Arquivo para 2010-11

Secretário de Saúde do Rio deve assumir ministério, diz Cabral

Rafael Spuldar | 15:12, terça-feira, 30 novembro 2010

O governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, afirmou nesta terça-feira que o atual secretário de Saúde do Estado, Sérgio Côrtes, deverá ser o próximo ministro da Saúde.

"Já foi feito um convite. Eu já o consultei, e ele aceitou. Mas é evidente que ele vai ter que sentar com a presidenta e conversar”, disse Cabral, segundo a Agência Brasil, durante a inauguração da 13ª Unidade de Polícia Pacificadora (UPP), no Morro dos Macacos.

Cabral disse que conversou “longamente” nessa segunda-feira com a presidente eleita, Dilma Rousseff, em Brasília. Segundo ele, um dos assuntos abordados foi o possível convite para Côrtes assumir o ministério.

“Ela foi muito enfática, na campanha, na admiração do trabalho que realizamos aqui na área da saúde pública", afirmou o governador. "Para nós, é uma honra".

O ex-ministro da Fazenda e deputado federal Antonio Palocci (PT-SP), integrante da equipe de transição, chegou a ser cotado para assumir a pasta da Saúde.

População cresce 12,3% em dez anos, aponta IBGE

Paula Adamo Idoeta | 17:31, segunda-feira, 29 novembro 2010

A população brasileira cresceu 12,3% nos últimos dez anos e alcançou os 190,7 milhões de habitantes, apontam resultados do Censo 2010 divulgados nesta segunda-feira pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Há no país 20,9 milhões de pessoas a mais do que no Censo 2000.

O crescimento é menor do que o observado na década anterior: a população aumentou 15,6% entre 1991 e 2000.

Aumentou também a proporção de pessoas em áreas urbanas, de 81,25% em 2000 para 84,35% em 2010.

São Paulo continua sendo o Estado mais populoso, com 41,2 milhões de habitantes. No outro extremo está Roraima, que tem apenas 451 mil habitantes.

Municípios

O município de São Paulo abriga 11,2 milhões de habitantes e é o mais populoso, seguido pelo Rio de Janeiro, com 6,3 milhões, e Salvador, com 2,6 milhões.

Brasília, que no Censo 2000 era a sexta cidade mais populosa do Brasil, subiu para a quarta posição, com 2,5 milhões de pessoas.

Em seguida vêm Fortaleza (2,4 milhões), Belo Horizonte (2,3 mi), Manaus (1,8 mi), Curitiba (1,7 mi), Recife (1,5 mi) e Porto Alegre (1,4 mi).

Já as cidades menos populosas são Borá (SP), com 805 habitantes, Serra da Saudade (MG), de 815 habitantes, e Anhanguera (GO), que abriga 1.017 pessoas.

O maior aumento populacional registrado nos últimos dez anos ocorreu na cidade paulista de Balbinos, que cresceu quase 200% e hoje abriga 3,9 mil pessoas.

3,9 milhões de mulheres a mais

Segundo o IBGE, a população feminina brasileira supera a masculina em 3,9 milhões – ou seja, há no país 95,9 homens para cada cem mulheres.

São Paulo concentra os três municípios com a maior proporção de homens: Balbinos (82,2%), Pracinha (72,8%) e Lavínia (70,4%).

E a cidade paulista de Santos é a que tem a maior proporção de mulheres: 54,25%, seguida por Recife (53,8%).

O levantamento descobriu também que o Brasil tem 23,7 mil pessoas com mais de cem anos de idade, concentradas principalmente na Bahia, em São Paulo e em Minas Gerais.

O Censo 2010 é resultado de pesquisa em 67,6 milhões de domicílios no país.

Presos nas operações no Rio serão levados para fora do Estado, diz Secretaria de Segurança

Júlia Dias Carneiro | 19:42, sexta-feira, 26 novembro 2010

Os criminosos que forem presos nas operações em andamento no Rio de Janeiro serão transferidos para presídios federais fora do Estado, assim como os detentos suspeitos de orquestrar ataques de dentro dos presídios. As informações são da Secretaria de Segurança Pública fluminense.

De acordo com Roberto Sá, subsecretário de Planejamento e Integração Operacional, dez criminosos estão sendo transferidos para o presídio de Catanduvas, no Paraná, ainda nesta sexta-feira. Nove deles foram presos na Vila Cruzeiro, enquanto o décimo comandava ações de dentro da prisão.

Roberto Sá afirmou que já há autorização da Justiça para que todos que forem presos nesses ataques sejam retirados do Estado.

A chegada dos 800 para-quedistas do Exército para contornar o perímetro da Vila Cruzeiro e do Complexo do Alemão, para onde cerca de 200 traficantes fugiram na quinta-feira, foi marcada por um tiroteio na tarde desta sexta. Pelo menos três militares e três civis ficaram feridos.

De acordo com Sá, o foco das operações ainda é a Vila Cruzeiro. Mas o Complexo do Alemão também está na mira: “Vai haver esta incursão e no momento adequado vocês vão saber”, disse.
O Complexo Alemão virou refúgio para os cerca de 200 traficantes que fugiram da Vila Cruzeiro na quinta-feira.

Eles escaparam da operação policial realizada para acabar com os ataques que vêm sendo realizados no Rio desde domingo. A operação conseguiu ocupar a favela, considerada um dos maiores redutos do tráfico no Rio.

Há cinco dias, uma série arrastões e queima de veículos acontece em vários pontos da cidade. Os ataques são vistos como uma reação à política de segurança do Estado, que, por meio das Unidades de Polícia Pacificadora, vem reduzindo o território sob domínio de facções criminosas.

As UPPs começaram a ser implantadas quase dois anos atrás e hoje estão em 12 comunidades do Rio, fazendo o tráfico perder espaço e migrar para outras áreas.

