Brasil

Expansão econômica do Brasil pode estar perdendo fôlego, diz OCDE

Expansão da economia brasileira pode ter atingido ápice, diz relatório

Indicadores econômicos do Brasil ficaram abaixo de patamar

O Brasil começa a dar “sinais mais fortes” de que sua expansão econômica está perdendo o fôlego e já pode ter atingido o seu pico, afirma a OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico), em um estudo divulgado nesta segunda-feira.

No relatório sobre o Indicador Composto Avançado (ICA, LCI na sigla em inglês), a organização também afirma que a desaceleração no ritmo de crescimento nos próximos meses é observada de maneira mais forte na maioria dos países ricos.

O ICA analisa mensalmente as tendências econômicas para os próximos seis meses.

“No Canadá, na França, na Itália, na Grã-Bretanha, na China e na Índia, uma desaceleração no ritmo de crescimento para os próximos meses é verificada de maneira mais forte em relação ao último estudo”, diz a OCDE.

“Sinais mais fortes também emergiram no Japão, nos Estados Unidos e no Brasil, mostrando que a expansão pode perder o fôlego”, afirma o relatório.

Para os cálculos do ICA, a OCDE se baseia em diferentes indicadores econômicos de curto prazo ligados ao PIB, como a produção industrial.

O nível de 100 pontos é utilizado como referência para classificar a intensidade da atividade econômica dos países.

Os países que sofreram queda em relação ao último estudo e ficaram abaixo de 100 pontos recebem a classificação de “desaceleração”. Os que também tiveram diminuição do índice, mas permaneceram acima da barreira de 100 pontos, são considerados como em “leve desaceleração”.

Abaixo do patamar

Dos 31 países da OCDE e quatro grandes economias emergentes analisados no estudo, o Brasil é o único que ficou abaixo do patamar de referência de 100 pontos.

O ICA do Brasil em julho, divulgado nesta segunda-feira, foi de 99,4 pontos, registrando uma diminuição de 0,8 ponto em relação ao de junho, anunciado em agosto.

A queda do ICA brasileiro é também a maior entre os países analisados. Mas na comparação com os últimos 12 meses, o indicador do Brasil registra um aumento de 4,3 pontos, o que levou a organização a definir a expansão da atividade econômica brasileira como tendo “possivelmente atingido o pico”.

Na zona OCDE, o ICA diminuiu 0,1 ponto em julho, totalizando 103,1 pontos e a expansão da economia também atingiu possivelmente o ápice, diz o estudo.

Os Estados Unidos sofreram queda de 0,2 ponto em julho e registraram 102,5 pontos. Na comparação com os últimos 12 meses, o ICA americano teve aumento de 8 pontos.

Após o Brasil, a segunda maior queda do Indicador Composto Avançado foi da China, que perdeu 0,4 ponto, totalizando 102,1 pontos. Mas, na comparação anual, a China registra diminuição de 0,1 ponto.

Alemanha e Rússia em expansão

Os únicos países que registraram aumento do indicador em julho foram a Alemanha e a Rússia, com 0,2 e 0,1 ponto, respectivamente.

Como esses países já se situavam acima do patamar de referência de 100 pontos, foram os únicos classificados em “expansão” econômica pela OCDE.

Na última sexta-feira, a OCDE já havia anunciado previsões que indicam uma forte desaceleração do crescimento econômico do G7, que reúne os sete países mais ricos do planeta.

Segundo a organização, o crescimento das economias do G7 deve atingir 1,4% no terceiro trimestre deste ano e 1% no quarto. No primeiro trimestre o crescimento havia sido de 3,2% e, no segundo, de 2,5%.

“É difícil ainda saber se essa perda de fôlego da retomada do crescimento é temporário ou se ele é o sinal de uma fraqueza mais acentuada”, havia declarado na sexta-feira Pier Carlo Padoan, economista-chefe da OCDE.

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.