BBC navigation

Mão de obra estrangeira está no alvo de 14% das empresas no Brasil, diz estudo

Atualizado em  17 de novembro, 2011 - 16:49 (Brasília) 18:49 GMT

Apesar de haver vagas, há dificuldades entre empresas brasileiras na contratação de estrangeiros

Em meio ao crescimento da economia e à ausência de mão de obra qualificada o suficiente, 14% dos empregadores brasileiros têm buscado no exterior profissionais para preencher suas vagas, segundo pesquisa da consultoria de RH ManpowerGroup, divulgada nesta quinta-feira.

A maior demanda é por engenheiros, técnicos, professores e funcionários para cargos de executivo sênior ou gerente. A maioria desses empregados vem de países como Estados Unidos, Argentina, Alemanha, Portugal e Espanha.

O levantamento, feito com 400 empresas que atuam no Brasil, entre multinacionais e companhias brasileiras, mostra que quase 20% das empresas pesquisadas já têm entre 1 e 5 funcionários expatriados ocupando cargos gerenciais; 13% delas têm mais de 20 desses funcionários.

O estudo também identificou as dificuldades na contratação desses estrangeiros.

"As leis de trabalho do Brasil são mais rigorosas que em outros países e desencorajam os empregadores a buscar profissionais estrangeiros. Mas essa tem sido uma alternativa para alguns (já que) seis em cada dez empregadores brasileiros enfrentam escassez de talentos", disse em comunicado Riccardo Barberis, CEO da Manpower no Brasil.

O belga Paul Jacobs

Paul Jacobs, belga, diz que o Brasil se tornou um grande mercado para a empresa onde trabalha

Os altos custos para trazer expatriados e as barreiras do idioma também são citados como dificuldades na contratação de estrangeiros.

Apesar dos empecilhos, expatriados estrangeiros entrevistados pela BBC Brasil dizem que sua experiência no exterior os ajudou a crescer profissionalmente no país.

"A experiência na Europa é bastante valorizada. Não creio que falte capacitação (à mão de obra local), mas (os empregadores brasileiros) gostam de ter uma ligação com o outro mundo", disse à BBC Brasil o belga Paul Jacobs, 46 anos, que trabalha no eixo Rio-São Paulo desde o final de 2006.

'Como funciona lá fora'

Casado com uma brasileira, atualmente Jacobs é consultor de uma companhia alemã que produz um software de gerenciamento empresarial e presta serviço para a Petrobras. Ele diz que o Brasil se tornou o principal mercado para sua empresa e que muitos colegas alemães estão de olho em oportunidades de emprego no país.

Questionado sobre que contribuição os estrangeiros podem trazer ao mercado de trabalho brasileiro, ele diz que, principalmente, "a experiência da Europa e (o conhecimento) da língua".

"A experiência na Europa é bastante valorizada. Não creio que falte capacitação (à mão de obra local), mas (os empregadores brasileiros) gostam de ter uma ligação com o outro mundo"

Paul Jacobs, belga que trabalha no Brasil

"Além disso, muitos (executivos brasileiros) estão querendo saber como as coisas funcionam lá fora, em termos de gestão e execução de orçamento, por exemplo", diz.

O engenheiro britânico James Bond (homônimo do espião da ficção), de 44 anos, também é casado com uma brasileira e se mudou para o Rio de Janeiro há cinco anos, por motivos pessoais: preferia criar seus filhos no Brasil, em vez de na Inglaterra.

Bond se estabeleceu profissionalmente no país e agora pretende ficar pelo menos até a Copa do Mundo de 2014.

"Aqui certamente existe uma ausência de mão de obra qualificada", diz. "A multinacional para qual presto serviço está investindo significativamente no país. Há muitos investimentos estrangeiros vindo para cá."

A respeito das diferenças que observou entre profissionais brasileiros e britânicos, Bond se disse "espantado pelo quão esforçados são os brasileiros".

"Na Inglaterra, em geral, as pessoas concluem a universidade aos 23 anos e poucos vão além e cursam um MBA, por exemplo. Aqui, são muitos os que trabalham em período integral e ainda cursam faculdade, para melhorar (suas qualificações)".

'Falta de talentos' global

Fila em agência de empregos em Portugal, em agosto

Apesar do desemprego em alguns países, empresas relatam dificuldade em encontrar talentos

Apesar de, no Brasil, estar inserida num contexto de crescimento econômico, a falta de mão de obra especializada é um problema mundial, segundo a pesquisa da Manpower.

Entre os 25 mil empregadores entrevistados em 39 países, mais de um terço indicou ter dificuldade em encontrar talentos adequados para postos de trabalho vagos.

"Apesar dos altos índices de desemprego relatados durante este (período) apático no mercado de trabalho global, (com) suposto excedente de talentos, muitos empregadores ao redor do mundo relatam dificuldade em encontrar as pessoas certas, com as qualificações certas, por conta da falta de talentos disponíveis em seus respectivos mercados", diz o estudo.

Leia mais sobre esse assunto

Tópicos relacionados

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.