Rio tem mais de 190 presos e 25 mortos em seis dias de confrontos

Rodrigo Durão Coelho | 11:37, sexta-feira, 26 novembro 2010

A cidade do Rio de Janeiro registrou nesta sexta-feira, pelo sexto dia consecutivo, novos episódios de violência com pelo menos cinco veículos incendiados durante a madrugada, incluindo três carros de passeio, um ônibus e uma van.

Segundo boletim da Polícia Militar do Rio de Janeiro, 96 veículos foram incendiados, 25 pessoas morreram, 192 suspeitos foram detidos e três policiais, mortos, desde o último domingo.

Nesta sexta-feira, o Bope (Batalhão de Operações Policiais Especiais do Estado) trabalha com o auxílio de fuzileiros navais para consolidar a ocupação da favela Vila Cruzeiro, invadida na quinta-feira. Cerca de 200 traficantes fugiram para a favela vizinha, do Alemão, no início da invasão.

Cerca de 800 paraquedistas do Exército vão ser disponibilizados para atuar nas operações das Forças de Segurança do Rio de Janeiro, além de dois helicópteros e outros dez veículos blindados, que se juntam aos seis veículos da Marinha que já atuam junto com o Bope.

As Forças Armadas afirmam que também vão fornecer temporariamente equipamentos de comunicação e óculos para visão noturna.

O governo estadual diz que a onda de violência na cidade é uma reação à política, em vigor desde 2008, de ocupação policial de áreas antes dominadas por criminosos.

Violência no Rio domina lista dos temas mais citados no Twitter

Joao Fellet | 17:18, quinta-feira, 25 novembro 2010

A violência no Rio de Janeiro ganhou grandes proporções também nas redes sociais.

Na tarde desta quinta-feira, cinco dos dez tópicos mundiais mais citados no Twitter (os “trending topics”) tinham relação com os confrontos na cidade.

Os termos mais citados eram “Bope” (sigla para o Batalhão de Operações Policiais Especiais do Estado), “Rio”, “Marinha”, “Vila Cruzeiro” e “Penha” (onde ocorreram embates entre policiais e traficantes de drogas).

Entre as mensagens, além das que lamentavam a violência, algumas disseminavam boatos e outras extraíam piadas dos acontecimentos.

Por volta das 15h, um usuário escreveu que criminosos estavam “queimando pessoas vivas nos carros” na Vila Cruzeiro, informação não confirmada pela polícia. A mensagem foi republicada por vários dos seus contatos.

Outros usuários elogiavam a atuação do Bope e estimulavam a truculência policial.

Outros ainda extraíam humor dos acontecimentos:

“É tudo figuração no Rio; O Spielberg está gravando as cenas do ‘Tropa de Elite 3’. Figurantes da Marinha chegaram agora à Vila Cruzeiro”, escreveu um usuário.

“Já chamaram polícia, bombeiros, Marinha. Se chegar um índio vira o Village People”, afirmou outro, “retuitado” por dezenas de seguidores.

Blindados da Marinha participam de operações policiais no Rio

Rodrigo Durão Coelho | 12:25, quinta-feira, 25 novembro 2010

O secretário de Segurança Pública do Rio de Janeiro, José Mariano Beltrame, disse que seis veículos blindados da Marinha auxiliam as operações do Bope (Batalhão de Operações Especiais) nesta quinta-feira.

As Forças de Segurança se preparam para invadir a favela de Vila Cruzeiro, considerada o principal reduto de traficantes na cidade.

Beltrame classificou de “histórica” a oferta de ajuda da Marinha, que fornecerá apoio logístico ao Estado, como veículos blindados, armamento e munição e disse que o Exército ainda não ofereceu ajuda. Cerca de 30 fuzileiros devem participar das operações desta quinta-feira, segundo reportagem da rádio CBN.

O secretário disse ainda não ter informações de que facções criminosas distintas planejem um grande ataque coordenado na cidade neste sábado.

Os ataques prosseguiram nesta quinta-feira na cidade, pelo quinto dia consecutivo. Já chegam a 50 os veículos incendiados, incluindo ônibus, caminhões e carros particulares. Os bombeiros atenderam a sete ocorrências de fogo contra veículos.

Desde domingo, os ataques que ocorrem na cidade já deixaram 26 mortos, sendo que 19 deles apenas na quarta-feira. 22 das vítimas seriam criminosos mortos em choques com a polícia.

O prefeito da cidade, Eduardo Paes, afirmou nesta quinta-feira considerar que a violência é obra de “terroristas desorganizados, incomodados por perderem poder”, devido a operações policiais recentes.

Paes disse que o planejamento para os grandes eventos previstos para os próximos anos no Rio de Janeiro não mudará.

 

Desemprego em outubro é o menor em oito anos

Rodrigo Durão Coelho | 10:31, quinta-feira, 25 novembro 2010

O índice de desemprego no Brasil em outubro ficou em 6,1%, o menor já registrado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) em sua metodologia atual, adotada em março de 2002.

Segundo os dados divulgados nesta quinta-feira pelo instituto, houve uma redução de apenas 0,1 ponto percentual no índice em relação a setembro, mas sobre outubro do ano passado a queda foi de 1,4 ponto percentual (ou 7,5%).

De acordo com o instituto, 1,4 milhão de pessoas estavam sem emprego em outubro, mesmo número do mês anterior.

Segundo o IBGE, 22,3 milhões estavam trabalhando em outubro, numa alta de 3,9% em relação ao mesmo mês do ano anterior.

O IBGE apontou ainda que a renda média dos trabalhadores ficou estável em relação a setembro (R$ 1.515,40), mas registrou um aumento de 6,5% em relação a outubro do ano passado.

Rio tem confrontos pelo quinto dia seguido

Joao Fellet | 15:49, quarta-feira, 24 novembro 2010

Em mais um dia de confrontos no Rio de Janeiro, a Polícia Militar do Estado divulgou nesta quinta-feira a morte de 23 pessoas em suas operações em favelas da cidade e na Baixada Fluminense.

Segundo a corporação, dois policiais foram baleados, mas passam bem.

Em nota, a corporação diz que 47 criminosos foram presos e que 29 armas foram apreendidas, além de drogas e materiais inflamáveis.

