China

Países que prestigiarem Nobel da Paz sofrerão ‘consequências’, adverte China

Manifestação pró-Xiaobo em Hong Kong, em novembro (Foto: Reuters)

Premiação de dissidente provocou ira do governo chinês

A China advertiu que haverá “consequências” para os governos que enviarem representantes à cerimônia de premiação do dissidente Liu Xiaobo com o Nobel da Paz, a ser entregue em 10 de dezembro.

Diplomatas na capital da Noruega, Oslo, onde ocorrerá a premiação, receberam cartas da embaixada chinesa que, de forma implícita, fizeram a advertência contra a ida à cerimônia.

Um porta-voz do Ministério de Relações Exteriores britânico confirmou que “os chineses levantaram a questão”, mas disse que “é prática normal que o embaixador britânico na Noruega compareça ao Prêmio Nobel. O embaixador pretende comparecer neste ano”.

Liu foi premiado, segundo o comitê do Nobel, por sua “longa e não violenta luta por direitos humanos fundamentais na China”, o que provocou a ira do governo chinês.

O dissidente foi preso em dezembro passado por subversão, após escrever um manifesto pedindo profundas reformas na China. Ele também participou dos protestos na Praça da Paz Celestial em 1989.

O anúncio do Nobel desencadeou manifestações favoráveis a Liu em diversas partes do mundo e pedidos de libertação vindos do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, e de líderes asiáticos e europeus.

‘Arma política’

Pequim sustenta que o prêmio a Liu é um “estímulo à criminalidade”.

O jornal People’s Daily, pró-Partido Comunista Chinês, descreveu em reportagem desta sexta-feira o Nobel como uma arma política do Ocidente para atacar uma China em ascensão.

Também nesta sexta-feira, França e China assinaram acordos comerciais que totalizam bilhões de euros, durante visita do presidente Hu Jintao ao país europeu.

Mas um ministro chinês disse que a libertação de Liu não seria discutida entre Hu e o presidente francês, Nicolas Sarkozy.

O líder do grupo Repórteres Sem Fronteiras na França, Jean François Julliard, pediu que o governo francês emita comunicado em defesa de Liu.

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.