Eleitores preferem políticos com voz mais grave, diz estudo

Atualizado em  29 de março, 2012 - 10:55 (Brasília) 13:55 GMT
Obama em discurso em Deul, em 26 de março (AFP)

Voz grave pode ser um trunfo de Obama

Eleitores preferem políticos com vozes mais graves, segundo um estudo americano.

A revelação sugere não apenas que homens e mulheres com vozes graves podem ser mais bem-sucedidos ao competir por posições de liderança.

Segundo os cientistas envolvidos, ela pode ajudar a explicar por que há menos mulheres em cargos de liderança. Além disso, é um indicador de que, embora sejamos livres para escolher nossos líderes, não estamos imunes a influências biológicas.

Pesquisadores do Departmento de Ciência Política da Universidade de Miami, nos Estados Unidos, gravaram homens e mulheres dizendo a frase "I urge you to vote for me this November" - em tradução livre, "Eu faço um apelo para que você vote em mim neste mês de novembro".

A menção do mês é uma referência à eleição presidencial americana no final deste ano.

As vozes tiveram suas frequências alteradas eletronicamente para soar mais graves (frequências mais baixas) ou mais agudas (frequências mais altas).

Os participantes do experimento foram então convidados a "votar" nas vozes.

Em artigo publicado na revista científica Proceedings of the Royal Society B., os autores disseram que tanto homens quanto mulheres selecionaram líderes com vozes mais graves.

Margaret Thatcher

Falando à BBC, o líder da equipe, Casey Klofstad, explicou que estudos anteriores já haviam concluído, por exemplo, que tons de vozes mais graves em homens são considerados mais atraentes.

E que a voz mais grave é um indicador de dominância social tanto em homens quanto em mulheres.

"Há uma percepção geral de que pessoas com vozes mais graves são mais persuasivas, mais elegíveis", disse Klofstad.

"Há uma percepção geral de que pessoas com vozes mais graves são mais persuasivas, mais elegíveis"

Casey Klofstad, pesquisador da Universidade de Miami

"Outro fator que nos levou a fazer esse estudo foi o fato de que se você observa na mídia, apresentadores tendem a ter vozes mais graves".

No filme sobre a vida da ex-primeira ministra britânica Margaret Thatcher, A Dama de Ferro, a personagem central, interpretada por Meryl Streep, é vista fazendo aulas para aprender a falar com voz menos aguda.

"Se eu me lembro bem, havia uma percepção de que Thatcher tinha uma voz estridente. Isso pode ser um problema para mulheres, especialmente quando elas falam alto", comentou Klofstad.

"Mas não é algo exclusivo a Thatcher. Em todo lugar, nos Estados Unidos, na Grã-Bretanha, candidatos recebem aulas para soar mais persuasivos, mais elegíveis."

Experimento

Para evitar que os participantes do estudo fossem influenciados por fatores externos, os homens e mulheres cujas vozes foram gravadas para ser utilizadas no estudo eram desconhecidos.

A manipulação eletrônica foi sutil, explicou o especialista.

"A diferença em tom foi de 40 Hertz (unidade de frequência), mas estudos anteriores demonstraram que (essa variação) é perceptível e faz diferença."

E embora a voz fosse desconhecida, a mensagem era politicamente relevante, explicou Klofstad, colocando o ouvinte imediatamente no contexto das eleições americanas.

Mas o que é que as pessoas estão elegendo ao votar na voz mais grave?

Para entender que qualidades estão associadas à voz grave, os pesquisadores fizeram um segundo experimento.

Em vez de perguntar em que vozes os participantes votariam, a equipe pediu que os voluntários dissessem que vozes pareciam mais competentes, fortes e confiáveis.

"Escolhemos esses adjetivos porque a literatura de ciência política mostra que essas são as qualidades que as pessoas procuram quando escolhem candidatos".

"O que verificamos é que tanto homens quanto mulheres têm uma percepção de que vozes femininas mais graves são mais competentes, fortes e confiáveis".

Em relação a vozes masculinas, no entanto, o resultado foi diferente.

"Mulheres não diferenciaram vozes masculinas agudas e graves em termos de competência, força e confiabilidade", explicou Klofstad. "Homens, em contraste, interpretaram as vozes masculinas graves como sendo mais competentes, fortes e confiáveis".

Mundo real

A equipe americana reconhece que seu estudo pode ter impacto sobre a forma como partidos políticos escolhem seus líderes. Mas Klofstad disse que é preciso ter cautela quando se tenta extrapolar as conclusões do trabalho.

"O que fizemos foi um estudo de laboratório usando situações hipotéticas".

"Nossa motivação foi, uma vez feito o estudo, aplicá-lo ao mundo real e ver como as variações de tom podem afetar as eleições de verdade".

Ou seja, é preciso fazer mais pesquisas sobre o assunto.

No entanto, após ler esse estudo, muitos vão achar difícil resistir à tentação de comparar as vozes dos candidatos às eleições americanas para tentar adivinhar quem será vencedor em novembro.

Leia mais sobre esse assunto

Tópicos relacionados

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.