Palcos de massacres viram destino popular de turistas

Atualizado em  12 de junho, 2012 - 09:16 (Brasília) 12:16 GMT
Turistas em Auschwitz (Foto AP/Jockel Finck)

Visitantes em Auschwitz: antigo campo nazista recebeu 1,4 milhões de turistas no ano passado

A polêmica causada por visitas de jogadores de seleções europeias ao campo de concentração de Auschwitz chama a atenção para um fenômeno recente na indústria do turismo mundial: a procura cada vez maior por locais ligados a assassinatos em massa, o chamado "turismo de genocídio".

Jogadores da Holanda, Itália, Alemanha e Inglaterra, seleções que participam a Eurocopa, realizada na Polônia e na Ucrânia, estiveram no local do antigo campo de concentração nazista de Auschwitz-Birkenau, na Polônia, que hoje é um dos mais famosos memoriais às vítimas do Holocausto.

Essas visitas dividiram opiniões. Na Inglaterra, o jornal Daily Mirror saudou a "mensagem poderosa" que ela envia em um momento em que o "futebol está enfrentando novas e graves preocupações sobre o racismo entre jogadores e torcedores".

Já em outro jornal, o Daily Mail, a visita dos jogadores ingleses foi vista como uma "jogada de relações públicas de mau gosto".

Seja como for, o fato é que nos últimos anos memoriais e museus que marcam os locais de assassinatos em massa em todo o mundo têm recebido um número cada vez maior de visitantes.

Só no ano passado, um recorde de 1,4 milhões de pessoas cruzaram o famoso portão com os dizeres "Arbeit Macht Frei" (O trabalho liberta) de Auschwitz. Em outras partes do globo, memoriais do Holocausto, de massacres e genocídios também estão vendo os seus números de visitantes dispararem.

Bósnia, Camboja e Ruanda estão entre os destinos mais procurados do ficou conhecido como "turismo de genocídio".

Ruanda

O casal americano Ben e Nicole Lusher, por exemplo, decidiu embarcar em uma viagem de 5 meses para visitar memoriais em diversos cantos do globo - partindo de Yad Vashem, em Jerusalém, o memorial oficial do Holocausto em Israel.

Ben diz que o lugar que mais os emocionou foi o memorial do genocídio de Ruanda, com vista para Kigali. "Foi uma experiência nova para nós estar em um lugar onde o genocídio ocorreu há tão pouco tempo", diz ele.

Tanto Ben quanto Nicole tinham apenas 10 anos em 1994, quando entre 800 mil e 1 milhão de tutsis e hutus moderados foram mortos.

Em geral, os visitantes estrangeiros do memorial de Kigali são turistas que viajaram para Ruanda para fazer turismo de natureza, apreciando a vida selvagem e montanhas do país. Mas mais de 40.000 estrangeiros passaram pelo memorial em 2011. Entre os visitantes também estão filhos e familiares das vítimas.

A canadense Laura Maclean, que foi a Ruanda para fazer montanhismo, explica que decidiu visitar o memorial em suas férias porque pensou que essa seria uma forma de "mostrar respeito" às vítimas do genocídio.

Segundo o guia de turismo George Mavroudis, que freta aviões para levar americanos para ver gorilas em Ruanda, a maioria de seus clientes pede para visitar o memorial.

De acordo com Mavroudis, que foi ao memorial de Kigali mais de 20 vezes, os turistas acreditam que a visita é importante para entender o país no qual eles estão passando férias.

Caveiras

O memorial do genocídio não é o único ponto turístico que relembra esse episódio sombrio da história de Ruanda.

O filme de Hollywood Hotel Ruanda é baseado na história do gerente do hotel cinco estrelas Des Milles Collines, que abrigou tutsis e hutus moderados para evitar que eles fossem massacrados.

Hoje, o atual gerente desse hotel, Marcel Brekelmans, diz que turistas aparecem todos os dias para tirar fotos na entrada do estabelecimento.

Para ele, não há que escapar do passado do país. "Ruanda não é apenas um lugar com gorilas e os belos lagos. Alguma coisa aconteceu aqui", diz Brekelmans, que cresceu perto de um dos maiores cemitérios da Segunda Guerra Mundial, na Holanda. "De tempos em tempos é preciso parar e refletir sobre isso".

Mas as formas usada pelos memoriais para lembrar as vítimas dos massacres frequentemente despertam polêmicas.

O principal memorial do genocídio em Kigali tem cabines cheias de caveiras alinhadas. Outros compartimentos exibem pilhas e pilhas de ossos.

No Camboja, memoriais aos mortos pelo regime do Khmer Vermelho têm crânios dispostos em uma pirâmide.

Para alguns, exibir restos humanos é uma forma de desrespeito à dignidade dos falecidos.

James Smith, fundador do memorial de Ruanda e do memorial do Holocausto na Grã-Bretanha, diz que o respeito às vítimas foi uma das suas preocupações quando criou o memorial. Mas ele decidiu manter a exposição dos crânios recém-desenterrados de valas comuns como forma de evitar qualquer tipo de negação sobre o que ocorreu.

Motivações

Por que cada vez mais turistas visitam esses memoriais?

A psicóloga Sheila Keegan, especialista em tendências culturais, diz que hoje os turistas têm expectativas variadas sobre suas viagens.

Enquanto muitos ainda querem sentar na praia e relaxar, outros também querem ampliar seus horizontes.

"As pessoas querem ser desafiadas. Pode ter um elemento de voyeurismo nisso, mas as pessoas querem sentir grandes emoções que elas não costumam experimentar no dia a dia. Elas querem fazer essa pergunta relacionada à própria natureza do ser humano: Como pudemos fazer isso?"

Keegan diz que visitas a memoriais de genocídios também dão aos turistas algo para contar e debater quando voltam para casa - mas faz uma ressalva, lembrando uma experiência pessoal.

A psicóloga diz que não pensou muito quando decidiu visitar os campos de extermínio do Camboja com a filha de oito anos quando estava passando férias no país. Hoje, lamenta a decisão.

"Não esperava que a visita fosse tão chocante", afirma. "Estávamos em meados dos anos 90, e a guerra civil terminara havia pouco tempo. Ainda havia sangue no chão."

Leia mais sobre esse assunto

Tópicos relacionados

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.