Eleições 2010

Decepção com Dilma será inevitável, diz 'The Guardian'

Lula beija Dilma após divulgação do resultado da eleição

Para jornais britânicos, Dilma terá vida mais difícil do que Lula

Os eleitores brasileiros optaram pela continuidade do “lulismo” através de Dilma Rousseff, mas a decepção com a próxima presidente será inevitável, na avaliação de um editorial publicado nesta terça-feira pelo diário britânico The Guardian.

“Inevitavelmente, ela decepcionará. Após dois mandatos, Lula tem o status de uma entidade divina no país”, afirma o editorial.

O jornal comenta que Lula conseguiu tirar 20 milhões de brasileiros da pobreza extrema, elevar 30 milhões à classe média e reduzir o desemprego a níveis recordes, em “uma mudança que os brasileiros puderam sentir”.

Para o Guardian, Dilma é uma “tecnocrata de estilo rápido e direto” e assumirá a Presidência “em circunstâncias diferentes e com habilidades diferentes”.

“As questões administrativas de sua Presidência não devem lhe apresentar dificuldade, mas as políticas poderão. A bajulação e a sedução não são seu melhor papel, apesar de chegar ao poder com maiorias nas duas casas do Congresso”, diz o texto.

O jornal afirma ainda que o boom econômico vivido pelo Brasil pode também trazer desafios, com a ameaça de desindustrialização caso o país se acomode como exportador de commodities e não invista em seu setor manufatureiro.

“Para isso, o país precisa combater os problemas mais difíceis, como salários, aposentadorias, sistema tributário e dívida pública, os quais Lula mostrou pouco desejo de reformar”, diz o Guardian.

Para o jornal, o trabalho de Dilma foi facilitado, mas ela deve enfrentar uma “lua-de-mel” com os eleitores mais curta do que a que Lula teve. Ainda assim, o diário conclui seu editorial afirmando que “a questão importante é que a visão de uma nação que tira milhões da pobreza enquanto sua economia cresce seja mantida viva”.

País diferente

Também em editorial, o diário econômico britânico Financial Times adota linha parecida ao afirmar que os próximos quatro anos “serão mais difíceis” para Dilma do que foram os primeiros anos de Lula.

Para o jornal, apesar de “continuidade ser a palavra da hora no Brasil”, Dilma e Lula são pessoas com personalidades muito diferentes, o que deve deixar o país também diferente sob o novo comando. “Seria uma coisa ruim se não fosse diferente”, diz o editorial.

Para o FT, o carisma de Lula e “sua capacidade para praguejar contra algo de manhã e elogiar à tarde” permitiram a ele superar obstáculos como os escândalos de corrupção durante seu governo.

O jornal avalia que Dilma poderá ter dificuldades para manter coesa sua coalizão, “a não ser que Lula mexa seus pauzinhos nos bastidores, o que poderá trazer seus próprios problemas”.

O editorial adverte ainda sobre os perigos da frágil recuperação econômica mundial, do aumento dos gastos públicos e dos juros altos, que ajudam a inflar o fluxo de divisas para o país, num momento em que as autoridades brasileiras se dizem preocupadas com a “guerra cambial”.

O diário comenta ainda que Dilma terá também mais dificuldades do que Lula em sua política externa. “Uma coisa é Lula abraçar o presidente do Irã em nome da ‘paz e do amor’. Outra coisa seria a ‘dura’ Dilma tentar o mesmo e sair incólume”, diz o jornal.

Para o FT, “o Brasil sem Lula pode ser tornar mais turbulento e menos popular”. “Mas isso também poderia mostrar que o país está se tornando mais aberto, democrático e maduro”, conclui o jornal.

Tópicos relacionados

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.