Novo patamar do câmbio reforça dilema na economia; entenda

Atualizado em  18 de maio, 2012 - 17:29 (Brasília) 20:29 GMT
Dólar

Alta da moeda americana beneficia setor exportador, mas tem impacto impacto negativo sobre inflação

O novo patamar atingido pelo dólar, que nesta semana intensificou sua trajetória de alta e fechou acima de R$ 2 pela primeira vez desde julho de 2009, reforça um dilema sempre presente na economia brasileira.

Nesta sexta-feira, a moeda americana fechou cotada a R$ 2,02.

Por um lado o movimento é bem recebido pelo setor exportador, cujas receitas são em moeda estrangeira e que há muito reclama de desvantagens provocadas pela valorização do real frente ao dólar.

Por outro, pode ter um impacto negativo sobre a inflação, já que muitos produtos consumidos no Brasil têm seu preço influenciado pelo dólar.

Como o impacto é diferente em cada setor, é difícil chegar a um nível de câmbio d equilíbrio, que leve em conta a economia como um todo.

"Não existe câmbio ideal", disse à BBC Brasil o economista Silvio Campos Neto, da Tendências Consultoria.

Entenda as causas e os impactos da alta do dólar nos diferentes setores da economia brasileira.

Causas

O atual movimento de alta do dólar é fruto de diversos fatores, com destaque para a intervenção do governo e a queda de juros no mercado interno e a piora do cenário internacional, em especial com a recente crise na Grécia, que levou a um aumento da percepção de risco.

O mal desempenho das commodities – das quais o Brasil é grande exportador – também teve influência na alta do dólar.

O dólar saiu de um patamar de R$ 1,70 no fim de fevereiro, alcançou R$ 1,80 em meados de março e ganhou mais força ao longo de abril, até romper a barreira de R$ 2 nesta semana.

O fenômeno não é exclusivo do Brasil e afeta moedas de outros países.

Nesta semana, a moeda indiana, a rúpia, alcançou um mínimo histórico em relação ao dólar, como fruto da crise na zona do euro, que está afetando os mercados asiáticos.

"Em maior ou menor intensidade, está afetando várias moedas", disse à BBC Brasil o economista Homero Guizzo, da LCA Consultores.

Inflação

Economistas afirmam que o impacto mais imediato da alta do dólar é sobre a inflação.

Como boa parte dos produtos consumidos no Brasil têm preço influenciado pelo dólar, ficam mais caros com alta recente, o que aumenta a pressão inflacionária.

Nesta semana, ainda antes de o dólar alcançar o patamar de R$ 2, o boletim Focus, levantamento semanal feito pelo Banco Central com base em consultas ao mercado, indicava aumento nas estimativas para inflação oficial (IPCA) de 5,12% para 5,22% neste ano.

Esse índice fica acima do centro da meta estabelecida pelo governo, de 4,5%, mas ainda abaixo do teto da meta, de 6,5%.

Segundo analistas, possíveis ações do governo para intervir na alta do dólar estão condicionadas à inflação.

"Se o governo perceber que a inflação está subindo mais do que esperava, se a meta começar a ser ameaçada, o Banco Central deverá intervir", diz Guizzo.

Consumidores

Por conta da alta nos preços, os consumidores deverão sentir a alta do dólar de forma negativa.

No caso de produtos importados ou viagens ao exterior, o impacto será sentido mais rapidamente.

"Já há queixas sobre alta de preços de insumos por parte de alguns setores", diz Campos Neto.

Os demais produtos deverão sofrer impacto de forma mais gradativa.

Empresas

As empresas exportadores, que se queixavam da valorização do real frente ao dólar, serão beneficiadas pela alta da moeda americana.

No entanto, esse benefício pode ser reduzido nos casos em que as exportações dependem de insumos importados.

No caso das empresas importadoras, que têm seus custos em dólar, o efeito é negativo.

Além disso, a alta do dólar pode aumentar as dívidas das empresas.

Com a alta do dólar, a tendência é de aumento de exportações e queda de importações.

Esse cenário poderia reduzir o deficit externo brasileiro.

Futuro

Com a instabilidade no cenário externo, analistas afirmam que é difícil prever como será a trajetória do dólar nos próximos meses.

Guizzo, da LCA, projeta que a moeda americana encerre o ano em entre R$ 1,80 e R$ 1,85.

Campos Neto, da Tendências, aposta em R$ 2. "Continua na dependência de acomodação lá fora. O que não deve acontecer tao cedo", afirma.

Leia mais sobre esse assunto

Tópicos relacionados

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.