Filho de Paul McCartney diz que toparia banda com filhos de Ringo, John e George

Atualizado em  3 de abril, 2012 - 10:42 (Brasília) 13:42 GMT
James McCartney/AP

James lança a carreira musical aos 34 anos de idade no Cavern Club

Às vésperas de lançar sua carreira musical, o filho de Paul McCartney, James, disse, em entrevista à BBC, que aceitaria formar uma banda com filhos de outros Beatles.

O compositor de 34 anos de idade faz um show nesta terça-feira no tradicional Cavern Club de Liverpool, onde os Beatles saltaram para a fama, e outro em Dublin antes de embarcar para uma turnê americana.

James já tocou em dois álbuns de Paul, que produziu os dois EPs do filho, em parte gravados nos estúdios de Abbey Road.

Leia abaixo a entrevista ao repórter Ian Youngs:

James McCartney canta para a BBC

Filho de Paul McCartney canta música Angel nos estúdios da emissora na Inglaterra.

Ouvirmp3

Para executar este conteúdo em Java você precisa estar sintonizado e ter a última versão do Flash player instalada em seu computador.

Formatos alternativos

BBC: O que você acharia de formar The Beatles – A Próxima Geração, com Sean Lennon, Dhani Harrison e Zak Starkey (filho de Ringo Starr)?

James McCartney: Não acho que seja algo que Zak gostaria de fazer. Talvez o Jason (outro filho de Ringo, também baterista) topasse. Eu estaria disposto. O Sean parece topar, o Dhani também. Eu ficaria feliz de tentar.

BBC: Vocês já discutiram a ideia?

JMC: Sim, um pouco.

BBC: Você acha que isso pode acontecer?

JMC: Sim, claro, espero. Mas não tenho certeza, teremos que esperar e ver. A vontade de Deus, o apoio da natureza, suponho eu. Portanto, sim, talvez.

BBC: Você tinha vontade de tocar no Cavern, no mesmo lugar onde tudo começou para seu pai?

JMC: Sim, acho que sim. Simplesmente abraçar a herança dos Beatles em vez de fugir dela.

BBC: Quando você começou a tocar, usava o nome de Light (luz em inglês). Era uma tentativa de esconder sua identidade?

JMC: Na verdade, não. Eu era simplesmente mais inclinado a ter um nome de banda que fosse rock´n roll e espiritual. "E agora, Light!". Era isso que eu tinha em mente, caso algum dia chegasse a tocar no estádio de Wembley.

Acho que a luz é um tema recorrente nas religiões na espiritualidade. Os hindus cultuam a luz, que é algo visto como divino e espiritual.

BBC: Você sempre quis ser músico?

JMC: Sim, quando cheguei a uma certa idade, percebi que era um pouco melhor que os outros garotos na escola com a guitarra e passei a me orgulhar e gostar disso.

Na época eu sonhava em ser melhor que os Beatles. Não sei se conseguiria. Gostaria de chegar ao mesmo nível, mas mesmo isso é bem difícil.

BBC: Como você se sente quando as pessoas o comparam ao seu pai?

JMC: Acho que é ótimo, uma honra. Não acho que eu seja tão bom como os Beatles ou meu pai, mas eles são, indiscutivelmente, influências.

Da esquerda para a direita: Zak Starkey, Sean Lennon e Dhani Harrison

Zak, Sean e Dhani: Ringo, John e George também tiveram filhos músicos

BBC: Ajuda ou atrapalha ter o sobrenome McCartney?

JMC: É uma ajuda. Pode ser difícil às vezes encarar sozinho, mas acima de tudo, ajuda.

BBC: Como é trabalhar com seu pai, além de ter um relacionamento familiar?

JMC: É incrível. Algumas vezes no passado, há alguns anos, podia ser difícil, tenso, como qualquer família. No entanto, mais do que isso, é lindo.

Ele é um gênio, está além de ser gênio e é uma grande inspiração. Muito intelectual e obviamente maravilhoso no que faz, portanto é muito divertido. Ele me ajuda a me sintonizar comigo mesmo e ser a melhor pessoa que posso ser.

BBC: Qual foi o papel dele como co-produtor?

JMC: Apenas me dirigir e ter algumas idéias sobre quais instrumentos deveríamos colocar ou me encorajar a cantar um pouco melhor, ou gravar novamente algo. Também com os arranjos e a estrutura das canções e a mixagem. O processo todo.

BBC: Seu pai tentou dissuadi-lo da carreira musical?

JMC: Não, de forma alguma. Ele incentiva bastante.

BBC: Quando você estava crescendo, e que momento percebeu que seu pai era famoso?

JMC: Sempre percebi isso, quando havia fãs por perto que pediam autógrafos e, às vezes, eles pediam até o meu. Eu negava porque meus pais nos estimulavam a tentar viver uma vida mais privada.

Leia mais sobre esse assunto

Tópicos relacionados

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.