« Anterior | Principal | Próximo »

Cruzando a Grã-Bretanha no seu e-carro

Categorias dos posts:

Eric Camara | 2011-07-29, 20:00

É ponto pacífico que os atuais carros elétricos têm um grande problema: a autonomia. Por isso mesmo, bilhões de dólares estão sendo investidos em formas mais eficientes de armazenar energia, leia-se, baterias melhores.

Enquanto a grande revolução não chega, motoristas dos e-carros têm que se contentar com a média de 150 km garantida por suas baterias. Ou seja, nada de longas viagens.

electric car, charging

Será? Pelo menos aqui na Grã-Bretanha, já é possível para o entusiasta cruzar o país com o seu carro elétrico. Uma empresa britânica lançou a primeira rede nacional de abastecimento elétrico em auto-estrada .

A Ecotricity já instalou 12 postos de abastecimento em postos Welcome Break e promete outros 17 no próximo ano e meio.

De momento, não é muita gente que vai se beneficiar disso. As estimativas oficiais põem a frota elétrica britânica em 2 mil carros, mas a expectativa é de que esse número seja multiplicado nos próximos anos, quando as grandes montadoras lançarão os seus e-carros no mercado.

Isso deve baratear o custo, ainda relativamente alto dos veículos e além disso, o governo britânico promete continuar com os subsídios de até 5 mil libras (mais de R$ 12,7 mil) a compra de carros elétricos.

O leitor mais atento pode ter reparado que usei a palavra "entusiasta" mais acima no texto. Por quê?

Bem, atualmente o pontos de recarga oferecem dois tipos de conexões para recarregar os carros. Uma de 32A (amperes), que recarrega uma bateria em cerca de 20 minutos.

Se a bateria estiver praticamente vazia, a coisa muda de figura: pelo menos uma hora (32A) ou até 12 horas para "encher o tanque" com a tomada doméstica de 13A.

Quem pensa em percorrer centenas de quilômetros pode, no mínimo, acrescentar algumas horas de viagem.

Você encararia?

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.