« Anterior | Principal | Próximo »

A retirada americana

Rogério Simões | 2010-08-19, 18:57

tropaseuablog.jpgLivros de história talvez apontem o dia 19 de agosto de 2010 como o fim da guerra no Iraque. Ou, pelo menos, de uma delas. A retirada das últimas tropas de combate dos Estados Unidos de território iraquiano põe um ponto final no engajamento de Washington em confrontos armados no país, mas isso é apenas parte da história.

A guerra iniciada em 2003 foi vencida rapidamente, com Bagdá sendo tomada após menos de um mês. Pode-se dizer que em seguida veio um segundo conflito, que misturou insurgência e disputas étnicas. Durou bem mais do que a primeira, um total de sete anos. Os Estados Unidos agora encerram seu envolvimento em combates no país, mas o Iraque segue marcado por atentados suicidas da Al-Qaeda e uma paralisia política. Apenas dois dias antes da retirada final, militantes promoveram mais uma carnificina na capital, com um atentado que deixou 51 mortos. Um alto comandante do Exército do Iraque diz que o país não está preparado para a retirada total das tropas americanas, prevista para o ano que vem (até lá 50 mil soldados continuarão dando treinamento e protegendo interesses dos EUA). O governo americano ensaia dizer que a missão está encerrada, após avanços na redução da violência. Mas não ousa declarar missão cumprida. Para os iraquianos, a paz ainda é um sonho distante.

Os Estados Unidos estão deixando o conflito por vários motivos, entre eles porque sabem que não têm como promover mais avanços significativos. Após gastar quase US$ 1 trilhão ao longo de sete anos, Washington entrega uma nação que ainda não conseguiu formar um governo, cinco meses após as últimas eleições. Atentados suicidas são uma constante, e o Iraque corre o risco de se tornar palco de uma grande disputa por influência, envolvendo o Irã, o fanatismo da Al-Qaeda, grupos iraquianos sunitas e os curdos, que controlam o norte do país. O Iraque está muito longe de ser uma moderna e pacífica democracia, mas a superpotência não se considera capaz de fazer muito mais a respeito.

A retirada das tropas americanas diz muito mais sobre o futuro papel dos Estados Unidos no mundo. Quando podia gastar, o país jogou centenas de bilhões de dólares no Iraque e outas centenas de bilhões no Afeganistão, outra guerra em que enfrenta dificuldades sérias. Mas, após a crise financeira, que quase virou depressão, os americanos mal conseguem manter a recuperação da sua economia. Sua estrutura militar não terá mais recursos, pelo contrário, sofrerá cortes. Se quisessem invadir o Irã para conter o programa nuclear persa, haveria muitas dúvidas sobre suas chances de sucesso. O momento, ao que tudo indica, não é de imperialismo ou interferência militar de Washington em nações mundo afora. É de recuo.

O secretário da Defesa, Robert Gates, promete o início da saída das tropas americanas do Afeganistão para 2011. No Oriente Médio, atores locais, como Irã e Turquia, têm cada vez mais prestígio e influência. A América Latina hoje é muito mais do Brasil e das nações ibéricas do que dos Estados Unidos. Na África, China, Brasil, Índia ganham cada vez mais espaço. No Extremo Oriente a influência americana ainda é grande, com a Coreia do Sul ciente de que precisa de suas tropas para conter a retórica bélica dos comunistas do norte. Mas, na Europa, os Estados Unidos perderam espaço para os russos, que se beneficiam da sua importante posição de exportador de energia. Barack Obama gosta do mundo exterior, onde é admirado por suas ideias e por sua postura multilateral e diplomática. Mas o presidente sabe que o momento é de cuidar das mazelas internas, como a alta taxa de desemprego, os danos ambientais causados pelo vazamento da BP ou a violência na fronteira com o México. A retirada americana vai muito além do Iraque.

ComentáriosDeixe seu comentário

  • 1. às 01:45 PM em 20 ago 2010, Cancio escreveu:

    Tem que se retirar do mundo inteiro, das bases...

    http://charges24horas.blogspot.com/

  • 2. às 02:41 PM em 20 ago 2010, Hadriel escreveu:

    Não é correto legar aos EUA o papel de resolver a questão da violência no México. É problema mexicano. Quanto à influência do Brasil em algumas partes do mundo, inclusive na África é farsa e mentira. O Brasil só tem influência externa com países nanicos, insignificantes. O velho TIO SAM ainda tem muito carvão pra queimar.

  • 3. às 04:57 PM em 29 ago 2010, Alexandre escreveu:

    Aos poucos a política do antigo Big Stick americano vai caindo por terra, as influências que os norte-americanos exerciam sobre diversas partes do mundo se esvaem. Com a retirada das tropas do Oriente Médio cresce a esperança de paz, embora a violência seja tendência nesta região.

  • 4. às 03:18 PM em 07 set 2010, DLP escreveu:

    Concordo com Hadriel.
    E tbm me pergunto, um recuo total dos EUA será tão benefico para o mundo?
    Se jogar as regras deles era ruim, será q jogar as regras da China, Rússia, India ou Brasil (!) será melhor?

  • 5. às 03:23 PM em 17 set 2010, o fantasma escreveu:

    Mas alguém acredita nos americanos(diga-se giverno)? Fazem-se amigos enquanto têm interesse....Depois é o que se tem visto.

  • 6. às 01:04 AM em 12 out 2010, zelito escreveu:

    Este Mundo está cheio de idio...que ainda acreditam nos americanos...isso é até normal já que a grande maioria são analfabetos ..Digo analfabetos de conhecimentos históricos.Me parece que as pessoa não acompanham o que acontece no Mundo...Não sabem o que os USA fazem pelo mundo afora...Basta ler os noticiários...pelo menos os escritos em português. O ideal é saber o que dizem os jornais fora do Brasil..( Le Monde,The N.Y Times,The Financial..,e outros jornais da Espanha por ex que é fácil de traduzir )....Mas o povo quer é praia,futebal e carnaval....Não entendem nada do que acontece no exterior...E vem falar dos bonzinhos americanos...vão se esclarecer....

  • 7. às 06:47 PM em 19 out 2010, Klaus Balogh escreveu:

    Acredito que é o ambiente interno dos EUA que está influenciando com maior veemência na política externa norte-americana. O desgaste das duas frentes é maior que seus benefícios. Se o contrário fosse, tenham certeza de que as tropas não seriam retiradas. O ocntexto tem que ser nalisado com critério e imparcialidade. Os EUA estão deixando de ser o Dragão da Maldade preconizado por intelectuais de esquerda que vivem no conforto de seus sofás.

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.