Acompanhe ao vivo as últimas informações sobre a morte de Bin Laden

Updates ao vivo Comentário ao vivo da BBC Brasil
Update automático

Recarregar

Todas as publicações são registradas no horário de Londres (quatro horas à frente do horário de Brasília).

21:30: O correspondente da BBC em Washington Mark Mardell afirma que, enquanto os EUA foram divididos pelas guerras no Afeganistão e no Iraque, a maioria dos americanos verão a morte de Bin Laden de maneira simplista, como um ato sem toques de ambiguidade: "Os caras bons mataram a tiros o cara ruim".

21:05: O Pentágono tem um vídeo do funeral de Bin Laden no mar e provavelmente irá divulgá-lo em breve, informa a agência de notícias Associated Press.

20:44: Para Roger Hardy, analista de Oriente Médio do Woodrow Wilson Center, Bin Laden pode ser mais perigoso morto do que vivo. Leia a análise: http://bbc.in/k77EjT

20:24: O presidente dos EUA, Barack Obama, fará um pronunciamento em rede nacional de TV às 20h15 locais (22h15, horário de Brasília), segundo a emissora americana ABC.

19h54: Segundo Brennan, a morte de Bin Laden não é suficiente para garantir o fim da Al-Qaeda. "Pode ser um tigre ferido mortalmente que ainda tem um pouco de vida sobrando."

19h41: Brennan afirma que as forças americanas construíram uma réplica da mansão de Bin Laden para treinar o seu ataque.

19h33: Falando a jornalistas na Casa Branca, o consultor-chefe de contraterrorismo do governo americano diz que Bin Laden tentou se esconder atrás de mulheres assim que as forças dos EUA atacaram o seu refúgio no Paquistão. Ele afirma que uma mulher morreu enquanto era usada como escudo humano.

19h25: "Obama realizou uma das manobras mais corajosas de qualquer presidente americano na memória recente", afirmou Brennan, sobre a decisão de Obama em autorizar a missão para matar Bin Laden.

19h24: Brennan afirma que os militares paquistaneses não sabiam sobre a missão até depois que as forças americanas deixaram o espaço aéreo do país. "Nós estávamos observando e nos certificando de que o nosso pessoal seria capaz de deixar o espaço aéreo deles (antes que soldados do Paquistao chegassem)".

19h11: "Se nós pudéssemos pegá-lo vivo, nós teríamos feito isso", disse, em uma conferência de imprensa, o consultor-chefe de contraterrorismo do governo americano, John Brennan, a respeito da morte de Osama Bin Laden.

19h01: Falando em frente ao local onde ficava um dos prédios do World Trade Center, o prefeito de Nova York, Michael Bloomberg, disse que esta zona da ilha de Manhattan floresceu desde o 11 de Setembro. Ele afirmou que o processo de reconstrução é um sinal de reprovação a todos que "visam destruir as nossas liberdades".

18h36: O correspondente da BBC em Nova York Matt Frei, que está no Marco Zero, afirma: "O clima, que era de júbilo no meio da noite, se tornou um tanto mais contido (...) Não há um verdadeiro sentido de conclusão (com a morte de Bin Laden), porque as pessoas esperam que as ameaças continuem. Existe um equilíbrio delicado entre o alívio e em manter a guarda."

18h16: O Paquistão está sob crescente pressão por parte de políticos americanos. O presidente da Comissão de Segurança Doméstica do Senado dos EUA, Joseph Lieberman, afirma que o governo de Islamabad deve provar que não sabia nada a respeito do local onde Bin Laden estava escondido.

18h: O correspondente da BBC em Cabul (Afeganistão) Paul Wood diz: "O governo afegão está contente que Bin Laden morreu, e mais feliz ainda que ele foi morto no Paquistão. Para autoridades afegãs, isto justifica a sua opinião de que a inteligência paquistanesa tem, por anos, apoiado tanto o Talebã quanto a Al-Qaeda."

17h16: O presidente dos EUA, Barack Obama, disse que os EUA "mantiveram seu compromisso de que Justiça seria feita. Hoje somos lembrados de que, como nação, não há nada que não possamos fazer para lembrar o sentido de unidade que nos define".

16h53: O presidente do Comitê de Serviços Armados do Senado, Carl Levin, diz: "Acho que o Exército e a inteligência do Paquistão têm muitas perguntas a responder, dada a localização, o tempo que se passou e o fato aparente de que o complexo foi construído para Bin Laden, além da proximidade do Exército paquistanês".