As operações ocorreram nas comunidades de Tuití, Morro do Encontro, Morro do Faz Quem Quer, Vila Kennedy, Anchieta, Morro da Fé, Antares, Rolas, Guaxá e Jardim Floresta.

O comandante geral da corporação, Mário Sérgio de Brito Duarte, determinou que todos os policiais militares da Região Metropolitana do Rio fiquem de prontidão.

Na última terça-feira, o órgão afirmou que 1,2 mil policiais haviam sido deslocados dos quartéis para as ruas, e que 18 favelas da capital fluminense e de cidades vizinhas tinham sido ocupadas.

Desde o domingo, criminosos têm feito arrastões e queimado veículos no Rio.

Na quarta-feira,sete ônibus, 15 carros, um caminhão e duas vans foram incendiados na Grande Rio.

A escalada na violência fez o governador do Rio, Sérgio Cabral (PMDB), pedir na terça-feira ao presidente Lula reforço no efetivo de policiais rodoviários federais.

Rio amplia operação policial para conter ataques

Joao Fellet | 18:41, terça-feira, 23 novembro 2010

O governo do Rio de Janeiro ampliou nesta terça-feira uma operação para conter a série de ataques ocorridos no Estado desde o domingo.

Segundo a Polícia Militar, duas pessoas morreram e sete foram detidas em operações na capital fluminense nesta terça. A PM diz que apreendeu drogas, armas e explosivos nas incursões.

O órgão afirmou que 1,2 mil policiais foram deslocados dos quartéis para as ruas, e que 18 favelas da capital fluminense e de cidades vizinhas foram ocupadas.

“Diminuímos até o número de folgas para que isso pudesse ser realizado. (...) Vamos buscar os grupos envolvidos neste tipo de vandalismo e já estamos colocando mais blitze”, disse, em nota, o coordenador da Comunicação Social da PM, coronel Lima Castro.

Desde o domingo, criminosos têm feito arrastões e queimado carros no Rio. Na manhã desta terça-feira, duas pessoas morreram e uma se feriu após um carro ser alvejado em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense.

Em Araruama, na região dos Lagos, dois policias foram mortos na noite de segunda.

O governador do Estado, Sérgio Cabral, atribuiu os ataques às ações de pacificação nas favelas da cidade, com a implantação das Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs).

Nesta terça, de acordo com a Agência Brasil, Cabral pediu ao presidente Lula reforço no efetivo de policiais rodoviários federais.

Após a conversa, Lula teria determinado ao ministro da Justiça, Luiz Paulo Barreto, que apoiasse o combate à violência no Rio.

Governo do Rio atribui arrastões a pacificação de favelas

Júlia Dias Carneiro | 12:28, segunda-feira, 22 novembro 2010

Os arrastões que ocorreram no Rio de Janeiro durante o fim de semana e nesta segunda-feira foram associados pelo governador do Estado, Sérgio Cabral, às ações de pacificação nas favelas da cidade, com a implantação das Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs).

“Sem dúvida, os arrastões têm relação com reconquista de território e com a nova política de segurança pública do Rio. Nós não vamos retroceder nessa política. Vamos avançar, pacificando comunidades e levando paz à população”, declarou o governador durante evento na manhã desta segunda-feira.

Cabral anunciou que o secretário José Mariano Beltrame está reunido com a cúpula da Secretaria de Segurança Pública para definir os próximos passos da Polícia Militar.

“Estamos preparando uma reação organizada contra os crimes cometidos neste fim de semana”, disse ele, referindo-se aos assaltos a motoristas realizados na via Dutra, na Linha Vermelha, na Lagoa e no bairro de Laranjeiras.

Enquanto isso, novos assaltos foram realizados na manhã desta segunda-feira em Irajá, subúrbio do Rio. Três veículos foram incendiados e os pertences dos motoristas foram roubados.

Cabral anunciou que o policiamento nas ruas ganhará o reforço de 150 novas motocicletas nesta segunda-feira. É a primeira leva de uma encomenda de 325 motocicletas compradas pela Secretaria de Segurança.

A prioridade é de emprego das novas motocicletas em áreas onde arrastões seguidos de roubos têm ocorrido com mais frequência.

Brasil cria 2,4 milhões de empregos até outubro

Joao Fellet | 19:40, sexta-feira, 19 novembro 2010

O Ministério do Trabalho e Emprego anunciou nesta sexta-feira que o país criou 2,4 milhões de empregos em 2010 até o mês de outubro.

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), só em outubro foram abertas 204 mil vagas.

Com o resultado, faltam 93,7 mil empregos para que o ministério cumpra a previsão anual feita no início de 2010.

As vagas geradas até outubro já superam as criadas em 2009, ano que detém o recorde histórico na abertura de vagas, com 2,1 milhões de postos de trabalho inaugurados.

De acordo com o Caged, há 43,5 milhões de trabalhadores formais no país, dos quais 35,4 milhões gozam dos benefícios da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho).

Os grupos representam, respectivamente, 45,6% e 37,1% da População Economicamente Ativa do país (95,38 milhões de pessoas em 2009, segundo a Pesquisa Nacional por Amostragem de Domicílios).

"A economia continua aquecida e forte. Neste ritmo, com certeza alcançaremos a meta de 2,5 milhões de novos empregos criados em 2010", disse, após divulgar os dados, o ministro do Trabalho e Emprego, Carlos Lupi, segundo nota oficial.

De acordo com o ministério, entre todas as regiões do país, o Nordeste teve o melhor desempenho em outubro, com a criação de 53.291 vagas, recorde histórico para a região.

Dilma prega 'clima de compreensão' em evento do PT

Rafael Spuldar | 14:36, sexta-feira, 19 novembro 2010

A presidente eleita, Dilma Rousseff, disse nesta sexta-feira, em Brasília, que espera criar um clima político "de união e compreensão" no país depois da disputa eleitoral.

Participando de um evento no diretório nacional do PT, em Brasília, a petista se emocionou ao lembrar dos encontros que teve com a militância do partido durante a campanha presidencial.

“É para esse partido que eu apresento aqui minha gratidão. Dependo da compreensão de vocês, do esforço e da solidariedade de vocês. Esse partido construiu maturidade política de compreender os complexos desafios do poder.”

“Conseguimos construir nossa capacidade de conviver com a diferença", disse Dilma. "Quero aqui enfatizar a maturidade do PT na sua relação com os demais partidos que integram a coligação que vai governar o país a partir do dia 1º de janeiro.”

Dilma também criticou o que definiu como "preconceito" e "intolerância" por parte da oposição durante a disputa. “Foi uma campanha pesada, de confronto, mas confronto não nas questões que nós achávamos que cabia confrontar”, afirmou.

A futura presidente brincou com os principais nomes petistas na transição, chamando-os de "três porquinhos": o deputado federal e ex-ministro Antonio Palocci, o presidente nacional do PT, José Eduardo Dutra, e o deputado federal José Eduardo Cardozo.

Brasil perde 11,2 mil leitos hospitalares e não cumpre parâmetro do Ministério da Saúde

Paula Adamo Idoeta | 12:02, sexta-feira, 19 novembro 2010

O Brasil perdeu 11,2 mil leitos hospitalares entre 2005 e 2009, aponta um relatório do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) divulgado nesta sexta-feira. 

Dessa forma, a taxa nacional de 2,3 leitos para cada mil habitantes observada em 2009 fica abaixo do parâmetro estabelecido pelo Ministério da Saúde, que é de 2,5 a 3 leitos por mil habitantes.

Só a região Sul cumpriu o parâmetro, com uma média de 2,6 leitos para cada mil pessoas.

Dos 431,9 mil leitos contabilizados em 2009, 64,6% estão na rede hospitalar privada e 35,4% na rede pública, aponta o IBGE.

Em contrapartida, o estudo identificou um aumento de 22,2% no número de estabelecimentos de saúde em atividade total ou parcial no país (de 77 mil em 2005 para 94 mil em 2009), além de aumentos em equipamentos hospitalares e de médicos.

O número de locais que oferecem ressonância magnética, por exemplo, cresceu mais de 100%. E a oferta de postos de trabalho de nível superior na saúde cresceu 26,9% em quatro anos.

As desigualdades regionais persistem no setor. Um exemplo: as capitais brasileiras concentravam em 2009 40,2% dos postos médicos, apesar de abrigarem 23,7% da população, segundo o IBGE.

O SUS (Sistema Único de Saúde) financiou 79,4% dos serviços de emergência no país em 2009.

Câmara aprova isenção de impostos para estádio da Copa de 2014

Rafael Spuldar | 23:08, quarta-feira, 17 novembro 2010

A Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira uma medida provisória (MP) que suspende a cobrança de impostos sobre os materiais usados na construção e nas reformas dos estádios da Copa do Mundo de 2014.

Chamado de Recopa, o regime especial de tributação previsto na MP também contempla os estádios utilizados na Copa das Confederações de 2013, assim como os locais de treinamento das seleções participantes.

Os impostos passíveis de isenção são PIS/Pasep (Programas de Integração Social e de Formação do Patrimônio do Servidor Público), Cofins (Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social) e IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados).

O relator da matéria, deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP), incluiu na MP a obrigatoriedade de o governo federal encaminhar ao Congresso e publicar, até 1º de agosto de 2016, uma prestação de contas da renúncia fiscal.

A MP segue agora para o Senado, onde deve chegar já trancando a pauta de votação.

PF desmonta rede internacional de tráfico de drogas no Brasil

Rafael Spuldar | 17:10, quarta-feira, 17 novembro 2010

Uma operação da Polícia Federal (PF) realizada nesta quarta-feira desmontou uma rede internacional de tráfico de drogas formada por brasileiros, colombianos, bolivianos e europeus que tinha São Paulo como base de operações.

No total, 50 mandados de prisão foram emitidos nesta terça-feira. Com eles, 22 pessoas foram detidas, sendo que outras 20 já estavam encarceradas. Um suspeito brasileiro está foragido, enquanto outros sete estrangeiros estão na "lista vermelha" da Interpol.

A Operação Deserto, como é chamada pela PF, ocorre depois de um ano e meio de investigações. Neste período, foram apreendidos 2,3 toneladas de cocaína, produtos químicos e equipamentos usados no refino da droga, armas, munições, 10 granadas antitanque, dois aviões, 33 veículos e aproximadamente R$ 500 mil em dinheiro.

Segundo a PF, a quadrilha recebia a droga escondida em aviões que pousavam no Brasil em pistas de pouso clandestinas. Os principais destinos da cocaína eram a África e a Europa, enquanto uma parte menor da droga era distribuída dentro do Brasil.

A rede era formada por quatro células independentes, chefiadas por dois irmãos colombianos que moravam em Santa Cruz de La Sierra (Bolívia). De acordo com a PF, uma das células era comandada por um assessor parlamentar residente em São José do Rio Preto (SP).

A PF informa que, somente nos últimos dez meses, o bando movimentou aproximadamente R$ 28 milhões.

Nova diretoria da CNI defende maior controle sobre o capital estrangeiro

Fabricia Peixoto | 16:33, quarta-feira, 17 novembro 2010

Preocupada com o volume de dólares que tem entrado no país, resultando na valorização do real, a nova diretoria da Confederação Nacional da Indústria (CNI) vai defender, junto ao governo Dilma Rousseff, que os estrangeiros voltem a pagar Imposto de Renda sobre seus rendimentos no país.

“Se o brasileiro paga imposto (de renda) sobre suas aplicações, por que o estrangeiro não pode pagar?”, questiona Robson Andrade, que está assumindo a presidência da entidade.

Os investimentos estrangeiros em renda fixa (títulos do governo) foram isentos do imposto em 2006, com o objetivo de atrair esse capital e, assim, diminuir os juros sobre a dívida externa do país.

