Brasil

Brasil ganharia US$ 101 bilhões anuais sem violência interna, diz instituto

Ação da polícia em favela do Rio de Janeiro

Para instituto, violência interna é o principal problema do Brasil

O fim da violência dentro do Brasil poderia gerar um adicional de pouco mais de US$ 101 bilhões anuais à economia do país, indica uma análise do Instituto para Economia e Paz, baseado na Austrália.

O instituto, que publica anualmente um Índice Global de Paz (IGP), medindo indicadores de segurança e violência no mundo, coloca o Brasil em 83º lugar em um ranking de 149 países (os primeiros do ranking são considerados os países mais pacíficos).

A criminalidade, o número de homicídios, a percepção da violência pela sociedade, a facilidade de acesso a armas de fogo e o nível de respeito aos direitos humanos são apontados como os principais pontos negativos do país entre os mais de 20 indicadores analisados para o índice.

Em uma pontuação que vai de 1 (mais pacífico) a 5 (menos pacífico), o Brasil teve 2,048 neste ano, numa leve piora em relação ao ano passado, quando teve um índice de 2,022. Ainda assim, o país subiu duas posições no ranking em relação a 2009.

Ganho

Índice Global da Paz

1 – Nova Zelândia

2 – Islândia

3 – Japão

4 - Áustria

5 – Noruega

71 - Argentina

83 – Brasil

85 – Estados Unidos

147 - Afeganistão

148 - Somália

149 - Iraque

Fonte: Instituto para Economia e Paz

Segundo a análise do Instituto para Economia e Paz, o ganho potencial para a economia mundial, caso toda a violência no mundo cessasse, seria de US$ 7 trilhões no ano passado, ou 13,1% do PIB global.

Para o Brasil, especificamente, o instituto calculou que o PIB brasileiro, que no ano passado foi de aproximadamente US$ 1,57 trilhão, poderia ter sido US$ 101,66 bilhões mais alto sem a violência interna e US$ 8,44 bilhões mais alto sem a violência fora do país.

O estudo diz que os setores que mais teriam a ganhar com o fim da violência interna no Brasil seriam restaurantes e hotéis, comércio e indústria.

Juntos, esses setores poderiam gerar um adicional de US$ 50,95 bilhões com a paz interna e externa.

Ranking

O IGP deste ano aponta a Nova Zelândia como o país mais pacífico do mundo, seguido de Islândia, Japão, Áustria e Noruega.

Na outra ponta, nas últimas colocações, aparecem Israel, Paquistão, Sudão, Afeganistão, Somália e Iraque, da 144ª à 149ª posição.

Os Estados Unidos aparecem no 85º lugar no ranking, duas posições abaixo do Brasil, enquanto a China aparece na 80ª posição.

Num ranking com apenas os países da América Latina, o Brasil é o 10º mais pacífico.

Vizinhos como o Uruguai (24ª posição no ranking geral), a Argentina (71ª), o Paraguai (78ª) e a Bolívia (81ª) aparecem à frente do Brasil.

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.