BBC navigation

Ações de transparência nos gastos do Brasil são exemplo, diz Hillary

Atualizado em  12 de julho, 2011 - 15:01 (Brasília) 18:01 GMT
Antonio Patriota e Hillary Clinton/AP

Brasil e EUA devem lançar a iniciativa para transparência durante a Assembleia Geral da ONU

A secretária de Estado americana, Hillary Clinton, citou nesta terça-feira, em Washington, ações de transparência implementadas pelo governo brasileiro como "um bom exemplo".

"O Portal da Transparência, que dá a cada cidadão a oportunidade de ver como o dinheiro de seu governo está sendo gasto, é uma inovação extraordinária, que nós admiramos", disse a secretária, referindo-se ao site do governo que divulga os gastos federais.

A secretária fez a declaração em um evento que discute a Open Government Partnership (OGP, ou Parceria sobre Transparência Governamental, em tradução livre), iniciativa que tem entre seus objetivos o combate à corrupção.

Em uma cerimônia no Departamento de Estado com a participação de representantes de 60 países, Hillary também citou o exemplo do Brasil ao falar da relação entre transparência no governo e sucesso na esfera econômica.

"Governos que não ganharam a confiança do povo lutam para gerar a receita em impostos necessária para financiar progressos em desenvolvimento sustentável", disse a secretária.

"O que o Brasil fez nos últimos 25 anos é notável. Porque expandiu sua base de impostos, aumentou sua receita como porcentagem do PIB e não enriqueceu uma pequena elite, mas espalhou esses recursos amplamente entre o povo brasileiro, em um esforço que tirou tantos da pobreza e ao mesmo tempo aumentou o cada vez mais forte estabelecimento de instituições democráticas e resultados positivos."

Corrupção

Presidida de forma conjunta por Brasil e Estados Unidos, a parceria tem o objetivo de facilitar a trocar de experiências entre os países e discutir formas de combater a corrupção e promover maior transparência, participação da sociedade civil e o uso de novas tecnologias para fortalecer a governança.

Na cerimônia em Washington, o Brasil foi representado pelos ministros Antonio Patriota, das Relações Exteriores, e Jorge Hage Sobrinho, chefe da Controladoria-Geral da União (CGU), que atualmente investiga denúncias de corrupção no Ministério dos Transportes.

Questionado por jornalistas sobre uma possível contradição no fato de o Brasil liderar uma iniciativa contra corrupção ao mesmo tempo em que registra um escândalo envolvendo acusações de propina e superfaturamento em obras, o ministro das Relações Exteriores disse que "os países todos têm desafios a superar".

"Em países altamente desenvolvidos, existem situações às vezes de inadequação de políticas e de falta de transparência", afirmou Patriota.

Patriota observou que a participação dos países na parceria – que será lançada oficialmente em setembro, na Assembleia Geral da ONU, em Nova York – é voluntária e que a proposta não é "ensinar a ninguém como se comportar".

Patriota disse ainda que essa parceria decorre de uma evolução gradual nas relações bilaterais entre Brasil e Estados Unidos, refletindo o “compromisso dos dois países, no espírito de igualdade de condições, de trocar experiências e dar um exemplo de compromisso com boas práticas".

Leia mais sobre esse assunto

Tópicos relacionados

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.