 “Estamos perdendo competitividade. E não é só a indústria. Estamos perdendo espaço, por exemplo, em equipamentos para o agronegócio, o que também prejudica esse setor”, diz Andrade.

A valorização do real tende a encarecer os produtos brasileiros no mercado internacional, prejudicando as exportações.

O novo presidente da entidade também vai sugerir que o novo governo adote uma estratégia para “direcionar” os investimentos estrangeiros no setor produtivo.

“Podemos exigir, por exemplo, que parte desses investimentos sejam destinados a projetos que irão estimular as exportações de produtos com maior tecnologia”, diz.

Sobre a formação da nova equipe econômica, Andrade diz que “vai sempre achar pouco” qualquer que seja a redução nos juros promovida pelo Banco Central, mas admite que o problema está “no gasto do governo”.

“O BC não é o responsável. O governo é quem tem que reduzir os gastos para permitir a queda dos juros”, diz.

Piauí lidera crescimento do PIB, mas tem pior índice per capita, diz IBGE

Júlia Dias Carneiro | 11:29, quarta-feira, 17 novembro 2010

O Piauí apresentou o maior crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) entre os Estados brasileiros em 2008. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o PIB do Estado cresceu 8,8% naquele ano, enquanto a média nacional foi de 5,2%.

Logo atrás vieram Ceará e Goiás, com crescimento de 8,5% e 8%, respectivamente. Nos três Estados, o avanço veio impulsionado por resultados positivos na agricultura.

Enquanto Ceará e Goiás têm participações de 2% e 2,5%, respectivamente, no PIB nacional, o Piauí está entre os últimos do ranking do país, respondendo por 0,6% do PIB.

O Estado tem o menor PIB per capita brasileiro: R$ 5.372. No outro extremo está Brasília, com R$ 45 mil per capita, quase o triplo da média nacional, de R$ 15.989.

Os dados são das Contas Regionais 2004-2008 do IBGE, que apontam para um aumento progressivo de participação no PIB nacional das regiões Nordeste, Centro-Oeste e Norte. Entre 2002 e 2008, a primeira aumentou 0,1 ponto percentual, enquanto as duas últimas avançaram 0,4 ponto percentual cada.

Já a participação das regiões Sul e Sudeste registrou recuo de 0,3 e 0,7 ponto percentual de 2007 para 2008, respectivamente.

Em 2008, quase 80% do PIB brasileiro foi gerado por oito Estados brasileiros (SP, RJ, MG, RS, PR, SC, BA e DF).

São Paulo

São Paulo continua respondendo por cerca de 1/3 do PIB nacional, e registrou PIB recorde em 2008, batendo pela primeira vez o marco de R$ 1 trilhão. Entretanto, sua participação nacional vem caindo desde 1995, quando respondia por 37% do PIB. Em 2008, a taxa foi de 33%.

Em segundo lugar no ranking nacional está o Rio de Janeiro, com 11,3% do PIB. Por último vem Roraima, Acre e Amapá, cada um com uma participação de 0,2% do PIB.

Quatro em cada 5 vítimas de morte violenta no Brasil são homens, diz IBGE

Júlia Dias Carneiro | 10:29, sexta-feira, 12 novembro 2010

A cada cinco pessoas que morrem por causas violentas no Brasil, quatro são homens e uma é mulher. A informação faz parte das Estatísticas do Registro Civil de 2009, divulgadas nesta sexta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Segundo os dados, 14,9% das mortes de homens em 2009 tiveram causas violentas, contra 16,2% em 2002. Para as mulheres, o percentual se manteve praticamente estável desde 2002, em cerca de 4%.

A proporção de mortes violentas de homens em relação às mulheres tem seu pico no Estado do Rio de Janeiro, onde 5,5 homens morrem por causas violentas para cada mulher. Em seguida, vêm Alagoas, Bahia e Paraíba (com 5,3) e Pernambuco (com 5,2).

O número de mortes violentas apresentou aumento no Norte e no Nordeste (no Norte, houve aumento de 16% para 18% em cinco anos) e redução no Sudeste (de 17% para 14%).

Casamentos

Quanto aos casamentos, os dados do IBGE apontam aumento no número de mulheres casadas com homens mais novos, assim como a idade média das noivas e das mães.

Em 2009, as mulheres eram mais velhas que seus parceiros em 23% dos casamentos. Em 1999, isso acontecia em 19,3% das vezes.

A idade média com a qual a mulher casa hoje é de 26 anos (em 1999, era 24) e também aumenta progressivamente.

Houve aumento da taxa de casamentos para as mulheres entre 25 e 29 anos, e redução das faixas de 15 a 19 anos e 20 a 24 anos.

Já a partir dos 60 anos de idade, as taxas de casamento dos homens são mais que o dobra que as das mulheres.

Nascimentos

A faixa entre os 20 e 24 anos de idade continua sendo a mais comum para elas casarem e terem filhos. Mas a natalidade nesse grupo caiu nos últimos dez anos (de 30,5% para 28,4%), enquanto aumentou o número de grávidas entre 30 e 34 anos (de 14,8% para 16,8%).

O número de mães com idades entre 35 e 39 anos também subiu de 6,6% para 8% no período.

Dos nascimentos ocorridos em 2009, 26,1% ocorreram fora do município de residência da mãe, o que reflete, segundo o IBGE, a falta de redes de saúde adequadas.

Lucro da Petrobras cresce 7,9% no 3º trimestre

Joao Fellet | 20:45, quinta-feira, 11 novembro 2010

A Petrobras anunciou nesta quinta-feira que obteve um lucro líquido de R$ 8,56 bilhões no terceiro trimestre deste ano, valor 7,9% maior que o registrado no mesmo período de 2009 e 3% superior ao lucro do segundo trimestre de 2010.

O desempenho reflete o aumento do preço e das vendas do petróleo e a desvalorização do dólar, já que boa parte das dívidas da companhia foi contraída na moeda americana.

