« Anterior | Principal | Próximo »

A pressão funcionou?

Rogério Simões | 2010-03-19, 10:53

Aparentemente, a pressão do governo Obama sobre o governo israelense funcionou. O premiê Binyamin Netanyahu ligou para a secretária de Estado americana, Hillary Clinton, anunciando medidas para gerar confiança nas relações com os palestinos. Basicamente, Israel estaria prometendo ações para aliviar as duras condições de vida na Cisjordânia. A construção de assentamentos em Jerusalém Oriental também poderia ser suspensa. Resta saber se haverá novos incidentes antes da assinatura de algum novo acordo com os palestinos. A história sugere que não serão poucos.

ComentáriosDeixe seu comentário

  • 1. às 08:02 PM em 19 mar 2010, Ycormau Grebkol escreveu:

    Esse "Teatro" já é conhecido. No final vai acabar tudo em pizza, como sempre, nao vai sair da encenacao. O filme e os atores já sao velhoes conhecidos e nunca fizeram sucesso. Nao será agora que irá ser diferente. Israel vai continuar fazendo o que acha que deve fazer.

  • 2. às 02:22 PM em 22 mar 2010, Mario Zavarese escreveu:

    Israel só vai permitir a criação de um verdadeiro estado palestino, se obtiver perdas significativas com sua oposição.
    O partido Shas é intolerante.

  • 3. às 08:55 PM em 22 mar 2010, Herberti escreveu:

    Melhorar condições de vida dos palestinos? Isto só pode ser piada. Para que então os palestinos ganharam um governo? Eles estão na miséria porque a "Autoridade Palestina" é composta de um bando de criminosos, que usam o povo como vitrine para a mídia mundial. Recentemente assisti a um documentário onde um reporter descobriu que os foguetes que são lançados constantemente contra cidades israelenses são fabricados à partir de canos metálicos para redes de esgoto, doados pela comunidade europeia. Existe negociação entre dois países democráticos. Mas entre uma democracia e uma ditadura não existe negociação, apenas rendição, de uma ou outra parte. No caso, os Estados Unidos se renderam à farsa palestina.

  • 4. às 12:06 AM em 23 mar 2010, ronan wittee escreveu:

    A sinalização de Obama,nova,diga-se de passagem e,muito embora, acompanhada de chavões protocolares,como relações firmes feito rocha,etc...,indicam que Washington,pode estar se cansando da insistente burla,por Israel,das leis internacionais,no que tange às construções nas áreas ocupadas.
    Também,à luz da comunidade internacional,as posições de Israel,começam a desmascarar,de que alguma vez Tel-Aviv tenha realmente desejado a paz na região.
    Ora,se quiser-se a paz,antes de tudo,há que preparar-se para suportá-la.Lembrando sempre,que diálogo,não se faz com o pé no pescoço do interlocutor.

  • 5. às 04:21 PM em 23 mar 2010, Bel.A escreveu:

    Herbetti
    Não é a autoridade palestina que impede que produtos como alimentos e materiais de construção entrem na Palestina, estimulando o desemprego e o contrabando e fortalecendo o Hamas.
    Os homens do Hamas não são bonzinhos, são bandidos mesmo, mas isso NÃO dá à Israel o direito de matar civis inocentes. Nada justifica a morte de mulheres, crianças, velhos e pais de família. NADA!

    Quanto à Israel, vai "continuar fazendo o que acha que deve fazer" enquanto tiver a Yanquelândia para se proteger. No entanto, os EUA estão em crise e, cada vez mais, tendo que engolir o crescimento de outros países, como o Brasil, que já estão fartos dessa história. Por quanto tempo os EUA (e Grã-Bretanha) conseguiram ficar indo contra todos em um mundo cada vez mais multipolar?

  • 6. às 09:11 PM em 13 abr 2010, marcus lopes escreveu:

    já estamos cansados do terrorismo israelense contra os palestinos.não devemos esquecer como foi implantado o estado judeu no oriente médio;e também não entendo o silêncio dos cinco grandes do conselho de segurança quando o assunto é o programa nuclear judeu ,que jamais foi inspecionado pela aiea.por quê?

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.