Brasil

Antonio Palocci pede demissão da Casa Civil

Foto: Casa Civil

Saída do ministro foi comunicada em nota nesta terça-feira

Pressionado a deixar o cargo desde que uma reportagem revelou aumento de 20 vezes em seu patrimônio entre 2006 e 2010, o ministro-chefe da Casa Civil, Antonio Palocci, pediu demissão nesta terça-feira.

"O ministro Antonio Palocci entregou, nesta tarde, carta à presidenta Dilma Rousseff solicitando o seu afastamento do governo”, informou, em nota, a Casa Civil.

Segundo o Ministério, Palocci “considera que a robusta manifestação do Procurador-Geral da República confirma a legalidade e a retidão de suas atividades profissionais no período recente, bem como a inexistência de qualquer fundamento, ainda que mínimo, nas alegações apresentadas sobre sua conduta. Considera, entretanto, que a continuidade do embate político poderia prejudicar suas atribuições no governo. Diante disso, preferiu solicitar seu afastamento."

Em uma outra nota, o Palácio do Planalto confirmou que a demissão de Palocci foi aceita pela presidente Dilma, e que ela convidou a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) para assumir a Casa Civil.

"A presidente aceitou (a renúncia de Palocci) e lamenta a perda de tão importante colaborador", diz a nota.

Na noite desta terça, Gleisi disse à imprensa que atuará como "gestora" na pasta. “Dilma quer o funcionamento da Casa Civil na área de gestão, de acompanhamento de processos e projetos do governo (...). É nessa área que vou atuar.”

Ela deve tomar posse na tarde desta quarta-feira.

Serviços valorizados

Segundo reportagem publicada pelo jornal Folha de S.Paulo em 15 de maio, o patrimônio de Palocci cresceu pelo menos 20 vezes enquanto ele exerceu mandato de deputado federal, entre 2006 e 2010, passando de R$ 375 mil para cerca de R$ 7,5 milhões. Os ganhos, diz Palocci, foram auferidos por sua empresa, a Projeto, por meio de consultorias na área econômica.

Na segunda-feira, o Procurador-Geral da República, Roberto Gurgel, anunciou o arquivamento das representações contra o ministro. Segundo Gurgel, não há indícios concretos da prática de crime nem justa causa para investigar o caso.

Clique Entenda as denúncias contra Antonio Palocci

A oposição e alguns políticos aliados do governo, no entanto, exigiam a saída de Palocci e defendem a abertura de investigação para apurar se a evolução do patrimônio do petista configura enriquecimento ilícito.

Eles acusam o ministro de ter praticado tráfico de influência, valendo-se de sua capacidade de articulação dentro do governo, para favorecer seus clientes, o que explicaria os altos rendimentos da Projeto.

Palocci nega ter cometido qualquer irregularidade e diz que todas as informações referentes a sua empresa foram repassadas aos órgãos de controle.

Ele justificou os altos rendimentos da Projeto ao dizer que, por já ter sido ministro da Fazenda (ocupou o cargo entre 2003 e 2006), seus serviços de consultoria são valorizados no mercado.

Além disso, afirma que nunca prestou consultoria a empresas envolvidas em negócios com o governo e que, para evitar conflito de interesses com seu cargo atual, sua empresa deixou de prestar serviços de consultoria pouco antes da posse de Dilma Rousseff.

BBC navigation

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.