BBC navigation

Incerteza ronda Rio+20

Atualizado em  15 de junho, 2012 - 18:43 (Brasília) 21:43 GMT
Imagem do Cristo Redentor em verde para marcar a realização da Rio+20 (Foto: Reuters)

Negociações sobre desenvolvimento sustentável enfrentam divergências e atrasos

As negociações da ONU sobre desenvolvimento sustentável, no Rio, estão enfrentando divergências, atrasos e disputas diplomáticas, apenas dias antes da chegada dos líderes mundiais para assinar um novo acordo.

O objetivo das negociações é colocar a economia mundial em um caminho mais sustentável, que ajude as pessoas a sair da pobreza e, ao mesmo tempo, proteja a natureza.

No entanto, países em desenvolvimento se retiraram por divergências em relação a dinheiro, e a presença de palestinos trouxe complicações.

Ativistas dizem que há pouca esperança de que haja acordo para mudanças importantes.

"Isso já nem é mais uma questão", disse Lasse Gustavsson, diretor executivo de conservação da WWF Internacional.

"Está claro que vamos conseguir algo, mas está igualmente claro que não vamos conseguir o que o planeta precisa", disse ele à BBC News.

Reuniões preparatórias foram travadas na tarde de quinta-feira, quando o grupo G77 + China, que reúne 131 países em desenvolvimento, se retirou de diversas sessões.

Eles disseram que não podiam discutir questões como economia verde – que alguns veem como um possível freio ao desenvolvimento – a menos que as nações ricas sejam claras sobre o tamanho da ajuda financeira que estão preparadas para oferecer.

O texto base do acordo no qual os negociadores estão trabalhando contém parágrafos que comprometeriam o mundo desenvolvido a fornecer US$ 30 bilhões por ano (podendo chegar a US$ 100 bilhões por ano), mas os governos dos países ricos não estão preparados para aceitar nenhum desses números.

Longo fim de semana

Grupos de discussão voltaram a se reunir na manhã de sexta-feira. Nikhil Seth, chefe do escritório do secretariado da Rio+20, disse a repórteres que havia "um sentimento de otimismo cauteloso".

Mas até a noite de quinta-feira, segundo ele, havia acordo sobre somente 28% do texto em negociação.

Observadores afirmam que é pouco provável que as reuniões preparatórias sejam encerradas nesta sexta-feira, como programado.

Parece mais provável que as reuniões avancem pelo fim de semana e possivelmente até terça-feira, quando ministros e cerca de 130 chefes de governo devem chegar para uma cúpula de três dias.

Decisões sobre a forma e o tamanho dessas reuniões estarão a cargo do governo brasileiro, que assume a responsabilidade à meia-noite nesta sexta-feira.

Palestinos

Outro entrave é relacionado à participação de delegados palestinos.

Como um membro recém-aceito na Unesco, a delegação palestina acreditava ter um assento à mesa na Rio+20.

Mas quando as negociações começaram, os Estados Unidos fizeram objeção. Então, oficialmente, as reuniões preparatórias não começaram. Até a tarde desta sexta-feira, a situação continuava sem solução.

Não está claro se e como a presença palestina irá afetar a conferência na semana que vem, na qual o ministro palestino poderá fazer um discurso.

Mais de 26 mil delegados já estão inscritos para a conferência, incluindo políticos, negociadores dos governos, jornalistas e líderes empresariais.

Mas o maior contingente vem de grupos que fazem campanha pela redução da pobreza ou pela proteção ambiental. E eles parecem frustrados pelo tempo gasto em discussão de detalhes, em vez de se chegar a um acordo sobre um resultado visionário.

"São os países em desenvolvimento e as pessoas mais pobres do mundo que têm mais a perder no caso de um resultado fraco na Rio+20", disse Stephen Hale, da Oxfam.

"Nós precisamos urgentemente que o Brasil dê um passo à frente e convença os outros países a assumir compromissos à altura da urgência do desafio."

Europa

A WWF sugeriu que os chefes de governo europeus, que em sua maioria estão se mantendo distantes, deveriam reavaliar suas prioridades.

O britânico David Cameron e a alemã Angela Merkel estão entre os líderes que devem participar do encontro do G20 no México, segunda e terça-feira, antes de voltar a seus países para lidar com qualquer problema relacionado à eleição geral grega, no domingo, em vez de fazer a comparativamente curta parada no Rio.

"Nós temos a maioria dos chefes de governo, mesmo chefes de Estado, das economias emergentes vindo. Seu PIB é de cerca de 30% do PIB mundial. O da Grécia, é de cerca de 0,37%", disse Gustavsson.

"Nós talvez venhamos a olhar para isso como o momento histórico em que a Europa entregou o bastão do desenvolvimento sustentável para as economias emergentes."

Leia mais sobre esse assunto

Tópicos relacionados

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.