Fale com a gente
BBC Brasil

Primeira página

Ivan Lessa

Especial

Fórum

Aprenda inglês

Parceiros

Sobre a BBC

Other Languages

 Você está em: Notícias

04 de abril, 2001 - Publicado às 18h35 GMT

Tripulação 'destruiu' informações secretas do avião espião
China quer que EUA acabe com os vôos 'espiões'
China quer que EUA acabe com os vôos 'espiões'

Fontes do Ministério de Defesa dos Estados Unidos afirmaram que os tripulantes do avião espião EP-3, que fez um pouso de emergência na ilha de Hainan, conseguiram destruir as informações secretas contidas na aeronave, antes de serem detidos pelas autoridades chinesas.

Segundo as fontes do Pentágono, os tripulantes conseguiram completar a destruição dos dados, seguindo os procedimentos de emergência, para os quais são treinados.

O anúncio foi feito num momento em que aumenta a tensão entre China e Estados Unidos sobre o incidente.

O avião norte-americano colidiu com um caça chinês ao ser interceptado quando fazia um vôo de observação. O caça chinês caiu no mar e piloto continua desaparecido.

Culpa

O secretário de Estado dos Estados Unidos, Colin Powell, lamentou nesta quarta-feira a perda do piloto do caça chinês.

Powell chamou o ocorrido de "um trágico acidente" - mas não pediu desculpas à China, como foi exigido pelo presidente chinês Ziang Jemin.

Colin Powell disse que já é hora desse episódio ser deixado para trás e garantiu que os EUA estão fazendo uso de todos os artifícios para manter o diálogo com os chineses e trocar explicações sobre o ocorrido.

Os EUA vêm reivindicando que as autoridades chinesas devolvam o avião e sua tripulação.

Na Casa Branca, porém, um porta-voz se recusou a revelar se o presidente Bush ligaria para Jiang Zemin, para discutir a questão.

O porta-voz também não quis especular sobre as ações que os EUA podem adotar se o EP-3 e a tripulação não forem devolvidos.

Reunião

O presidente da China disse que os Estados Unidos têm toda culpa pelo acidente.

O presidente George W. Bush exigiu a imediata liberação do avião e de seus 24 tripulantes. O adido militar dos Estados Unidos, general-brigadeiro Neal Sealock, esteve reunido na terça-feira com a tripulação do EP-3 e disse que todos passam bem.

Segundo informações os tripulantes teriam dito ao adido militar que as informações sensíveis contidas no avião tinham sido destruídas.

Isto afastaria o temor dos norte-americanos de verem informações secretas caírem nas mãos dos chineses. Mas ainda não está claro se a tripulação conseguiu destruir realmente todas as informações secretas.

Batalha diplomática

Segundo agências de notícias chinesas, o ministro do exterior da China, Tang Jiaxuan, teria dito ao embaixador americano em Pequim, Joseph Prueher, que Washington se recusa a enfrentar a realidade e assumir a responsabilidade pelo acidente.

O ministro chamou os Estados Unidos de arrogantes e disse que a Casa Branca fez acusações infundadas contra a China.

Oficiais americanos tentam conseguir mais um encontro com os tripulantes, mas nenhuma data foi marcada. A cada hora que passa, os tripulantes começam a ser vistos pelos americanos como reféns.

Os parentes dos tripulantes estão amarrando fitas amarelas - um símbolo popular de apoio àqueles que estão presos em outros países - em árvores, cercas e postes nos Estados Unidos.

Na terça-feira o presidente americano, George W. Bush, advertiu as autoridades chinesas que não danifiquem as relações "frutíferas e produtivas" entre os dois países. "Nós permitimos ao governo chinês fazer a coisa certa. Mas agora é hora de eles liberarem nossa tripulação e devolverem nosso avião", disse Bush.

Acidente

As autoridades militares americanas afirmam que o caça chinês - mais rápido e mais leve que o EP-3 americano - provocou o acidente.

Segundo a agência de notícias Associated Press, funcionários do governo americano disseram que a equipe de segurança de Bush já está estudando o que fazer, caso a China não libere os tripulantes em breve.

As medidas incluiriam o cancelamento da viagem planejada de Bush a Pequim, e a retirada de alguns diplomatas americanos da China.

Mas a mídia chinesa culpa os americanos, mostrando fotos do caça chinês despedaçado como "prova" de que os EUA provocaram a colisão aérea.

Catástrofe

Imagens de satélites mostram que, provavelmente, os chineses examinaram detalhadamente o avião.

Os oficiais americanos que se encontraram com os tripulantes afirmam que eles estão bem. Eles também acreditam que a tripulação conseguiu destruir parte do equipamento instalado e das informações contidas no avião de espionagem.

Analistas afirmam que seria catastrófico para os Estados Unidos se os chineses conseguissem acessar as informações armazenadas nos computadores de bordo.

O incidente aconteceu num momento de tensão entre EUA e China. Os Estados Unidos planejam construir um sistema de defesa anti-mísseis e anunciaram que pretendem vender armas para Taiwan, o que irritou a China.

O correspondente da BBC em Pequim, Duncan Hewitt, disse que o presidente Bush complicou a questão ao pressionar publicamente Jiang Zemin. Segundo o correspondente, Jiang não pode demonstrar fraqueza em relação aos EUA.

 Pesquisa na BBC Brasil

   E-MANCHETE
Assine o serviço da BBC Brasil para receber as principais notícias por e-mail.
   ORIENTE MÉDIO
Leia as últimas notícias e análises sobre o processo de paz entre Israel e os palestinos.









Matérias Relacionadas



Links Externos


A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo dos links externos indicados.


    Para cima    

BBC Brasil
Fale com a gente
Brasil@bbc.co.uk

   

Primeira página | Ivan Lessa | Especial
Fórum | Aprenda inglês | Parceiros
Sobre a BBC

   
© BBC World Service
Bush House, Strand, London WC2B 4PH, UK.
Serviço Mundial da BBC:
Notícias e áudio em 43 línguas: