BBC navigation

Entenda o que está por trás da alta nos preços dos combustíveis e alimentos

Atualizado em  10 de agosto, 2012 - 14:33 (Brasília) 17:33 GMT
Trigo | Crédito da foto: Reuters

Pior seca em 25 anos nos Estados Unidos deverá causar aumento no preço internacional do trigo

O aumento no preço dos alimentos e a já esperada alta dos combustíveis voltaram a espalhar temores de uma crise de segurança alimentar em vários países em desenvolvimento. A consequente volatilidade nos preços das commodities agrícolas também poderá ter impactos nocivos em várias economias.

Após três meses de queda consecutiva, o Índice de Preços dos Alimentos da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) voltou a registrar alta.

Ainda que o preço dos alimentos tenha atingido seu pico em fevereiro, o custo final ao consumidor continua a subir, o que tem ocasionado um aumento da inflação ao redor do mundo. A culpa, quase sempre, tem sido creditada aos especuladores.

Para piorar o quadro, a seca que atinge as plantações de grãos no meio-oeste americano e o cinturão do milho na região próxima à Califórnia deu guarida às preocupações de que haja desabastecimento na produção de trigo e, como resultado, um aumento no preço internacional dessas commodities agrícolas.

Embora o preço dos combustíveis, outro elemento que pesa na conta da inflação, tenha recuado aos valores do início deste ano, a provável queda na oferta de petróleo o e crescimento da demanda dão indicações de que o preço voltará a subir.

Embora produtores brasileiros tenham inicialmente visto com bons olhos a seca americana, segundo dados do IBGE, a inflação oficial em julho, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), interrompeu a trajetória de queda e subiu 0,48%, acumulando alta de 5,2% nos últimos 12 meses, em grande parte pelo aumento no preço dos alimentos e das bebidas.

Em meio à tamanha instabilidade de preços, a BBC preparou um questionário para explicar o que está por trás desse cenário. Confira.

Quais são, atualmente, as principais pressões sobre o preço dos alimentos?

Até o último alerta da FAO, os temores sobre uma eventual escassez de alimentos têm diminuído desde 2008, quando a alta dos preços causaram protestos e manifestações ao redor do mundo.

A FAO informou em julho que "o fornecimento total e a situação da demanda em 2012 e 2013 permanece estável"

A entidade também apontou para um estoque "abundante" de arroz, alimento que faz parte da mesa de muitos países asiáticos e também indicou que há trigo e outros grãos disponíveis para exportação.

Além disso, estima-se que a produção mundial de cereais quebre outro recorde neste ano, com 2,4 bilhões de toneladas produzidas, um aumento de 2% em relação à marca histórica alcançada em 2011.

No entanto, com algumas áreas dos Estados Unidos tradicionalmente produtoras de grãos afetadas pela pior seca em 25 anos, os preços do trigo, do milho e da soja têm aumentado rapidamente nas últimas semanas.

Somente o preço do trigo, por exemplo, subiu 35% nos últimos meses.

E em relação ao preço de outros alimentos?

A FAO informou que os preços de todas as commodities agrícolas caíram em junho, principalmente impulsionados pela queda registrada por oleoginosas e gorduras.

Isso porque, apesar do desespero dos agricultores americanos em relação à colheira dos seus campos de cereais, seus pares canadenses estão prevendo uma safra recorde de colza, uma das principais fontes de óleo vegetal.

O Brasil, entretanto, vem sofrendo atrasos na colheita do açúcar, do qual é o maior produtor mundial, por causa do excesso de umidade, reduzindo os estoques e elevando os preços.

Já na Índia, o segundo maior produtor mundial de arroz e açúcar, há temores de que as chuvas deste ano abaixo da média possam reduzir a produção após dois anos de boas colheitas.

"É um desafio imenso para os agricultores alcançar a mesma performance dos últimos dois anos", disse o ministro da Fazenda da Índia, Sharad Pawar, no mês passado. "Neste ano, a chuva está brincando de esconde-esconde conosco", brincou.

