Imigração

UE prevê aumento do fluxo de ilegais devido à crise na Líbia

Imigrantes aguardam transporte para centro de triagem em Lampedusa (AFP)

Fluxo de imigrantes para Lampedusa aumentou desde o início da crise

A agência de proteção de fronteiras da União Europeia (UE), Frontex, alertou que o fluxo de imigrantes ilegais procedentes do norte da África aumentará ainda mais nas próximas semanas devido à situação na Líbia.

"Todos os países da região mediterrânea da União Europeia podem ser afetados", afirmou Michal Parzyszek, porta-voz da agência com sede em Varsóvia, à BBC Brasil.

A Líbia é considerada uma porta importante de entrada de imigrantes ilegais para União Europeia, e o governo de Muamar Khadafi afirma que cada ano impede que cerca de 750 mil deles atravessem o Mediterrâneo.

A Frontex, assim como a Comissão Europeia, braço Executivo da UE, não confirma esse número, mas a preocupação é real.

"Os que falam em dezenas de milhares de imigrantes ilegais que poderiam chegar às costas italianas não estão exagerando. Estamos muito preocupados", afirmou nesta segunda-feira, em Bruxelas, o chanceler italiano, Franco Frattini.

'Alarmante'

Desde o início do ano, quando os protestos na Tunísia começaram a se alastrar a outros países árabes, a pequena ilha italiana de Lampedusa, a 130 quilômetros da costa tunisiana, já recebeu cerca de seis mil imigrantes ilegais.]

Clique Leia mais na BBC Brasil: Ilha italiana tem crise por excesso de imigrantes tunisianos

Em todo o ano de 2010 esse número não passou de 20, observa Parzyszek, que considera o aumento "alarmante, principalmente no caso de uma ilha de cinco mil habitantes".

Segundo a Frontex, uma estimativa preliminar indica que 99% dos recém-chegados são procedentes da Tunísia, onde um movimento popular derrocou o governo de Zine Al-Abidine Ben Ali, em meados de janeiro.

A agência espera ter um quadro mais claro sobre a identidade dessas pessoas e os motivos da onda de imigração "dentro de dois ou três dias", quando os especialistas europeus começarão a entrevistar os imigrantes, explicou Parzyszek.

Medidas

Desde o domingo passado, uma missão especial da Frontex, formada por barcos patrulheiros, aviões e 30 especialistas europeus, está em Lampedusa para ajudar as autoridades italianas a enfrentar a situação.

A comissária de Interior, Cecilia Malmström, afirmou que a UE está pronta para ampliar a missão de Frontex e enviar ajuda também a outros países caso seja necessário.

Ao mesmo tempo, a Alta Representante europeia para Relações Exteriores, Catherine Ashton, prometeu elaborar pacotes de ajuda específicos para os países do sul do Mediterrâneo com o objetivo de assegurar sua estabilidade econômica durante o período de transição democrática e, dessa maneira, convencer sua população a não viajar ilegalmente à Europa.

Além disso, o presidente do Banco Europeu de Investimentos, Philippe Maystadt, anunciou nesta terça-feira que a instituição está disposta a ampliar para 6 bilhões de euros (cerca de R$ 13,7 bilhões) o teto para empréstimos aos países da região no período entre 2011 e 2013 "para colaborar com o processo de transição".

Essas medidas serão avaliadas pelos ministros de Interior da UE na quinta-feira, em uma reunião de rotina em Bruxelas, mas devem ser aprovadas pelos governos de todos os países-membros para poder sair do papel.

Tópicos relacionados

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.