« Anterior | Principal | Próximo »

Trens podem poluir mais que aviões

Categorias dos posts:

Eric Camara | 2009-06-08, 14:37

aviao.jpg

O leitor mais assíduo no Planeta & Clima vai se lembrar que há algum tempo eu perguntei aqui se o Brasil não deveria seguir o exemplo britânico e investir em transportes sobre trilhos.

Na ocasião, a grande maioria dos comentários defendia uma expansão da malha ferroviária brasileira. Pois um estudo publicado na última edição da revista New Scientist diz que, surpreendentemente, os trens podem contribuir mais para o aquecimento global do que aviões.

A pesquisa comparou as emissões de 11 meios de transporte, entre trens, aviões, carros e ônibus. O "ovo de Colombo" do estudo, feito pela Universidade de Berkeley, na Califórnia, é analisar todo o "ciclo vital" de cada meio de transporte, não apenas as emissões produzidas pela operação.

Para isso, foram levados em conta fatores como número de passageiros transportados na vida útil, fabricação, manutenção, fabricação de peças de reposição, infra-estrutura necessária (estações, aeroportos, escadas rolantes, pistas e por aí vai) e produção dos combustíveis.

O resultado foi que as emissões produzidas pelo transporte ferroviário mais que dobraram, enquanto as de carros subiram cerca de um terço. Já a poluição produzida pelo transporte aéreo subiu entre 10% e 20%.

No cômputo final, carros são o meio de transporte que mais produz emissões, só ônibus vazios (em horários de pouco movimento) chegam perto. Atrás vêm aeronaves de pequeno porte, trens a diesel e aeronaves de médio porte.

Os menos poluentes, segundo o estudo de Mikhail Chester e Arpad Horvath, são aviões de grande porte, trens elétricos e veículos leves sobre trilhos e, finalmente, o mais econômico: ônibus na hora do rush.

A sugestão dos estudiosos é simples: investimentos em trilhos têm que ser integrados com outros meios de transporte para que valham a pena, em termos de emissões.

ComentáriosDeixe seu comentário

  • 1. às 09:53 PM em 11 jun 2009, Jorge escreveu:

    Num pais de dimensões continentais como o Brasil, a opção por rodovias ou inves de Ferrovias e Hidrovias é um erro evidente.

  • 2. às 05:31 PM em 12 jun 2009, victor escreveu:

    Ferrovia tem de ser a base do sistema de transporte, é assim em outros países e funciona... Causa muito menos acidente, consome nenhum pneu, cada vagao carrega o mesmo que 3 carretas e nao ocupa a rodovia...
    Se queremos um país desenvolvido e menos mortes nas estradas, devemos levantar a bandeira das ferrovias...
    Sem ferrovias o brasil não chega lá...
    Se o país for comparado ao corpo humano, podemos dizer que as rodovias são as veias, enquanto que as ferrovias são as arterias.
    Imagina um corpo humano sem arterias, simplesmente não vive...

  • 3. às 11:35 PM em 14 jun 2009, jefferson klamas escreveu:

    Todo mundo inconscientmente sabe que os aviões poluem mais e o efeito na atmosfera é muito maior. Mas como a indústria carniceira e necessita de dinheiro, vem com estas pesquisas que acabam infelismente confundindo os menos informados.

  • 4. às 10:02 AM em 17 jun 2009, Jaderson escreveu:

    Eu moro na Alemanha.
    Antes morava em São Paulo...
    Vou para o trabalho todo dia de trem.
    E viajo nos feriados nos trens balas, a 300 km/h.
    Tudo elétrico.
    Se a energia vir de termoelétricas, até concordo que complica um pouco.
    Mas com o potencial hidroelétrico do Brasil não tem nem espaço para discussão.
    Estamos na idade da pedra aí.
    Eu passava 4 hs por dia dentro do carro!
    Hoje nem tenho carro, pois não tem necessidade.
    Moro em uma cidade vizinha a que trabalho e gasto no máximo 2 hs por dia, usando às vezes dois trens e um bonde.
    Acorda Brasil!

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.