Londres 2012: Patrocinadores 'não-saudáveis' provocam polêmica

Atualizado em  2 de maio, 2012 - 07:06 (Brasília) 10:06 GMT
Fast food | Foto: BBC

Para especialistas, publicidade de empresas de fast-food pode estimular dieta inadequada.

A menos de cem dias do início dos Jogos Olímpicos de Londres, ativistas vêm treinando com afinco um novo tipo de modalidade: protestar contra alguns dos principais patrocinadores do evento.

Na mira deles, estão grandes empresas, como Coca-Cola, McDonald's, BP, Dow Chemical e Rio Tinto.

Especialistas ligados à área da saúde têm aumentado a pressão pela restrição à publicidade de comidas tipo fast-food em grandes eventos esportivos, sob a alegação de que essa propaganda incentiva o ganho de peso.

Por sua vez, ambientalistas elevaram o tom das críticas contra a participação de companhias envolvidas em acidentes ambientais no patrocínio à Olimpíada. Eles já lançaram, inclusive, uma campanha, intitulada 'Greenwash Gold 2012', contendo pesadas críticas contra três patrocinadores: BP, Dow Chemical e Rio Tinto.

Saúde

Pesquisas recentes revelam que um de cada quatro britânicos já é obeso. Para membros da Academy of Medical Royal Colleges (AoMRC), uma das principais associações de saúde pública da Grã-Bretanha, a obesidade é hoje "a principal ameaça à saúde pública no país".

Por isso, eles estão pressionando empresas como Coca-Cola e McDonald's a restringir a publicidade na Olimpíada, uma vez que a propaganda "envia uma mensagem errada especialmente às nossas crianças", diz o professor Terence Stephenson, porta-voz da AoMRC.

Uma pesquisa conduzida recentemente na Grã-Bretanha revelou que muitos pais aceitariam uma proibição completa da publicidade de comidas pouco saudáveis antes das 21h.

O levantamento mostrou ainda que esses pais se sentem obrigados a comprar junk food para seus filhos por causa das mesmas propagandas.

Cadbury, McDonald's e Coca-Cola são alguns dos patrocinadores da Olimpíada que têm sofrido com a ira dos ativistas.

"Milhões de pessoas farão a correlação entre essas marcas e os atletas vitoriosos. As companhias não gastariam todo esse dinheiro em publicidade se não soubessem que isso não elevaria suas vendas", justifica Stephenson.

Embora ainda não haja nenhuma evidência científica sobre a ligação entre a publicidade de fast-food em grandes eventos esportivos e a obesidade, pesquisas indicam que as crianças tendem a encarar o junk food como menos nocivo quando ele é associado a esportes, argumenta o médico Jean Adams, professor de saúde pública na Universidade de Newcastle.

Já para Stephenson, limitar a publicidade de fast food poderia ter um efeito semelhante à proibição das propagandas de cigarro.

Dados levantados pela entidade britânica ASH constataram que o número de adolescentes fumantes no Reino Unido em 2010 caiu pela metade em comparação a 2002, quando a lei que proibia os anúncios de cigarro foi aprovada.

Meio ambiente

Meredith Alexander | Foto: BBC

A ativista Meredith Alexander critica o patrocínio da Dow Chemical à Olimpíada de Londres.

As críticas aos patrocinadores também ganharam força com o protesto dos ambientalistas, contrários à participação de três empresas (BP, Dow Chemical e Rio Tinto) nos Jogos Olímpicos.

Eles prepararam três mini-documentários sobre os diferentes acidentes ambientais provocados por essas companhias e convidaram o público a votar "no pior patrocinador" da Olimpíada.

Os vídeos incluem depoimentos de um sobrevivente do vazamento de gás na cidade de Bhopal, em 1984, na Índia, provocado pela empresa Union Carbide Corporation, que anos depois foi comprada pela Dow Chemical; de um representante do Golfo do México sobre o impacto ambiental que se seguiu ao rompimento do poço de petróleo da BP em abril de 2010 e de uma mulher de Utah, nos Estados Unidos, contra um suposto aumento nos níveis de poluição atmosférica causado pela extração dos metais para a confecção das medalhas olímpicas pela mineradora anglo-australiana Rio Tinto.

A ideia da campanha partiu da ativista Meredith Alexander, que renunciou ao posto na Comissão de Vigilância Ambiental da Olimpíada em protesto contra a participação da Dow Chemical no evento.

Outro lado

A Dow Chemical nega qualquer responsabilidade sobre o vazamento de gás químico e reforçou que o pagamento de 288 milhões de libras (R$ 889,2 milhões) para os afetados pela tragédia é "justo e definitivo".

Já a porta-voz da Rio Tinto defendeu as ações da empresa: "Atuamos dentro dos parâmetros de qualidade do ar (estabelecidos por normas legais), (...) que são, por sua vez, baseados em padrões rígidos para proteger a saúde humana".

Segundo um porta-voz da BP: "Estamos 100% empenhados em garantir o sucesso da Olimpíada. Não comentamos ações de grupos de protesto".

Por sua vez, um executivo responsável pela comunicação da Coca-Cola alegou que a publicidade transmitida durante os Jogos Olímpicos vai "aumentar o número de consumidores de produtos sem adição de açúcar", enquanto a assessoria de imprensa do McDonald's se limitou a dizer que "o patrocínio é essencial para uma bem-sucedida realização da Olimpíada."

Leia mais sobre esse assunto

Tópicos relacionados

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.