Pilotos não perceberam avião da Air France caindo, diz relatório

Atualizado em  5 de julho, 2012 - 14:42 (Brasília) 17:42 GMT
Foto: Agência Brasil

Homens da Marinha do Brasil removem destroços trazidos do mar pela fragata Constituição durante as buscas pelos desaparecidos na tragédia

Os pilotos do voo AF447 da Air France, que caiu no Atlântico em 2009, "não entenderam em nenhum momento que o avião estava caindo", afirmou nesta quinta-feira Jean-Paul Troadec, diretor do BEA, órgão que apurou as causas do acidente.

Pouco mais de três anos após o acidente, o BEA (Escritório de Investigações e Análises, na sigla em francês) divulgou nesta quinta suas conclusões finais sobre o acidente que matou 228 pessoas.

O fato de não identificar que o avião, a cerca de 11 mil metros de altitude, estava despencando a uma velocidade vertical de 200 quilômetros por hora, impediu que "houvesse ações que permitissem recuperar" a aeronave, diz o relatório.

"O comandante não diagnosticou a situação de perda de sustentação do avião. A situação ficou praticamente fora de controle", declarou Troadec durante a coletiva em Bourget, nos arredores de Paris.

Nesta apresentação à imprensa das conclusões sobre as causas da tragédia, os investigadores deram maior enfoque aos erros humanos cometidos pela tripulação.

O resumo do relatório entregue à imprensa (o documento total reúne cerca de 300 paginas) também aponta inúmeras falhas cometidas pela tripulação, como a "identificação tardia do desvio da trajetória e a correção insuficiente feita pelo piloto".

Mas durante a coletiva, os investigadores acabaram reconhecendo, como haviam explicado aos familiares horas antes, que alguns ações dos pilotos foram motivadas por dados errôneos nos equipamentos do avião.

É o que ocorreu com o diretor de voo, que fornece a posição da aeronave para que o piloto siga determinados parâmetros.

Em algumas situações, o instrumento orientou os pilotos a continuarem subindo no momento em que o avião perdia a velocidade. Nesse caso, a ação correta deveria ter sido o contrário.

Além das falhas humanas, o relatório do BEA também aponta erros técnicos dos equipamentos, como o congelamento das sondas pitot, que medem a velocidade do avião.

"Houve dois acontecimentos determinantes: o congelamento das sondas pitot e o fato de os pilotos não identificaram a perda de sustentação do avião", afirmou Troadec.

O congelamento das sondas em alta altitude provou a perda dos indicadores de velocidade e o desligamento do piloto automático. Apenas três minutos e meio depois, o avião caiu no oceano.

Mas em momento algum durante a coletiva, o BEA, ligado ao governo francês, acionista da Air France e da Airbus, criticou a ação dessas duas empresas.

Já existia na época uma nova geração de sondas pilot, mas a Air France só efetuou a troca do equipamento em sua frota após a catástrofe do AF 447.

"De forma alguma estamos minimizando o problema do congelamento dos sensores de velocidade", afirma Troadec.

Recomendações

O BEA também fez 25 novas recomendações sobre segurança de voo nesse novo relatório. Oito delas se referem ao treinamento e à formação dos pilotos.

A aeronáutica brasileira apreciou o relatório final do BEA.

"O documento aborda todos os fatores que contribuíram para o acidente e faz recomendações", disse o coronel Luís Carlos Lupoli, representante do Brasil nas investigações.

Leia mais sobre esse assunto

Tópicos relacionados

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.