Grã-Bretanha

Lojas britânicas terão que indenizar vítimas de sofás que causam queimaduras

Fachada da loja Argos

Algumas das mais populares lojas britânicas venderam os sofás

Um tribunal britânico determinou nesta segunda-feira que lojas de departamento do país paguem até 20 milhões de libras (cerca de R$ 56 milhões) em indenizações a até 2 mil pessoas que reclamaram de queimaduras químicas provocadas por um modelo de sofá vendido por elas.

Estima-se que até 100 mil sofás fabricados na China continham o produto químico fungicida dimetilfumarato (DMF) e foram vendidos nas lojas britânicas.

A substância deveria servir para evitar que os sofás acumulassem mofo enquanto estivessem estocados.

Entretanto, depois que os móveis foram comprados e levados para casa pelos clientes, o produto liberou um gás que provocou queimaduras nas pessoas, atravessando inclusive as roupas.

'Problemas psicológicos'

As vítimas disseram ter sofrido ferimentos na pele e nos olhos, além de apresentarem dificuldades para respirar e outros problemas de saúde.

Cada pessoa deve receber entre 1,2 mil e 9 mil libras (aproximadamente entre R$ 3,2 mil e R$ 24,5 mil) em indenizações, além do ressarcimento de prejuízos pelo cancelamento de compromissos das vítimas e por salários perdidos.

"As pessoas tiveram que deixar seus compromissos de lado enquanto esperavam para saber o que estava acontecendo", disse Richard Langton, advogado de clientes prejudicados pelas queimaduras. "Muitos pensaram que estavam morrendo, que estavam com câncer de pele."

"Muitos médicos não conseguiam saber o que os pacientes tinham, houve vários problemas psicológicos", acrescentou.

Redes de lojas populares na Grã-Bretanha como Argos, Homebase e Walmsleys admitiram a culpa por terem vendido os sofás.

Os advogados das lojas disseram que a União Europeia já proibiu o uso de DMF, depois que casos semelhantes foram registrados em pelo menos outros cinco países do bloco.

BBC navigation

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.