Segundo o diretor financeiro da empresa, Almir Guilherme Barbassa, a apreciação do real de 6% no terceiro trimestre reduziu a dívida da empresa em R$ 910 milhões.

Em coletiva de imprensa, Barbassa disse ainda que a operação de capitalização da empresa, ocorrida em setembro, custou R$ 357 milhões à empresa.

Pelo processo, a Petrobras captou R$ 120 bilhões. Desse valor, cerca de R$ 50 bilhões entraram no caixa da companhia, e outros R$ 74,8 bilhões foram repassados à União, para pagar os direitos pela exploração de 5 bilhões de barris petróleo futuramente.

Investimentos e produção

A média de produção da Petrobras entre janeiro e setembro foi de 2,322 milhões de barris de petróleo e gás em campos nacionais e internacionais, alta de 2% sobre o registrado no mesmo período do ano anterior.

Também houve alta nos investimentos da companhia: nos nove primeiros meses de 2010, somaram R$ 56,5 bilhões, 11% a mais do que o registrado em igual período de 2009.

Entre janeiro a setembro, a empresa lucrou R$ 24,58 bilhões, alta de 10% sobre o mesmo período de 2009.

No mesmo período, a receita líquida da estatal chegou a R$ 158,78 bilhões, 17% a mais do que nos nove primeiros meses de 2009. Em comparação com a receita líquida do segundo trimestre, o valor cresceu 2%.

BC diz que vai apurar responsabilidades no caso Panamericano

Fabricia Peixoto | 18:11, quarta-feira, 10 novembro 2010

O Banco Central informou nesta quarta-feira que está tomando providências para iniciar um processo de "apuração das responsabilidades" pelos problemas encontrados nos registros contábeis do banco Panamericano.

O diretor de fiscalização do Banco Central, Alvir Hoffmann, disse que ainda não é possível afirmar desde quando os erros começaram a aparecer nos balanços e que essa informação também será investigada.

Essas inconsistências somam R$ 2,5 bilhões e acabou resultando em um aporte de mesmo valor na instituição, que tem o empresário Silvio Santos como principal acionista.

O empréstimo será feito pelo Fundo Garantidor de Créditos (FGC), entidade privada que recebe contribuições de instituições financeiras do país com o objetivo de servir como um seguro nos momentos de dificuldade.

O presidente do conselho do FGC, Gabriel Jorge Ferreira, disse nesta quarta-feira que o empréstimo de R$ 2,5 bilhões ao banco Panamericano foi uma solução "pacífica" e "inédita" no sistema bancário do país.

Segundo Ferreira, o banco – que tem como principal acionista o empresário Silvio Santos –estava "plenamente enquadrado" para ser liquidado. "No entanto, encontramos uma solução pacífica", disse.

O empréstimo foi decidido na terça-feira, após o banco ter admitido "inconsistências contábeis" em seus balanços. Toda a diretoria da instituição foi demitida e novos nomes, sugeridos pelo banco, já foram aprovados pelo Banco Central.

Pelas regras estabelecidas pelo FGC, Silvio Santos terá dez anos para quitar todo o aporte, podendo começar a pagar apenas em 2013.

Em contrapartida, o dono do SBT deu como garantia ao empréstimo todo o seu patrimônio, estimado em R$ 2,7 bilhões e que inclui 44 empresas – dentre elas o Panamericano, o SBT e a Liderança Capitalização.

Ferreira elogiou a postura do empresário nas negociações. "Um empresário que se dispõe a fazer um sacrifício pessoal de entregar todo o seu patrimônio para sair de um problema e para evitar um problema para o mercado", disse o presidente do conselho.

IPCA sobe e fecha outubro em 0,75%; acumulado do ano é de 4,38%

Rafael Spuldar | 10:05, terça-feira, 9 novembro 2010

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) – inflação oficial utilizada pelo governo - fechou outubro em 0,75%, em uma alta de 0,3 ponto percentual em relação a setembro, quando ficou em 0,45%.

Segundo o IBGE, no acumulado do ano, o índice está em 4,38%, perto do centro da meta do governo para 2010, que é de 4,5%.

O acumulado do ano também é maior que o registrado no mesmo período de 2009, quando o IPCA ficou em 3,5%, levando-se em conta o período que vai de janeiro a outubro.

Nos últimos 12 meses, o índice foi de 5,2%, também acima dos 4,7% registrados entre setembro deste ano e outubro de 2009.

Os alimentos e as bebidas tiveram a alta mais intensa em outubro, com 1,89% contra 1,08% no mês anterior. Isto representa 0,43 ponto percentual, ou 57% do IPCA do mês.

Goiânia, com 1,13%, foi a região metropolitana com a maior inflação em outubro, enquanto o Rio de Janeiro teve a menor alta de preços pelo IPCA (0,42%).

Governo anuncia sete integrantes para equipe de transição

Rodrigo Durão Coelho | 12:28, segunda-feira, 8 novembro 2010

Os nomes de mais sete integrantes da equipe de transição para o governo da presidente eleita, Dilma Rousseff, foram publicados nesta segunda-feira no Diário Oficial da União por meio de uma portaria assinada pelo ministro-chefe da Casa Civil, Carlos Esteves Lima.

Integram a lista Clara Levin Ant, que atuou como assessora especial da Presidência e trabalhou na campanha de Dilma Rousseff, a jornalista Helena Maria de Freitas Chagas (ex-diretora da Empresa Brasil de Comunicação) e Paulo Leonardo Martins.

Outros nomeados já trabalharam na Casa Civil, como o ex-secretário-executivo adjunto Giles Carrionde Azevedo, Cleonice Maria Campos Dorneles, ex- assessora do gabinete da Casa Civil, a ex-assessora técnica da subchefia de análise e acompanhamento de políticas governamentais, Marly Ponce Branco e o ex-assessor especial Anderson Braga Dorneles.

Criado no fim do governo Fernando Henrique Cardoso, o sistema de transição permite ao presidente eleito se inteirar dos processos e dos principais trabalhos nos ministérios. Para isso, pode formar uma equipe de 50 pessoas, com um orçamento de R$ 2,8 milhões.

