Ásia

Polícia chinesa investiga fábrica que teria trabalhadores escravos

A polícia chinesa está investigando denúncias de que pessoas com problemas mentais teriam sido forçadas a trabalhar em regime de escravidão.

Os 11 trabalhadores teriam sido vendidos por uma entidade beneficente para uma fábrica no noroeste do país.

Segundo relatos, os trabalhadores não recebiam salários e viviam em condições subhumanas.

Não é a primeira vez que um caso como esse é revelado na China, país onde não existem sindicatos independentes.

Segundo reportagens publicadas pela mídia chinesa, os trabalhadores viviam como escravos.

O jornal Global Times disse que além de não receber qualquer pagamento, eles não usavam roupas protetoras e há anos não tomavam banho.

Segundo o jornal, eles eram obrigados a comer a mesma comida que era oferecida aos cachorros do dono da fábrica.

Um homem disse que havia tentado fugir duas vezes, mas tinha sido pego e espancado violentamente.

'Extremamente preocupados'

Os trabalhadores teriam sido agrupados no condado de Qu, na província Sichuan, por um homem que se dizia diretor de uma suposta organização beneficente.

A organização, conhecida como Agência de Adoção dos Pedintes de Qu, teria então vendido os trabalhadores para uma fábrica de materiais de construção no condado de Toksun, em Xinjiang.

De acordo com o Global Times, a entidade recebeu o equivalente a US$ 1.350 por cada empregado. E recebia ainda cerca de US$ 45 por mês por cada trabalhador.

O diretor da organização, Zeng Lingquan, foi preso.

"O comitê do partido do condado de Qu e o governo local estão extremamente preocupados com este caso", disseram as autoridades da região, por meio de um comunicado.

Segundo a nota, o governo organizou um grupo para investigar as denúncias e resgatar os homens.

A polícia está à procura do chefe da fábrica, Li Xinglin, que está foragido.

Esta não é a primeira vez que um caso como esse é descoberto na China. Há três anos, centenas de pessoas foram encontradas trabalhando em condições de escravidão em fábricas de tijolos na província Shanxi.

Ná época, a polícia chinesa prometeu acabar com a prática no país.

Tópicos relacionados

BBC navigation

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.