Fotógrafo faz retratos de espécies ameaçadas de extinção

Atualizado em  2 de setembro, 2011 - 13:35 (Brasília) 16:35 GMT

GALERIA DE FOTO: ESPÉCIES AMEAÇADAS

  • Foto: Joel Satore/National Geographic Stock/Caters
    O americano Joel Satore fotografou animais ameaçados de extinção em estúdio, como parte de um projeto para aumentar a conscientização sobre a preservação da vida selvagem. Acima, um babuíno de cinco meses de idade, criado em cativeiro. Foto: Joel Satore/National Geographic Stock/Caters
  • Foto: Joel Satore/National Geographic Stock/Caters
    Satore fotografou a maior parte dos animais em estúdio, contra fundos brancos ou pretos, para dar mais destaque à aparência impressionante das espécies. Acima, uma cacatua-das-palmeiras. Foto: Joel Satore/National Geographic Stock/Caters
  • Foto: Joel Satore/National Geographic Stock/Caters
    Segundo ele, fotografar os animais na natureza seria um desserviço a eles, já que alguns, como o animal da foto acima, 'Phyllobates terribilis', são tão pequenos que não poderiam ser vistos em seu habitat. O 'Phyllobates terribilis' é considerado um dos anfíbios mais venenosos do mundo. Foto: Joel Satore/National Geographic Stock/Caters
  • Foto: Joel Satore/National Geographic Stock/Caters
    Para Satore, as fotos de estúdio fazem com que todos os animais tenham o mesmo tamanho proporcional e sejam tratados com a mesma importância. Na foto acima, um furão-de-patas-negras. Foto: Joel Satore/National Geographic Stock/Caters
  • Foto: Joel Satore/National Geographic Stock/Caters
    "Fotografar os animais em fundos pretos e brancos significa que cada um deles recebe a mesma consideração", disse o fotógrafo. A imagem mostra a fêmea de um elefante-africano. Foto: Joel Satore/National Geographic Stock/Caters
  • Foto: Joel Satore/National Geographic Stock/Cater
    O americano é fotógrafo da National Geographic Society há 20 anos, e planeja registrar imagens de espécies em extinção em todo o mundo. Na foto, uma víbora-de-pestana. Foto: Joel Satore/National Geographic Stock/Caters
  • Foto: Joel Satore/National Geographic Stock/Caters
    Ele diz que pretende mostrar que há "beleza, graça e valor em animais grandes e pequenos", para encorajar as pessoas a lutar por sua preservação. Na imagem, um lêmure-negro. Foto: Joel Satore/National Geographic Stock/Caters
  • Foto: Joel Satore/National Geographic Stock/Caters
    "As pessoas não vão tentar salvar os animais se não souberem que eles existem", diz Satore, que tem 49 anos. Na foto, uma raposa da Ilha de Santa Catalina, na Califórnia. Foto: Joel Satore/National Geographic Stock/Caters
  • Foto: Joel Satore/National Geographic Stock/Caters
    Segundo ele, alguns animais tiveram que ser fotografados dentro de suas jaulas no zoológico, por serem muito perigosos. Nestes casos, ele pintava o fundo da jaula com a cor desejada para o fundo da imagem. Acima, um hipopótamo. Foto: Joel Satore/National Geographic Stock/Caters
  • Foto: Joel Satore/National Geographic Stock/Caters
    Outras espécies foram difíceis de ser fotografadas porque eram muito rápidas e algumas eram tão raras que só puderam ser levadas para o estúdio com autorização do governo americano. Na imagem, uma salamandra-tigre da Califórnia. Foto: Joel Satore/National Geographic Stock/Caters
  • Foto: Joel Satore/National Geographic Stock/Caters
    Ele diz ainda que precisava esperar um momento em que os animais parassem de se mover para fotografar, já que era difícil manter o foco da câmera neles. Na foto, um jupará, mamífero que também é encontrado na Amazônia. Foto: Joel Satore/National Geographic Stock/Caters
  • Foto: Joel Satore/National Geographic Stock/Caters
    Satore reuniu algumas das imagens no livro "Rare - America´s Endangered Species" (Raros - As espécies ameaçadas da América). Na foto acima, uma tartaruga-do-pântano. Foto: Joel Satore/National Geographic Stock/Caters

Animais em estúdio

O americano Joel Satore fotografou animais ameaçados de extinção em estúdio, como parte de um projeto para aumentar a conscientização sobre a preservação da vida selvagem.

Satore, de 49 anos, fotografou a maior parte dos animais contra fundos brancos ou pretos, para dar mais destaque à aparência impressionante das espécies.

Para ele, as fotografias de estúdio fazem com que todos os animais tenham o mesmo tamanho proporcional e sejam tratados com a mesma importância.

O americano é fotógrafo da National Geographic Society há 20 anos, e planeja registrar espécies em extinção em todo o mundo.

"As pessoas não vão tentar salvar os animais se não souberem que eles existem."

Satore reuniu algumas das imagens no livro Rare - America´s Endangered Species (Raros - As espécies ameaçadas da América).

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.