Ciência

Gato amputado recebe prótese dupla de patas traseiras

Para executar este conteúdo em Java você precisa estar sintonizado e ter a última versão do Flash player instalada em seu computador.

Executar com Real Media Player OU Windows Media Player

Um gato recebeu duas próteses no lugar das patas traseiras, em um procedimento veterinário pioneiro realizada na Grã-Bretanha.

Oscar, que perdeu os dois membros em um acidente com uma ceifadeira, teve as próteses conectadas ao corpo através de "pinos" ao redor dos quais a equipe conseguiu fazer crescerem ossos e pele.

A operação foi realizada pelo cirurgião veterinário Noel Fitzpatrick, que tem um consultório em Surrey, nas proximidades de Londres.

Os membros artificiais foram desenvolvidos por uma equipe de engenharia biomédica da University College of London sob orientação do professor Gordon Blunn.

"A verdadeira revolução com Oscar é que colocamos um pedaço de metal em uma rosca na qual a pele se cresce e vira um osso extremamente resistente", disse o professor Blunn no documentário The Bionic Vet – O Veterinário Biônico, em tradução livre –, que a BBC fez sobre a operação.

"Conseguimos fazer com que o osso e a pele cresçam dentro do implante e desenvolvemos uma ‘exoprótese’ que permite que esse implante gire e se movimente na extremidade do membro do animal, para dar-lhe balanço normal."

A técnica serve como substituto à colocação de próteses fixadas ao corpo através de meias. O lado negativo deste tipo de técnica, disse o professor Blunn, é que muito frequentemente a pressão e a fricção entre o corpo e o membro artificial geram feridas.

Prótese é fixada ao corpo do animal através de pino

A colocação das patas em Oscar serve de experiência com o que os médicos chamam de próteses de amputação intraósseas transcutâneas (Itaps, na sua sigla em inglês), que utilizam conhecimentos de engenharia mecânica e biologia.

Este tipo de tecnologia já está sendo testada em seres humanos, incluindo o caso de uma mulher que perdeu um braço nos atentados a bomba no sistema de transporte de Londres em julho de 2005.

Para Blunn, o sucesso da operação de Oscar mostra o potencial desse tipo de tecnologia.

"Noel (o veterinário) tem ideias brilhantes. E estamos continuando a trabalhar juntos para desenvolver novas tecnologias."

BBC navigation

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.