Brics não ameaçam hegemonia dos EUA, diz ‘pai’ da teoria do neoliberalismo

Atualizado em  28 de novembro, 2011 - 16:58 (Brasília) 18:58 GMT
Joseph Nye Jr. (foto de arquivo)

Joseph Nye Jr. é um dos mais importantes teóricos globais das relações internacionais

Dez anos após a criação do acrônimo Bric, os países do grupo não formam um bloco coeso e não são capazes de criar uma aliança para ameaçar a hegemonia dos Estados Unidos no mundo, na avaliação de um dos mais importantes teóricos das relações internacionais.

Joseph S. Nye Jr., atual professor emérito da escola de governo da Universidade Harvard, nos Estados Unidos, é o co-fundador da teoria do neoliberalismo e criador do conceito de "soft power", que define a capacidade de um país atingir seus objetivos por meio da influência de seus valores, cultura e política, em lugar do uso da força militar.

Para ele, os países do grupo são capazes de rivalizar pontualmente com os Estados Unidos de maneira individual, como no caso da crescente influência brasileira sobre a América Latina, mas não representam um contraponto real aos americanos como um bloco, por conta das diferenças de interesses entre seus membros.

"Se a questão é se eles podem criar uma aliança contra os Estados Unidos, um bloco coeso, a resposta é não", disse ele em entrevista à BBC Brasil.

O acrônimo Bric foi criado há dez anos pelo britânico Jim O’Neill, então economista-chefe do banco Goldman Sachs, incluindo Brasil, Rússia, Índia e China, os quatro gigantes com crescimento econômico acelerado. Posteriormente, o grupo foi institucionalizado pelos países, com a entrada posterior da África do Sul (o "s" acrescentado ao final do acrônimo), neste ano.

Nye, que foi secretário-assistente de Defesa no governo Bill Clinton, vê a Rússia como uma peça anômala no grupo, por ser "uma força em decadência, não emergente", e afirma que Brasil e Índia têm mais capacidade de exercer "soft power" do que a China, a maior economia e maior força militar do grupo, por serem países democráticos.

Para ele, os Brics não vão acabar, mas terão um papel limitado como "uma organização frouxa para coordenação diplomática".

Leia a seguir a entrevista concedida por Nye à BBC Brasil, por telefone:

BBC Brasil - Os Brics podem representar uma grande força política global?

Líderes dos BRIC durante reunião de cúpula do G8 em Hokkaido, no Japão, em 2008

Criado por economista, BRICS vêm se institucionalizando desde 2008

Joseph S. Nye Jr. - Não creio que possam ser uma grande força como uma organização coesa. Os interesses dos países são bem diferentes entre eles quando analisamos os detalhes.

Acho que individualmente, a China, a Índia e o Brasil terão papéis muito importantes. Já a Rússia não creio que realmente pertença a esse grupo. A Rússia é uma força em decadência, não uma força emergente.

BBC Brasil - E individualmente, eles são capazes de rivalizar com os Estados Unidos em termos de dominação mundial?

Nye - O papel da China do leste da Ásia é comumente visto como um desafio à presença americana no Mar do Sul da China. Se olharmos para o Brasil, o país quer ter sua própria influência sobre a América do Sul, para contrapor à influência dos Estados Unidos.

Mas se a questão é se eles podem criar uma aliança contra os Estados Unidos, um bloco coeso, a resposta é não.

Há diferenças muito profundas, por exemplo, nos interesses da Índia e da China. A Índia está muito contente em ter boas relações com os Estados Unidos para conter o poder crescente da China.

BBC Brasil - Pode haver algum outro grupo de países emergentes que poderiam criar um grupo coeso para se contrapor aos Estados Unidos?

Nye - Depende do que considerarmos por desafiar. Se falarmos em um grupo de países capazes de se unir na Organização das Nações Unidas para evitar a aprovação de uma resolução apoiada pelos Estados Unidos, claro. Isso já acontece hoje.

Mas se formos para o outro extremo, será que um grupo de países poderia formar uma aliança militar para rivalizar com o poderio americano? Os Estados Unidos representam quase metade dos gastos militares mundiais. É difícil conceber qualquer outro grupo de países que possam ser capazes até mesmo de chegar perto do tipo de gastos militares necessários para rivalizar militarmente com os Estados Unidos.

Então, novamente, depende do que consideramos desafio. Em um sentido, isso já existe, mas em outro sentido isso não parece muito provável.

Reunião de cúpula dos BRICS em abril, na China

Falta de coesão entre os BRICS são empecilho para consolidação como contraponto aos EUA, diz Nye

BBC Brasil - Os Brics são capazes de transformar o aumento da importância econômica em soft power?

Nye - Muitos desses países já dispõem de soft power e estão interessados em aumentá-lo. O Brasil tem soft power, que vem de sua cultura e seu sucesso crescente. A Índia tem a indústria de cinema de Bollywood, que é bastante impressionante.