Qual é o peso dos especuladores?

"A volatilidade excessiva dos preços de alimentos, especialmente na velocidade em que vem ocorrendo desde 2007, tem impactos negativos sobre os consumidores e produtores pobres em todo o mundo"

José Graziano da Silva, diretor-geral da FAO

O diretor-geral da FAO, o brasileiro José Graziano da Silva, apontou o dedo para a especulação dos mercados financeiros, dizendo que "mais compreensão é necessária" para avaliar seu impacto na volatilidade dos preços dos alimentos.

"Não estamos falando de especulação relacionada ao preço real dos alimentos e do normal funcionamento dos mercados de futuros", disse.

"Estamos falando de especulação excessiva nos mercados de derivativos, o que pode aumentar a oscilações de preços e sua velocidade”, acrescentou.

"A volatilidade excessiva dos preços de alimentos, especialmente na velocidade em que vem ocorrendo desde 2007, tem impactos negativos sobre os consumidores e produtores pobres em todo o mundo", afirmou Graziano.

A Economist Intelligence Unit (EIU), unidade de inteligência da revista britânica The Economist, também observou casos em que os especuladores que aproveitam da escassez das matérias-primas como uma oportunidade de investimento têm "ajudado a exagerar" na inflação dos preços.

O Movimento de Desenvolvimento Mundial (WDM) está empenhado em frear tal aposta.

A entidade quer uma maior regulação da compra e venda dos contratos futuros, quando a safra de uma mercadoria é vendida a um determinado preço em um horário definido.

Tal sistema foi criado para reduzir a incerteza, garantindo tanto o preço de venda ao produtor quanto os bens de que necessita o comprador. Na prática, trata-se de um mecanismo que reduz o risco dos negócios.

Mas o WDM e outros organismos internacionais afirmam que a negociação desses contratos, com ativos e ações, está pressionando o preço dos alimentos para cima, impactando negativamente em especial os mais pobres.

O que está acontecendo com o preço do petróleo?

Petróleo | Crédito da foto: AP

Apesar do recuo no início do ano, preço do barril do petróleo já dá sinais de retomada.

O preço do barril de petróleo tipo Brent recuou desde abril, quando foi negociado a US$ 125 (R$ 250) o barril. Os preços já não estão muito acima da marca de US$ 110.

No entanto, as tensões políticas continuam a afetar alguns países produtores de petróleo no Oriente Médio.

O Irã ainda ameaça bloquear o transporte do óleo através do Estreito de Ormuz, por meio do qual cerca de um quinto do petróleo do mundo atualmente passa, caso as sanções contra o país não sejam interrompidas.

Aliado a esta incerteza, está o aumento da demanda por petróleo.

Analistas apontam, em particular, para a sede da China por energia para alimentar suas fábricas e os milhares de novos veículos.

No Brasil, a alta da cotação do petróleo teve um impacto forte nas contas da Petrobras, que registrou prejuízo de R$ 1,346 bilhão no segundo trimestre deste ano, especialmente porque a estatal não tem repassado o reajuste do preço internacional da commodity aos consumidores.

Apesar de o temor de que o repasse gere um ônus político, no âmbito eleitoral, e econômico, contribuindo para a inflação, o governo parece ter cedido a um novo reajuste no preço dos combustíveis até o final do ano.

Como os alimentos, é difícil escapar do impacto dos crescentes preços do petróleo.

A alta não só afeta diretamente o custo do combustível e energia, mas também impacta o preço de outros bens, uma vez que aumenta o custo de produção e transporte.

Como muitas economias ao redor do mundo ainda lutam para lidar com uma dolorosa recessão global, os salários não estão subindo para manter o ritmo. Assim, muitos estão realmente sentindo o aperto.

Leia mais sobre esse assunto

Tópicos relacionados

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.