BBC navigation

Cientistas desenvolvem detector de mentiras a partir de análise facial

Atualizado em  14 de setembro, 2011 - 13:52 (Brasília) 16:52 GMT
Rosto/SPL

O sistema usa câmeras termais que percebem mudanças nos rostos

Um novos sistema de câmeras pode detectar mentiras ao analisar rostos, segundo cientistas na Grã-Bretanha.

O sistema usa uma câmera comum, um sensor térmico de alta resolução e um software. Os pesquisadores dizem que o método pode ser de grande valia para serviços secretos.

O pesquisador-chefe do estudo, Hassan Ugail, da Universidade de Bradford, disse que o sistema consegue distinguir verdade de mentiras em dois terços dos casos.

O sistema foi desenvolvido em conjunto com a Universidade de Aberystwyth e apresentado nesta terça-feira no festival de ciência de Bradford.

Funcionamento

O estudo utiliza pesquisas anteriores sobre como as pessoas revelam involuntariamente emoções por meio de sutis mudanças de expressão e do fluxo de sangue para o rosto.

Sinais de mudanças de emoção captados por câmeras comuns incluem movimentos de olhos, pupilas dilatadas, morder ou apertar os lábios, coçar o nariz, respiração acelerada, piscadelas rápidas e assimetria visual.

Os sensores termais detectam o acúmulo de sangue ao redor dos olhos.

O método tradicional de detecção de mentiras depende do polígrafo, instrumento desenvolvido em 1921, mas este é invasivo, com fios grudados na pele. O novo sistema pode ser usado mesmo sem o conhecimento da pessoa analisada.

"Juntamos todo o trabalho já consagrado sobre as expressões, os desenvolvimentos recentes em termos de imagens termais, as técnicas para análises de imagens e os nossos novos algoritmos em um sistema operacional", disse ele.

Computador com programa que monitora mudanças faciais (BBC)

Um programa de computador monitora pequenas alterações nas expressões faciais

Um software que usa algoritmos é usado para monitorar sutis mudanças nas expressões faciais.

Margem de acerto

Os testes até agora foram feitos apenas em voluntários, mas, até o final do ano, os pesquisadores esperam aplicá-lo em um aeroporto britânico, possivelmente durante entrevistas conduzidas por experientes oficiais de imigração.

O software pode ser usado para comparação com as conclusões dos oficiais.

"Em uma situação real, de estresse, podemos conseguir uma margem de acerto ainda maior", disse Ugail, que espera chegar aos 90% de acerto, margem semelhante ao do polígrafo.

Mas os pesquisadores admitem que os testes não podem nunca chegar a 100% de acerto, já que eles detectam emoções como estresse, medo ou desconfiança e não a mentira em si.

O medo pode significar o temor de não ser acreditado, e não necessariamente o de ser pego mentindo.

Leia mais sobre esse assunto

Tópicos relacionados

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.