16h21: O repórter da BBC Ilyas Khan, na cidade de Abootabad, relata: "Houve choque e incredulidade entre os moradores de Abbottabad quando acordaram e descobriram que o homem mais procurado do mundo tinha sido morto na sua pacífica cidade. Mas as pessoas continuaram com sua vida normal. Comerciantes abriram suas lojas e agricultores trabalharam nos campos. Ao olhar para a cena da cidade, os acontecimentos dramáticos da noite anterior não estavam imediatamente óbvios".

16h: Os assessores de Obama, que não foram identificados, acrescentaram que "o teste de DNA prova que Bin Laden está morto, com 99,9% de precisão". Os assessores não disseram como ou onde os testes foram feitos.

15h58: Assessores do presidente dos EUA, Barack Obama, afirmaram que testes de DNA confirmaram a morte de Osama Bin Laden, segundo a agência Associated Press.

14h49: Vários leitores da BBC Brasil vêm manifestando dúvidas sobre a veracidade da informação sobre a morte de Osama bin Laden. A maioria diz que não acredita que o líder da rede Al-Qaeda esteja realmente morto, porque nenhuma foto ou outro tipo de prova foi apresentado pelos EUA. E você, o que acha? Dê sua opinião no fórum da BBC Brasil, clicando em http://newsforums.bbc.co.uk/ws/pt/thread.jspa?forumID=13919

14h39: A secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, diz que "justiça foi feita" com a morte de Osama bin Laden.

14h12: O ex-presidente do Paquistão Pervez Musharraf diz que a operação que matou Bin Laden "deveria ter sido executada por tropas paquistanesas". Musharraf afirmou ao serviço urdu da BBC: "Esse é nosso ponto sensível, que nenhuma tropas estrangeira entre no Paquistão. Apesar de o que aconteceu ter sido bom, não espero que qualquer paquistanês fique contence com o modo com o que nossa soberania foi violada".

14h03: Panetta disse ainda à agência de notícias Reuters: "Apesar de Bin Laden estar morto, a Al-Qaeda não está. Os terroristas certamente tentarão vingá-lo, e devemos - e vamos - continuar vigilantes e determinados".

13h50: O diretor da CIA, Leon Panetta, disse à agência Reuters que a Al-Qaeda "mais do que certamente" tentará vingar a morte de Bin Laden.

13h09: O Iraque disse estar "encantado" com a notícia de que Bin Laden foi morto, disse o ministro das Relações Exteriores, Hosyar Zebari, afirmando que milhares de iraquianos morreram "por causa de suas ideologias".

12h46: A polícia da cidade de Abottabad não foi avisada de que os EUA realizariam uma operação no local, e reagiram às explosões no complexo onde estava Bin Laden, diz o repórter da BBC Owen Bennett-Jones. Quando chegaram ao local, o Exército já estava lá, e tinham isolado a área. Há relatos não confirmados de que a casa pertencia a alguém que era mensageiro de Bin Laden.

12h32: O repórter especializado em segurança da BBC Frank Gardner diz que "foi muito significativo" o fato de os EUA não terem informado os serviços de inteligência do Paquistão sobre a operação: "Os EUA simplesmente não podiam confiar que o ISI (sigla em inglês para o serviço de inteligência paquistanês) não informaria pessoas ligadas a Bin Laden. Isso aconteceu antes, em 1998, quando o presidente Bill Clinton ordenou um ataque com mísseis contra campos de Bin Laden, em resposta a atentados contra embaixadas dos EUA na África. Alguém avisou a pessoas ligadas a Bin Laden, os campos foram esvaziados. Um bode morreu, uma cabana foi atingida e alguns seguidores feridos".

11h55: A Agência de notícias AFP afirma que o líder do governo do Hamas na Faixa de Gaza, Ismail Haniya, condenou o assassinato de Bin Laden.

11h30: O repórter da BBC em Peshawar Rahimullah Yusufzai disse que a morte de Osama bin Laden significa que a Al-Qaeda não poderá operar significativamente de forma militar. "Apesar de Bin Laden ser identificado como mártir, a Al-Qaeda não terá a mesma força e importância", disse ele. O correspondente afirma ainda que o segundo de Bin Laden, Ayman al-Zawahiri, não tem o mesmo status que ele, e vai herdar uma organização "com força reduzida".

