Brasil

Justiça determina libertação de bombeiros no Rio

A Justiça do Rio de Janeiro determinou na manhã desta sexta-feira a libertação dos 439 bombeiros presos desde o sábado. A decisão atendeu ao pedido de habeas corpus feito pelos deputados federais Alessandro Molon (PT/RJ), Dr. Aluízio (PV/RJ), Mendonça Prado (DEM/SE) e Protógenes Queiroz (PCdoB/SP).

Os bombeiros haviam sido detidos por ocupar o quartel central da corporação, no centro do Rio, durante manifestação por melhores salários.

Segundo Lauro Botto, um dos porta-vozes dos bombeiros, o grupo agora pretende ser anistiado. “Para que os processos que advenham de todos esses acontecimentos nem sequer cheguem a ocorrer”, disse, segundo a Agência Brasil.

Desde o domingo, bombeiros protestam contra a prisão dos colegas nas escadarias da Assembleia Legislativa do Rio.

Na noite de quinta-feira, o governador Sérgio Cabral (PMDB) afirmou que cabia à Justiça Militar decidir sobre a soltura.

"Não é uma prisão decidida pelo governo do Estado. É uma prisão decidida pela Justiça Militar e cabe à Justiça Militar decidir sobre isso: se eles permanecem presos ou se eles não permanecem presos", disse Cabral, que no início da semana qualificou o protesto dos bombeiros no quartel da corporação de "um gesto de imensa irresponsabilidade".

Na quinta, porém, o governo anunciou a criação da Secretaria de Estado de Defesa Civil e disse que os reajustes salariais para bombeiros e outros agentes de segurança seriam antecipados de dezembro para julho.

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.