Na China, o presidente Hu Jintao já disse que o país deveria aumentar seu soft power. O governo chinês está investindo bilhões de dólares para isso.

Mas o Brasil tem uma vantagem, como tem a Índia, de ser democrático, e portanto ser capaz de usar sua sociedade civil para gerar soft power.

A China tem o problema de ser autocrática, o que significa que quando eles tentam aumentar seu soft power, eles normalmente tentam fazer de sua própria maneira.

Um bom exemplo disso foi quando prenderam Liu Xiaobo e o impediram de ir à cerimônia de entrega do Prêmio Nobel da Paz. Então todos viram a cena pela televisão no mundo todo da cadeira vazia em Oslo. Mas isso tira soft power, em vez de construí-lo.

BBC Brasil - A atual crise na União Europeia pode criar um vazio no balanço global de forças que possa ser preenchido pelas nações emergentes?

Nye - Acho que os países emergentes aumentarão sua influência independentemente do que acontecer com o euro. Países como a China, a Índia e o Brasil vão aumentar sua parcela do produto mundial se o euro se mantiver ou não. Mas particularmente, se o euro entrar em colapso, o primeiro efeito disso seria provavelmente o fortalecimento do dólar, não do yuan ou de qualquer outra moeda de país emergente.

O colapso do euro, se acontecer, provavelmente vai fazer com que os investidores, em busca de um refúgio seguro, se voltem ainda mais para o dólar do que para moedas de países emergentes.

Reunião de líderes dos BRICS durante cúpula do G20 em Cannes, em novembro

Para Nye, BRICS devem se manter como 'organização frouxa para coordenação diplomática'

BBC Brasil - Que futuro o sr. vê para os Brics?

Nye - Acho que há um futuro para os Brics como uma organização frouxa para coordenação diplomática. Há algumas questões sobre as quais é conveniente para eles se sentarem juntos para conversar sobre a coordenação de uma posição.

Mas o problema que eu vejo com os Brics é que ao ir além desse nível, você vê que há interesses bem diferentes entre os países.

Por exemplo, o Brasil e a China tem visões diferentes sobre o valor do yuan (a moeda chinesa). O Brasil está descontente com a política chinesa de manter sua moeda desvalorizada. O país não gosta de falar muito sobre isso, porque não quer destruir o clima das reuniões dos Brics. Mas há uma diferença clara de interesses aí.

BBC Brasil - O sr. acredita que essas tensões internas entre os países, como também no caso das demandas entre Índia e Brasil por um assento permanente no Conselho de Segurança da ONU, possam levar ao desmantelamento do grupo?

Nye – Não acho que ele possa acabar, porque é conveniente para alguns fins diplomáticos. Mas seu exemplo do Conselho de Segurança parece ser um bom exemplo do porquê o grupo não deve se desenvolver além disso.

  • Em 2001, importantes temas econômicos foram discutidos na reunião do G7: Canadá, Grã-Bretanha, EUA, Itália, França, Japão e Alemanha (O ministro das Finanças da Bélgica também foi convidado).

  • Naquele ano, o economista Jim O´Neil cunhou o termo Brics, uma abreviação para Brasil, Rússia, Índia e China, afirmando que estes países deveriam ter maior voz.

  • Crescimento do PIB nos Brics e no G7, 1990 - 2010

    Clicável

    PIB - Crescimento anual %

    Fonte: Banco Mundial

    1990 92 94 96 98 2000 02 04 06 08 2010
    16 14 12 10 8 6 4 2 0 -2 -4 -6 -8 -10 -12 -14 -16

    O'Neil disse que as economias dos Brics cresciam muito mais rapidamente do que as do G7, portanto os países dos Brics deveriam estar presente nas principais negociações econômicas.

  • Dez anos depois, os países dos Bric estão sólidos entre as maiores economias. A China em particular vem subindo posições e, possivelmente, disputará o primeiro lugar em alguns anos.

  • PIB per capita 1990 - 2010

    Clicável

    PIB per capita (milhares de dólares)

    Fonte: Banco Mundial

    1990 92 94 96 98 2000 02 04 06 08 2010
    50 45 40 35 30 25 20 15 10 5 0

    No entanto, os Brics ainda estão atrás em algumas áreas. Representando 40% da população mundial, eles estão atrás em termos de renda per capita.

  • Os países dos BRICs também possuem desigualdades econômicas. A expectativa de vida é significativamente mais baixa do que no G7.

  • Hoje, os principais temas econômicos são discutidos pelo G20 em vez do G7. Os velhos países do G7 esperam que os ricos Brics possam financiar suas recuperações ao comprar seus produtos e suas dívidas.

Leia mais sobre esse assunto

Tópicos relacionados

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.