BBC navigation

Como lidar com o problema das sacolas plásticas?

Atualizado em  4 de abril, 2012 - 12:15 (Brasília) 15:15 GMT
Homem carrega sacolas plásticas (Foto: Getty Images)

Diversos países europeus já trabalham para reduzir o uso de sacolas plásticas

Os supermercados de São Paulo deixam, nesta quarta-feira, de distribuir gratuitamente sacolas plásticas no Estado. Medidas semelhantes começam a ser discutidas pela União Europeia para reduzir gradualmente o uso das sacolas no continente.

Mas qual seria a melhor maneira de lidar com os problemas ambientais causados pelo uso excessivo de sacos plásticos?

No caso de São Paulo, a medida trará uma redução de até 7 bilhões no número de sacolas plásticas descartadas no Estado, segundo estimativa da Apas (Associação Paulista de Supermercados).

Com isso, os supermercados terão uma economia mensal de R$ 17,5 milhões. Mas segundo João Galassi, presidente da entidade, o objetivo da medida é ambiental e não econômico.

A Apas estuda também uma forma de emprestar sacolas reutilizáveis para consumidores que forem aos supermercados, as chamadas "ecobags", geralmente feitas de plástico ou tecido.

Na Europa, diversos países já trabalham individualmente na redução das sacolas plásticas. Contudo, a Comissão Europeia se prepara agora para enfrentar o problema em todo o bloco.

Segundo o órgão executivo da União Europeia, 27 países do bloco jogam fora anualmente 800 mil toneladas de plástico. Isso representa cerca de 4 bilhões de sacolas (191 unidades por pessoa, segundo estimativa de 2010), número bem inferior ao do Estado de São Paulo.

"O impacto desse lixo plástico pode ser visto sujando nossa paisagem, ameaçando a vida selvagem e se acumulando como 'sopa plástica' no oceano, cobrindo mais de 15 milhões de quilômetros quadrados", afirma o comissário de ambiente Janez Potocnik.

Confira abaixo as soluções que já estão sendo testadas pelo mundo.

Banimento completo

No ano passado a Itália se tornou o primeiro país europeu a proibir a distribuição de sacolas plásticas não biodegradáveis.

Fora do bloco, outros países ou regiões do mundo também adotaram a medida, entre os quais regiões da China, África do Sul, Quênia, Uganda, Ruanda, Somália, Tanzânia, Emirados Árabes e Bangladesh – este último após descobrir que as sacolas plásticas foram as responsáveis por entupimentos de bueiros que causavam diversas inundações.

No Reino Unido, a proibição entrou em debate no governo em 2010, quando o consumo do produto se elevou 5% após uma sequência de três anos em queda. Já nos EUA, a legislação varia de cidade para cidade.

Taxação

A Irlanda implantou uma taxa de 0,15 centavos de euro (R$ 0,36) por sacola, em março de 2002, obtendo uma redução de 95% no consumo do produto. Em cerca de um ano, 90% dos consumidores passaram a usar sacolas não descartáveis.

Essa cobrança foi elevada para 0,22 centavos de euro (R$ 0,52) cinco anos depois, quando o governo identificou que o consumo anual per capita das sacolas plásticas subiu de 21 para 30 (antes da lei ele era de 328).

Os recursos arrecadados com a taxa foram usados para pesquisar novas formas de reciclagem e reduzir o volume de lixo produzido.

A iniciativa irlandesa foi seguida por Bélgica, Espanha, Noruega, Holanda e o País de Gales – que também implantou uma multa de 5 mil libras (R$ 14.500) para supermercados que distribuírem sacolas plásticas gratuitamente.

Sacolas não descartáveis

Não há um substituto perfeito para as sacolas de plástico descartáveis. Sacolas mais pesadas e resistentes, feitas de plástico ou tecido, podem causar um impacto ambiental maior que o das sacolas descartáveis.

No ano passado, a agência britânica do Meio Ambiente divulgou um estudo calculando quantas vezes uma sacola reutilizável tem de ser usada para causar menos impacto ambiental do que uma sacola descartável (de plástico e papel).

Se uma sacola de plástico for usada apenas uma vez, por exemplo, sua equivalente de papel tem de ser usada ao menos três vezes para compensar a quantidade maior de carbono usada na produção e transporte.

Já uma sacola plástica reutilizável tem de ser reutilizada ao menos quatro vezes - e uma de tecido 131 vezes - para compensar seu impacto ambiental em relação a uma sacola plástica descartável.

O estudo levou em conta que as sacolas não descartáveis são maiores e podem transportar mais produtos que as descartáveis.

Já levantamento da Universidade do Arizona, de 2010, afirmou que sacolas reutilizáveis seriam "terreno fértil para perigosas bactérias de origem alimentar".

Porém, a pesquisa foi financiada pelo Conselho Americano de Química, integrado por diversos fabricantes de sacolas plásticas, e por isso criticada por associações de consumidores.

Sacolas biodegradáveis

A Comissão Europeia estuda novas formas de classificar sacolas biodegradáveis e compostáveis.

As compostáveis só podem ser recicladas em indústrias especializadas. Já as biodegradáveis podem se deteriorar no ambiente, porém de duas formas diferentes:

- As feitas a partir de milho são mais bem decompostas em aterros sanitários, porém produzem gás metano (causador de efeito estufa) durante sua decomposição.

- As de tipo oxo-biodegradável se deterioram em contato com o ar e com a água, mas não em aterros sanitários.

Segundo a empresa britânica Symphony, produtora de sacolas oxo-biodegradável, elas podem ser "programadas" para se desfazer em um período entre seis a 18 meses.

"Há uma região cheia de sacolas de plástico do tamanho do Estado do Texas flutuando pelo oceano Pacífico. Se elas fossem feitas de oxo-biodegradável já teriam desaparecido", disse o parlamentar britânico Michael Stephen.

Sacolas de papel

Tradicionalmente, as sacolas de papel são as mais utilizadas nos EUA, apesar de causarem maior impacto ambiental em relação às feitas de plástico.

De acordo com estudo da agência britânica de Meio Ambiente, além do maior dano ambiental, as sacolas de papel também são menos reutilizadas pelos consumidores – principalmente como sacos de lixo.

Segundo o ativista Ted Duboise, do site "Relatório sobre Sacolas Plásticas", a preferência americana pelas sacolas de papel se explica pela força do lobby da indústria madeireira do país.

Leia mais sobre esse assunto

Tópicos relacionados

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.