COB aposta em 'ciência' para repetir Pequim em Londres

Atualizado em  5 de junho, 2012 - 15:46 (Brasília) 18:46 GMT
Marcus Vinicius Freire (Foto: Sérgio Huóliver/COB)

Superintendente do COB foi medalhista olímpico em Los Angeles-1984

O superintendente-executivo de esportes do COB (Comitê Olímpico Brasileiro), Marcus Vinicius Freire, disse que a ciência do esporte é uma aposta do comitê para repetir em Londres 2012 os bons resultados da Olimpíada de Pequim, em 2008.

"É a ciência que hoje faz a diferença entre um campeão olímpico e um quarto colocado numa mesma prova, incluindo aí um grupo de especialidades que inclui bioquímica, fisiologia, psicologia, nutrição, entre outras", disse ele aos leitores da BBC Brasil.

Em um bate-papo realizado na página da BBC Brasil no Facebook, Freire chegou a afirmar que, atualmente, os atletas têm "a melhor preparação da história da delegação brasileira, em função do momento esportivo no nosso país" e de incentivos públicos e privados.

Segundo o superintendente, a equipe que acompanhará os atletas brasileiros a Londres irá utilizar a transmissão local das competições olímpicas para estudar as estratégias dos principais adversários dos brasileiros.

"Teremos profissionais editando imagens dos possíveis adversários dos nossos atletas e passando informações para que os técnicos e atletas pensem juntos em suas estratégias."

A delegação brasileira tem 19 profissionais de ciência do esporte e 33 da área médica, de acordo com Freire, e dará tratamento personalizado a algumas modalidades, em que os atletas terão rotinas mais extenuantes.

Estratégia agressiva

Questionado pelos leitores, o ex-jogador de vôlei, de 49 anos, disse que o COB pretende manter em Londres o resultado de 15 medalhas conquistado em Pequim, em 2008.

"Para o Rio 2016, uma vez que teremos tempo para maturar a nossa estratégia e ações específicas, estamos com uma meta agressiva de duplicar no número de medalhas vistas em Pequim 2008 e ingressar no grupo do top 10 pelo total de medalhas."

Freire afirmou ainda que o Comitê Olímpico tem um programa chamado "Os 16 de 16" para preparar psicologicamente jovens atletas para a experiência olímpica no Rio.

"Eles conhecerão como funciona a vila olímpica, locais de competição, de treinamento, coletiva de imprensa, refeitório e estarão preparados para quando tiverem a pressão por resultados em 2016 não serem 'picados pela mosca da vila olímpica', onde quem se deslumbra acha ter entrado na Disneylândia do esporte e normalmente perde o foco do que foi fazer nos Jogos", disse.

De acordo com ele, os jovens atletas de modalidades individuais, que estejam bem colocados no ranking e que nunca tenham participado da Olimpíada terão prioridade no programa.

Freire foi medalhista de prata no vôlei nos Jogos Olímpicos de Los Angeles-1984, na seleção que contava também com estrelas como Bernard, William e Renan.

Formado em economia, com MBAs em seguros e marketing, Freire está no COB desde 1999. Foi diretor técnico da entidade, de 1999 a 2008, e chefe de missão nos Jogos Olímpicos de Sidney-2000, Atenas-2004 e Pequim-2008, nos Pan‑Americanos de Winnipeg-1999, Santo Domingo-2003 e Rio-2007 e nos Jogos Sul‑Americanos de 2002 no Brasil.

Leia mais sobre esse assunto

Tópicos relacionados

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.