A equipe de transição inicia oficialmente seus trabalhos nesta segunda-feira.

Na semana passada, a presidente eleita já havia anunciado que a coordenação política da equipe de transição de governo será conduzida pelo vice-presidente eleito, Michel Temer (PMDB), pelo presidente do PT, José Eduardo Dutra, e pelos deputados federais Antonio Palocci e José Eduardo Cardozo (ambos do PT-SP).

Em discurso, Lula diz que eleição de Dilma é vitória contra o preconceito

Mariana Della Barba | 21:51, sexta-feira, 5 novembro 2010

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez na noite desta sexta-feira um pronunciamento em cadeia nacional, no qual afirmou que eleição de Dilma Rousseff foi uma vitória contra o preconceito no país.

"Tenho consciência do imenso simbolismo desse ato. Ele proclamará ao mundo inteiro que somos um país que aprendeu, a duras penas, que não há preconceito que não possa ser vencido e superado pela tenacidade do povo".

Para o presidente, a eleição da primeira mulher presidente do Brasil mostra que “ninguém é melhor que ninguém”.

“Não importam as diferenças de origem social, sexo, sotaque ou fortuna. Somos todos brasileiros. E todos devem ter oportunidades iguais.”

Lula também elogiou o processo eleitoral no país, que classificou como uma “festa democrática que fez o coroamento de um processo eleitoral que mobilizou o país durante meses” e gerou um “amplo debate nas ruas, escolas, trabalhos, TVs e internet”.

Durante seu discurso de quatro minutos, o presidente afirmou ser necessário “qualificar o debate político” para fazer o país avançar mais rapidamente e pediu que integrantes do governo e da oposição de respeite mutuamente. 

Na opinião de Lula, os escolhidos para governar devem ter a liberdade de escolher suas equipes e os escolhidos para ficar na oposição devem ter a liberdade de criticar o governo.

Em reunião com Lula, Mantega diz que economia pode crescer 8% este ano

Fabricia Peixoto | 16:52, quinta-feira, 4 novembro 2010

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, voltou a ampliar suas estimativas sobre o crescimento da economia brasileira este ano.

Durante uma apresentação feita a ministros e ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva, nesta quinta-feira, o ministro falou que o Produto Interno Bruto do país deve crescer de 7,5% a 8% em 2010.

No mês passado, Mantega falou em uma expansão de até 7,5% a uma plateia de investidores estrangeiros. Em setembro, a projeção era de um crescimento de 7%.

A decisão do Fed (Federal Reserve, o banco central americano) de ampliar o volume de dólares em circulação também foi duramente criticada pelo ministro brasileiro durante a reunião.

Segundo ele, não adianta os Estados Unidos jogarem dólares “pelo helicóptero”, pois medidas como essa não farão “brotar” o crescimento econômico no país.

"Esse é um problema que pode se agravar se os Estados Unidos persistirem nessa política. Vamos insistir para que os EUA modifiquem essa política e tenham outras alternativas", disse o ministro, que na próxima semana participa da reunião do G20, em Seul.

A emissão de moeda nos Estados Unidos tende a desvalorizar o dólar frente a outras moedas, prejudicando as exportações em outros países, como o Brasil.

Brasil tem 185,7 milhões de habitantes, segundo dados do Censo

Rafael Spuldar | 10:15, quinta-feira, 4 novembro 2010

A população brasileira, até 31 de outubro deste ano, era de 185.712.713 pessoas, segundo dados preliminares do Censo 2010 publicados no Diário Oficial da União desta quinta-feira.

O número representa um crescimento de 9,5% em relação ao Censo de 2000, que registrou 169.590.693 de pessoas no país.

O Estado mais populoso do país é São Paulo, com 39.924.091 de habitantes até agosto. Em segundo fica Minas Gerais (19.159.260), com o Rio de Janeiro em terceiro (15.180.636).

A capital paulista é a cidade com o maior número de moradores: 10.659.386, segundo os dados preliminares.

Roraima, com 425.398 pessoas até 1º de agosto, é o Estado com menor número de habitantes.

Os trabalhos do Censo 2010 foram realizados até 31 de outubro. Mais de 67 milhões de domicílios foram visitados pelos recenseadores do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Dilma diz que seu governo reduzirá impostos

Joao Fellet | 22:58, terça-feira, 2 novembro 2010

Dois dias após ter sido eleita presidente da República, Dilma Rousseff (PT) disse nesta terça-feira que se empenhará para reduzir os impostos no seu governo.

“Uma diminuição que permita melhoria nas condições de produtividade, assim como redução de impostos sobre medicamento, saneamento e energia elétrica”, afirmou Dilma em entrevista ao Jornal do SBT.

A presidente eleita disse que não pretende retomar a cobrança do CPMF, tributo que se destinava ao custeio da saúde, previdência e combate à pobreza.

Ela ainda reafirmou seu interesse em criar um Ministério das Micro e Pequenas Empresas e disse querer ampliar o escopo do Sistema Simples, que facilita o pagamento de impostos por pequenos empresários.

SUS

Dilma afirmou que trabalharia para ampliar a rede do SUS, criando unidades para atender emergências e policlínicas para consultas com especialistas.

“Temos hoje uma situação bastante desequilibrada, com os hospitais numa ponta e as Unidades Básicas de Saúde na outra. Todos se dirigem aos hospitais, e há congestionamento, falta de leitos.”

Antes, em entrevista ao Jornal da Band, ela repetiu que decidiria quem ocuparia os altos cargos do governo com base nas capacidades técnicas e políticas dos postulantes.

A presidente eleita também voltou a se opor ao controle da imprensa, mas defendeu a criação de um marco regulatório para o setor.

“Vamos ter que regular de alguma forma a interação entre as mídias. O problema do cabo, do sinal aberto, como junta isso com internet... Isso o Brasil vai ter que regular minimamente.”