11h24: O Ministério do Interior britânico confirmou que o nível de alerta contra terrorismo continua no nível "grave". Um porta-voz afirmou: "Enfrentamos uma ameaça real e séria de terrorismo. O nível geral de terrorismo internacional continua em "grave",  o que significa que um atentado é altamente provável". Há uma necessidade contínua de vigilância e de que se reporte qualquer atividade suspeita à polícia".

11h19: O repórter especializado em segurança da BBC Frank Gardner afirma: "Bin Laden foi para sua tumba aquática em parte bem-sucedido, mas em parte fracassado. Ele foi bem sucedido em seu objetivo de despertar a comunidade islâmica - ao dizer 'vejam todas as injustiças que estão sendo cometidas contra vocês - vocês têm o dever de lutar'. Mas por outro lado ele fracassou - ele e seu movimento não conseguiram substituir um único regime árabe em nenhum lugar'.

11h08: O secretário-geral da Otan, a aliança militar do Atlântico, Anders Fogh Rasmussen, diz que a morte de Bin Laden é "um grande sucesso" para a segurança dos aliados da Otan.

10h53: Farzana Shaikh, um analista paquistanês do think-tank Chatham House, em Londres, diz ao Serviço Mundial da BBC: "Muitas pessoas ao redor do mundo vão ver que suas piores suspeitas foram confirmadas - de que houve, desde o começo, cumplicidade da parte do Estado paquistanês em ajudar Osama Bin Laden". Ela disse ainda que "o fato de que ele não foi encontrado em uma jaula, mas no coração de uma academia que de muitas formas representa o establishment militar é muito constrangedor tanto para a liderança paquistanesa quanto para os militares".

10h19: O presidente do Conselho Europeu, Herman Van Rompuy, e o presidente da Comissão Européia, José Manuel Barroso, emitiram um comunicado conjunto: "Osama Bin Laden era um criminoso responsável por ataques terroristas hediondos que cobraram as vidas de milhares de pessoas inocentes. Sua morte torna o mundo um lugar seguro e mostra que tais crimes não continuarão sem punição".

09h55: O Ministério das Relações Exteriores do Paquistão afirmou que "A morte de Osama bin Laden ilustra a determinação da comunidade internacional, incluindo o Paquistão, de combater e eliminar o terrorismo. Constitui um enorme golpe em organizações terroristas ao redor do mundo. A Al-Qaeda declarou guerra ao Paquistão. Inúmeros ataques terroristas patrocinados pela Al-Qaeda resultaram na morted e milhares de homens, mulheres e crianças paquistanesas.

09h53: O repórter da BBC Jill McGivering examina as perguntas que surgem com a descoberta de Bin Laden em Abbottabad - "uma cidade afluente no Paquistão, perto da capital Islamabad, um lugar amplamente associado com os militares". "Será possível que os serviços militares e de inteligência do Paquistão realmente não soubessem que ele estava lá? Ou isso é prova de que o status quo paquistanês, ou partes dele, ainda apoiam extremistas islâmicos, como seus críticos sempre disseram?"

09h48: O presidente do Afeganistão, Hamid Karzai, disse que a morte de Osama bin Laden no Paquistão prova a posição de Cabul, de que a guerra ao terror "não tinha raízes no Afeganistão: "Ao longo de anos e todos os dias nós dissemos que a guerra ao terror não deveria ser travada em vilarejos afegãos, ou casas afegãs, dos pobres e oprimidos", disse ele a uma reunião de líderes tribais. "A guerra ao terrorismo está em suas fontes, em suas fontes financeiras, seus refúgidos, seus campos de treinamento, não no Afeganistão. Ficou comprovado que estávamos certos".

09h28 (horário de Londres): Apesar de no longo prazo o governo Obama ter que se preparar para possíveis ataques de retaliação, para muitos a grande pergunta é se no longo prazo a Al-Qaeda poderá sobreviver à morte de Bin Laden, afirmou o especialista em Oriente Médio, Roger Hardy. "Desde o começo do ano, alguns especialistas acreditam que as revoltas no mundo árabe tornaram a rede irrelevante. Eles verão a morte de Bin Laden como confirmação desta tendência".

Acompanhe as últimas informações sobre a morte do líder da Al-Qaeda, Osama bin Laden, em uma operação de forças dos EUA no Paquistão.

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.