Tópicos relacionados

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.