BBC navigation

Nos EUA, Dilma defende ‘agenda do século 21’, mas velhos temas ainda incomodam

Atualizado em  9 de abril, 2012 - 23:08 (Brasília) 02:08 GMT
Dilma Rousseff e Barack Obama

Dilma se reuniu com Obama na Casa Branca no primeiro dia de sua visita oficial aos EUA

A presidente Dilma Rousseff encerrou nesta segunda-feira à noite a primeira perna de sua visita de dois dias aos EUA, reunindo-se com empresários e com o presidente americano, Barack Obama, na capital, Washington.

A presidente dedicou praticamente toda sua programação pública a defender uma "agenda do século 21" entre Brasil e Estados Unidos. Mas não conseguiu evitar que os temas da velha política internacional continuassem presentes, como lembretes dos obstáculos para a relação bilateral.

No encontro de Dilma e Obama, tão importantes quanto os assuntos que foram discutidos são os que não foram sequer mencionados: o programa nuclear do Irã, a posição de Cuba na política continental e a vaga permanente do Brasil no Conselho de Segurança da ONU.

Foi a própria Dilma quem disse a jornalistas, em uma entrevista no meio da tarde, que nenhum dos três temas – fontes de desconforto no passado – havia sido discutido na reunião de trabalho ou no almoço entre os dois líderes.

Agenda positiva

A agenda positiva de Dilma nos EUA se centrou na cooperação em áreas em que Brasil e Estados Unidos têm maior potencial de integração: aeroespacial, energia e biocombustível, defesa, atuação em segurança alimentar em terceiros países, entre outras.

Além dessas, a grande aposta desta visita são as possibilidades de parcerias nas áreas de educação, ciência e tecnologia – foco da continuação da viagem de Dilma nesta terça-feira em Boston.

Ela vai visitar as universidades de Harvard e a sede do Massachussets Institute of Technology, instituições que receberão bolsistas do programa Ciência Sem Fronteiras.

A iniciativa brasileira é complementada pelo programa 100.000 Strong (algo como, "Fortes como 100 mil"), que tem a ambição de levar 100 mil estudantes americanos a estudar na América Latina e Caribe dentro dos próximos dez anos, e receber nos EUA igual quantidade de bolsistas da região.

No plano empresarial, as iniciativas bilaterais têm por objetivo fortalecer a cooperação entre empresas, para que as brasileiras possam avançar em termos de inovação, absorvendo o ímpeto da "grande criatividade e grande competitividade" da economia americana, nas palavras da presidente.

Em sua conversa com os jornalistas, Dilma disse que tem com o presidente Barack Obama "uma relação de alta qualidade, muito sensível". Obama, que qualificou o antecessor de Dilma, Luiz Inácio Lula da Silva, de "o cara", já se encontrou três vezes com a colega brasileira como presidentes.

Ele foi ao Brasil em março do ano passado, quando Dilma tinha pouco tempo de governo – o que analistas consideraram um gesto importante.

"Foi a primeira vez que um diálogo entre os EUA e um país latino-americano começou com um presidente americano fazendo a primeira visita", resumiu o o diretor do Brazil Institute, do Woodrow Wilson Center, Paulo Sotero, em conversa com a BBC Brasil.

Na declaração à imprensa após a reunião na Casa Branca, Dilma lembrou daquela visita, quando teve a "oportunidade" de conhecer Michelle Obama e o resto da família.

Descompasso

Ternura à parte, como a própria Dilma lembrou, "temos muitos pontos de convergência, e muitos em que não convergimos em nossas posições".

"Representamos nações diferentes e não podemos acreditar que todo mundo é Joãozinho-do-passo certo, aquele que só anda no passo certo. Nós não somos Joãozinho-do-passo certo", disse Dilma, "nem errado".

Entre os temas em que os dois não acertaram o passo está Cuba. Respondendo a uma pergunta sobre se houve um pedido formal para a inclusão de Cuba na próxima Cúpula das Américas – a ilha está fora do evento no fim desta semana na Colômbia –, Dilma respondeu que o governo brasileiro havia, sim, levantado a questão.

"Houve uma constatação de que todos os países têm relação formal com Cuba, e que portanto esta era a última cúpula em que Cuba não participaria", afirmou Dilma.

Repórter da BBC comenta os principais pontos de atrito nas relações entre Brasil e EUA

Brasil e EUA, os dois maiores países do continente, têm um relacionamento longo e amplo, mas segundo analistas, "superficial".

Assistirmp4

Para executar este conteúdo em Java você precisa estar sintonizado e ter a última versão do Flash player instalada em seu computador.

Formatos alternativos

Quando os jornalistas perguntaram o que Obama havia dito, Dilma respondeu: "Nada. Ele não respondeu nada, isso não é uma pergunta."

Se o tema de Cuba caiu no silêncio do interlocutor americano, a da vaga permanente para o Brasil no Conselho de Segurança da ONU nem sequer foi mencionada, disse Dilma, assim como o programa nuclear iraniano.

Mais cedo, em uma alusão ao papel brasileiro na estabilidade mundial, a secretária de Estado americano, Hillary Clinton, disse apenas que o Brasil "é um ator responsável".

Desde o início do governo Dilma, o Brasil passou a ter uma atuação de oposição menos frontal a propostas americanas de sanções nos fóruns internacionais e organizações multilaterais.

Em fevereiro deste ano, o país inclusive votou contra a repressão violenta a opositores por parte do regime sírio. A resolução aprovada por outros 136 países pede a renúncia de Bashar al-Assad.

Mas o apoio brasileiro para aí. Relatando a jornalistas que discutiu com Obama questões a respeito "do Oriente Médio e Norte da África", Dilma disse que "não temos posições coincidentes a esse respeito".

"O Brasil sempre prefere esforços diplomáticos determinados, no sentido de que a gente deve evitar sempre o conflito", resumiu a presidente.

Relação especial?

Tudo isto mostra que existem duas vias de relação entre o Brasil e os EUA: a agenda positiva abunda em prospectos de integração; a de discordância, não dá sinais de que possa mudar.

Analistas em Washington especulam se estes desentendimentos são a razão por que o governo americano não dedicou à presidente Dilma uma recepção de Estado, o que elevaria de vez a relação entre os dois países a "especial" – palavra que tem sido usada nas últimas semanas para descrevê-la.

Os EUA deram esse tratamento à Índia e à China, por exemplo, países com os quais dificilmente se pode falar em concordância de agendas. Analistas também apontaram que o premiê britânico David Cameron recebeu, semanas atrás, esse status – apesar de o Brasil ter recentemente ultrapassado a Grã-Bretanha como 6ª maior economia do mundo.

Há poucos indícios de que Dilma, pragmática e centrada nos resultados do seu trabalho, dê importância a questões deste tipo. Na declaração à imprensa, enquanto Obama fez um curto discurso diplomático, Dilma criticou o que chama de "protecionismo cambial" – as medidas de expansão monetária tomadas pelos países ricos que desvalorizam suas moedas, tornando suas exportações mais competitivas.

Um analista crê que, ao focar o relacionamento com os EUA nos aspectos positivos de cooperação e inovação, Dilma ajudará o país a se desenvolver. Crescendo, mais cedo ou mais tarde o país se tornará um ator indispensável no cenário internacional – tal e qual ocorreu com Índia e China.

É um pouco, ele admite, a estratégia do Lobo Zagallo à frente da seleção brasileira: "Vocês vão ter que me engolir".

Leia mais sobre esse assunto

Tópicos relacionados

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.