Lojas de grife fecham as portas na Argentina após restrições

Atualizado em  9 de agosto, 2012 - 16:51 (Brasília) 19:51 GMT
Loja da Polo Ralph Lauren in Buenos Aires (Foto: Marcia Carmo)

Polo Ralph Lauren é a última de quatro grifes estrangeiras a fechar as portas em Buenos Aires

Quatro lojas de marcas internacionais fecharam as portas neste ano em Buenos Aires, em meio à intensificação das medidas adotadas pelo governo argentino para restringir importações e operações com dólar.

Na semana passada, a grife americana Pólo Ralph Lauren divulgou comunicado informando sobre o "fechamento temporário" de suas três sucursais no país.

Anteriormente, a alemã Escada, a francesa Yves Saint Laurent e a americana Calvin Klein já haviam fechado suas lojas na Argentina.

"A intenção (da empresa) é continuar com os negócios na Argentina, e a empresa está voltada para esse esforço já que trata-se de uma decisão temporária", afirmou a Polo Ralph Lauren, em um comunicado de três linhas.

No entanto, a imprensa local interpretou a decisão como sinal de que "mais uma loja internacional" está deixando o país devido às barreiras comerciais anunciadas pelo governo.

"A limitação às importações também afetou as marcas de luxo que, impedidas de abastecer suas lojas com artigos que chegam do exterior, começaram a fechar as portas", publicou o jornal de economia El Cronista.

De acordo com o jornal, outras marcas internacionais estariam se "adaptando" às normas do governo da presidente Cristina Kirchner de que "para exportar é preciso importar".

Segundo o jornal, uma loja italiana de roupas masculinas fechou suas portas durante dois meses na avenida Alvear, a mais sofisticada de Buenos Aires, e decidiu reabri-la ao conseguir compensar as importações com as exportações de lã de um fabricante argentino.

Competitividade

Local onde funcionava loja Escada, em Buenos Aires (Foto: Marcia Carmo)

Desde abril a loja onde funcionava a Escada está fechada e com cartaz anunciando seu aluguel

A Avenida Alvear é conhecida por concentrar as marcas internacionais, mas desde abril passado a loja onde funcionava a Escada está fechada e com um cartaz que anuncia o aluguel do espaço. A Yves Saint Laurent fechou em dezembro, e a Calvin Klein, em abril passado.

"A empresa havia desembarcado em 2008 com planos de abrir 15 lojas, mas fechou sua última loja, que funcionava no shopping Unicenter", publicou o jornal La Nación.

As barreiras às importações afetaram desde copos de uma marca internacional de café a lojas que vendem bijuterias indianas, por exemplo, de acordo com o diário Clarin.

"Quando as empresas (internacionais) não podem trazer produtos de fora, é lógico que fechem", diz Adrian Kittner, da consultoria eConsultora.

Para Gustavo Dominguez, da Associação Argentina de Marketing (AAM), o mercado argentino "começa a perder competitividade no que se refere ao luxo".

Grifes

O economista Carlos Canudas avalia que as barreiras comerciais afetam tanto as grifes estrangeiras quanto as nacionais.

"O problema é que tanto as estrangeiras quanto as nacionais dependem de alguns tecidos ou outro material que vem de fora", afirmou Canudas, em entrevista à BBC Brasil. "Em outros casos, as roupas são importadas. As restrições afetam o glamour."

Canudas acrescenta que as medidas argentinas de impor barreiras a importações e o controle de dólares podem contribuir para que marcas argentinas se instalem no exterior, principalmente nos países vizinhos.

A Argentina possui marcas locais com um volume significativo de negócios fora do país. No total, segundo Canudas, são 113 franquias, incluindo 55 no Uruguai e 25 no Brasil. Neste caso, a lista vai de roupas a sorvetes argentinos.

Na sua opinião de Canudas, a expansão dessas marcas no exterior compensa as medidas restritivas.

Para o economista Diego Coatz, da União Industrial Argentina (UIA), o principal problema não são as barreiras comerciais, mas o preço do aluguel das lojas.

"O aluguel é caro e a venda interna, em um mercado que é pequeno, não compensa", avalia Coatz. "Não há aqui escala para que elas tenham lucros."

Leia mais sobre esse assunto

Tópicos relacionados

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.