Após eleição, dólar e bolsa sobem; analista descarta 'efeito Dilma'

Rafael Spuldar | 19:06, segunda-feira, 1 novembro 2010

Um dia depois da eleição de Dilma Rousseff (PT) para a Presidência, o dólar comercial teve alta de 0,29%, sendo vendido a R$ 1,708. Já a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) subiu 1,26%, chegando a 71.560,93 pontos.

Segundo o economista Juan Jensen, sócio da consultoria Tendências, os resultados não são um reflexo da vitória petista na disputa presidencial.

Ele diz, no entanto, que o mercado poderá repercutir, nos próximos dias, as especulações sobre nomes de integrantes da equipe econômica do próximo governo.

"(O mercado) poderá ter maior volatilidade, tanto pra cima, se tivermos nomes que o mercado deseja, quanto para baixo, se tivermos nomes não muito positivos, até mesmo com desvalorização do câmbio", diz Jensen.

Na opinião do economista, o primeiro discurso de Dilma como presidente eleita foi "responsável e ponderado", dando a entender que o desempenho da política econômica seguirá o caminho do governo de Luiz Inácio Lula da Silva.

Entretanto, Jensen vê uma dúvida quanto à política fiscal na gestão de Dilma, tendo em vista a piora nas contas públicas nos dois últimos anos do governo Lula.

"O anúncio da equipe econômica pode dar uma pista nesse sentido, mas, por enquanto, só temos discurso e nada efetivo na agenda."

CNBB saúda Dilma e pede cumprimento de promessas

Rafael Spuldar | 14:42, segunda-feira, 1 novembro 2010

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) emitiu nesta segunda-feira um comunicado saudando os vitoriosos nas eleições - com menção especial à presidente eleita, Dilma Rousseff (PT) - e pedindo "fidelidade no cumprimento das promessas apresentadas durante a campanha".

"Passadas as eleições, o compromisso de todos é unir os esforços na construção de um Brasil com paz, justiça social e vida plena para todos", diz o comunicado.

"Cabe, agora, a todos nós, brasileiros e brasileiras, a irrenunciável tarefa de acompanhar os eleitos no exercício de seu mandato, a fim de que não se percam nos caminhos do poder de que foram revestidos", afirma a CNBB.

A nota é assinada pelo presidente da CNBB e arcebispo de Mariana, Dom Geraldo Lyrio Rocha, pelo vice-presidente e arcebispo de Manaus, Dom Luiz Soares Vieira, e pelo secretário-geral e bispo auxiliar do Rio de Janeiro, Dom Dimas Lara Barbosa.

Durante a campanha, um panfleto assinado por bispos da Regional Sul 1 da CNBB - que representa as dioceses do Estado de São Paulo - relacionava Dilma à defesa da descriminalização do aborto, um dos temas mais debatidos durante a eleição.

O documento pedia que os eleitores votassem em políticos contrários a essa proposta. Posteriormente, os bispos que assinavam o panfleto divulgaram nota negando que estivessem indicando ou vetando candidatos.

Em meio à polêmica, Dilma chegou a divulgar um comunicado onde se declarava “pessoalmente contra o aborto” e se comprometia a não propor “alterações de pontos que tratem da legislação do aborto e de outros temas concernentes à família”.

Acre vota em referendo pela volta ao fuso horário original

Rafael Spuldar | 01:11, segunda-feira, 1 novembro 2010

Além de eleger o novo presidente da República, os eleitores do Acre optaram neste domingo, em um referendo, por voltar ao antigo fuso horário do Estado, com duas horas a menos do que o horário oficial de Brasília.

Com quase todas as urnas apuradas, 56,7% dos acrianos escolheram pelo retorno ao horário antigo, enquanto 43,3% optaram por manter a diferença de apenas uma hora em relação à capital federal, que está em vigor desde 2008.

Caso o resultado se confirme, o Brasil terá três fusos horários diferentes. Defensores da volta ao horário original afirmam que, devido ao ajuste com Brasília, a maior parte da população local é obrigada a começar o dia antes mesmo do sol nascer.

O Tribunal Regional Eleitoral do Acre (TRE-AC) irá encaminhar o resultado do referendo ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Para entrar em vigor, a proposta terá de passar pela aprovação do Congresso Nacional.

Abstenção iguala a de 1998 e é a maior desde redemocratização

Rafael Spuldar | 00:33, segunda-feira, 1 novembro 2010

A abstenção no segundo turno da eleição de 2010 foi de 29.194.309 eleitores, ou 21,5% do total, segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Este índice iguala o do pleito de 1998 e é o maior já registrado em disputas presidenciais desde a redemocratização.

O cientista político Ricardo Ismael, professor da PUC-Rio, afirma que a ausência de eleitores pode ser explicada, em parte, pelo fato de não haver disputa para cargos no Congresso e nas assembleias legislativas.

"Existe uma desmobilização. Você não tem aquela agitação nas ruas, com cabos eleitorais de candidatos a deputado e senador", diz.

Outro fator citado por Ismael é o Dia de Finados, na próxima terça-feira (2), que fez com que muitas pessoas optassem por viajar, fazendo um feriado prolongado. "As imagens de televisão mostraram filas maiores pra justificar do que para votar", afirma.

Segundo o cientista político Rubens Figueiredo, a abstenção nos grandes centros urbanos tendia a prejudicar o candidato do PSDB, José Serra. "A classe média, que vota mais no Serra, iria viajar para o litoral."

Já a ausência no Nordeste, causada pela dificuldade de transporte dos eleitores mais pobres, afetaria, de acordo com Figueiredo, a votação de Dilma Rousseff (PT), que acabou eleita.

No entanto, os dois cientistas concordam ao afirmar que a abstenção não foi um fato decisivo no resultado da eleição. “Se a diferença entre os candidatos fosse mais apertada, aí teríamos que ficar mais atentos”, diz Ismael.

Mais conteúdo deste blog...

Post deste blog de acordo com o tema

Categorias

Estes são alguns dos temas mais populares cobertos por este blog.

    BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

    Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.