BBC navigation

Depoimento: 'Uma história estranhamente viva'

Atualizado em  10 de agosto, 2012 - 07:36 (Brasília) 10:36 GMT

Meus pais assinavam uma revista chamada Literatura Estrangeira. Tenha em mente que isso não era fácil, pois naquela época havia escassez de quase tudo. Grossos e com capas brilhantes, os volumes da publicação estavam por toda a casa e ninguém os escondia de mim.

Eu era uma leitora ávida: tudo, dos livros da nossa extensa coleção de casa, a livros da biblioteca e jornais, tudo eu caçava.

Eu dava uma "espiada" em todo tipo de publicação só para ver se achava coisas interessantes. E em uma dessas revistas descobri Jorge Amado.

Brasil? Isso era algo tão distante que chegava a ser quase surreal. Claro, eu tive aulas de geografia na escola, mas eu não tinha certeza nem sobre a língua que os brasileiros falavam. Era espanhol? "Não – minha mãe me disse - é português".

Mas era quase a mesma coisa, certo? "Na verdade não, há menos em comum do que russo e ucraniano", completou minha mãe.

Mas o que existe lá? Florestas? O rio Amazonas? A estranha capital de nome parecido ao do país e construída do zero? Definitivamente o assunto merecia ser explorado.

Não posso dizer que as primeiras páginas me atraíram muito.

De alguma forma o estilo parecia estranho para mim. Mas a partir da metade do livro ele tinha me fisgado. Era Gabriela, Cravo e Canela.

A complexa relação entre vida real e mitos, talvez originários das tradições indígenas, fortemente entrelaçados com sexo (algo para o qual eu não estava preparada na época) faziam com que a história como um todo fosse estranhamente viva. Vibrante, com uma cultura totalmente diferente e única.

Agora me dou conta dos motivos pelos quais os censores soviéticos aprovavam Jorge Amado com tanta veemência.

Nenhum outro homem poderia ter satisfeito de melhor forma as restrições ideológicas da época: um comunista, que tinha sofrido nas mãos de opressores, e que chegou a viajar à União Soviética para receber o Prêmio Stalin da Paz!

Então, por que sua prosa acabou se tornando tão popular entre dezenas de milhares de intelectuais que eram incondicionalmente contrários a qualquer coisa aprovada pelo Partido Comunista?

Na minha opinião, a resposta é simples: porque isso não importava.

Independentemente da visão política de Amado, ele foi um grande escritor que conseguiu manter-se fiel aos seus ideais não importando os sistemas políticos, ditadores e tendências populares na literatura.

Quando olho para seus livros, agora, desde O País do Carnaval até o último, me parece que Os Subterrâneos da Liberdade, tão apreciado na Rússia soviética, estava fora de sintonia, e não Gabriela.

Mas a paixão era a mesma. As maravilhosas personagens femininas tridimensionais eram as mesmas. Eu provavelmente não conseguia me identificar com elas, mas podia criar empatia, o que é provavelmente é muito mais importante.

Mas o livro que me deixou verdadeiramente de cabeça para baixo foi Capitães da Areia.

Meu Deus, nós choramos, entre amigos, sobre os amantes trágicos.

Esse é, definitivamente, um livro ideal para qualquer menina adolescente, cuja crença secreta é, sem dúvida, que a maior glória que qualquer um pode atingir é morrer por amor!

Os livros de Jorge Amado são tudo menos sentimentais, mas todo mundo extrai da literatura o que é mais próximo do seu coração.

Após Amado, o Brasil e a América Latina não eram mais somente um triângulo de forma estranha no globo, mas sim algo que eu às vezes parecia conhecer.

Ele não foi o único que mudou completamente minha percepção deste lugar longínquo.

Houve depois Cem Anos de Solidão, mas eu não acho que teria sido capaz de apreciar as obras de Gabriel García Márquez se minha mente já não tivesse sido preparada.

Jorge Amado abriu esta porta, e Garcia Márquez a escancarou com um maravilhoso confete de paixões, mitos e realismo.

"Choveu por quatro anos, 11 meses e dois dias"... Olá, verão britânico!

Leia mais sobre esse assunto

Tópicos relacionados

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.