Ajuda de Brics a ricos tem 'lado mitológico', diz jornal

Atualizado em  19 de setembro, 2011 - 06:57 (Brasília) 09:57 GMT
A sede do FMI em Washington, onde os países se reunirão (Getty Images)

Brics se reunirão em paralelo à reunião do FMI, em Washington

Uma reportagem nesta segunda-feira no diário espanhol El País afirma que existe um "lado mitológico" na mobilização de países emergentes para resgatar financeiramente os países europeus em crise.

Mais que econômica, a mudança no equilíbrio de poder global em favor dos emergentes tem também uma dimensão política, afirma o jornal.

"O mundo mudou o centro de gravidade do norte e ocidente para o sul e oriente. A globalização dispersou o poder, tão concentrado até agora, na fortaleza americana, por todo o sistema internacional", diz o jornal, em uma segunda reportagem sobre o mesmo tema.

"A mesma supremacia que se conquista, se perde. Perderam os assírios para os persas e estes, para os macedônios, que, por sua vez, acabaram cedendo-a para os romanos", raciocina o autor.

"Em tempos mais recentes não foi diferente: do império espanhol a supremacia passou ao britânico, e após a Segunda Guerra Mundial, do britânico ao americano, que durante meio século a defendeu frente ao soviético, finalmente vencido".

O jornal vê nesta jornada uma coincidência com a mitologia contida no Livro de Daniel, segundo a qual a "faculdade de conduzir a história", como disse um historiador francês do início do século 20, passaria de povo a povo ajustando-se à rotação do sol, de leste a oeste.

"Neste ponto, a leitura política da decisão dos Bric poderia se sobrepor à mitológica: segundo a profecia do Livro de Daniel, neste momento o império do mundo corresponderia de novo à Ásia, depois de haver completado uma rotação de três milênios por outros continentes."

Brasil, Rússia, Índia e China discutirão nesta segunda-feira, em Washington, nos EUA, uma possível compra de títulos europeus denominados em euro para fortalecer as economias que utilizam a moeda comum.

Para o El País, a proposta "não é tanto um ato generoso dos países emergentes para com as potências declinantes", já que grande parte dos recursos dos primeiros está investido nos últimos.

"Na hipótese dantesca de um colapso financeiro mundial, é difícil prever quem seriam os ganhadores; os perdedores, em qualquer caso, seriam os países quebrados e, em seguida, seus credores."

Leia mais sobre esse assunto

Tópicos relacionados

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.