« Anterior | Principal | Próximo »

Jornalismo multimídia

Categorias dos posts:

Rogério Simões | 2007-10-26, 18:10

bbcredacao.jpg
Dias atrás, a BBC anunciou mudanças radicais na sua estrutura aqui na Grã-Bretanha. As medidas, que não atingem diretamente a BBC Brasil (somos do setor internacioinal da empresa), visam uma BBC mais enxuta, com cerca de 1.800 funcionários a menos (a BBC tem cerca de 23 mil). Os sindicatos já estão conversando com o comando da BBC para tentar chegar a um acordo sobre o impacto no corpo de funcionários, mas, para o jornalismo em geral, o projeto anunciado tem implicações que vão muito além das disputas trabalhistas.

Com as mudanças, a BBC pretende abraçar de vez o conceito de produção multimídia, especialmente em seu jornalismo. Como já fizeram outros veículos, como o The Daily Telegraph, aqui na Grã-Bretanha, a BBC colocará jornalistas de várias mídias (no nosso caso, TV, rádio e internet) em uma redação totalmente integrada. Criará também um núcleo de jornalismo internacional, uma estrutura que deverá aproximar o canal BBC World, exibido no Brasil, e o Serviço Mundial, ao qual pertence a BBC Brasil, do jornalismo britânico da BBC. Diferentes mídias compartilharão o mesmo espaço, colaborando muito mais uma com a outra, colocando em prática o que parece ser mesmo o modelo jornalístico do futuro.

Aqui na BBC Brasil nós já trabalhamos de forma semelhante, já que nossas redações, tanto em Londres como em São Paulo, além dos correspondentes no Cairo e em Washington, trabalham em internet, vídeo e rádio. A melhor forma, hoje, de medirmos a nossa audiência é por meio dos números de acesso às nossas páginas, portanto a produção em internet, propriamente dita, é a espinha dorsal do nosso trabalho diário. Mas o princípio que abraçamos anos atrás, e que toda a BBC agora assume de vez como sua política para o futuro, é que não importa como o público consome o conteúdo que produzimos. O importante é atingi-lo, e cabe às empresas jornalísticas chegar aos seus consumidores da maneira que traga os melhores resultados para ambos os lados.

Nesta sexta-feira, o britânico The Guardian, que em papel é apenas o terceiro em circulação no país, abaixo das 400 mil cópias diárias, trouxe, orgulhoso, na sua capa os últimos números de tráfego nos sites de jornais do país. O Guardian lidera com 16,7 milhões de leitores mensais, contra 12,5 milhões do The Times and 10,6 milhões do Telegraph. O jornal em papel nunca conseguiria atingir tamanho número de leitores. Na sua edição impressa, o Guardian cada vez mais promove o seu site, numa indicação de que o jornal propriamente dito, aquele que colocamos embaixo do braço, está cada vez mais se tornando apenas uma parte de uma operação muito maior.

A BBC não é um jornal, é muito maior do que qualquer um deles. Exatamente por isso tem um desafio ainda mais difícil pela frente: adaptar-se ao mundo multimídia sem perder a liderança e a respeitabilidade de que há muito desfruta, pela qualidade de sua dramaturgia, seus documentários, suas transmissões esportivas e, especialmente, seu jornalismo. A reestruturação anunciada dias atrás nos coloca ainda mais perto de uma nova realidade que nem conseguimos vislumbrar precisamente, mas que, sabemos, está à nossa espera. A cada dia que passa, fica mais difícil prever como será o mundo jornalístico daqui a cinco anos. Para muitos, isso é assustador. Eu acho fascinante.

ComentáriosDeixe seu comentário

  • 1. às 09:55 PM em 26 out 2007, Simone Rigotti escreveu:

    Rogério, gosto muito do seus textos e admiro a BBC por sua capacidade de se reinventar e atualizar constantemente. Infelizmente nem todos os meios de comunicação aqui no Brasil são assim. Imagino que essa "fusão" e maior integração dos departamentos irá trazer um ganho enorme á empresa e aos leitores/ouvintes/telespectadores.
    SIMONE RIGOTTI
    JORNALISTA

  • 2. às 03:09 PM em 27 out 2007, Alessandro Cavalcante escreveu:

    A BBC além de um jornal é uma marca que está associada a jornalismo íntegro, de qualidade e diretamente associada ao Reino Unido. Está em jogo esta marca com todas essas mudanças tecnologicas acontecendo num mundo cada vez mais global e sedento de informação. Estamos caminhando para a era da sabedoria, eu não dúvido disso, como diz Stephen Covey autor de OS 7 HABITOS DAS PESSOAS ALTAMENTE EFICAZES e O 8° HÁBITO. Então quem tiver informação e conhecimento terá sabedoria. Precisamos de informação de uma forma rápida e segura, de fonte segura de uma forma sucinta e objetiva e o nome BBC tem esse sinonimo. Só espero que essas transformações não causem um "downsizing" que cause desemprego. Acho que deve haver um plano para seus funcionários nesse sentido. Se houver isto está ao menos bom para seus profissionais que se dedicam a esta instituição. Um grande abraço a todos.

  • 3. às 04:48 PM em 27 out 2007, joão áquila escreveu:

    Olá! sou estudante de jornalismo, e pelo que percebi o jornalista do futura´terá que ser um multimídia.

    E acho isso, também, fascinante.

  • 4. às 11:45 PM em 28 out 2007, Cris Ambrosio escreveu:

    Olá, Rogério

    Bom, eu acho isso assustador. Se tudo der certo, vou ingressar no mundo jornalístico daqui uns seis, cinco anos, e pensar que ele ainda estará mudando ou se adaptando às mudanças é no mínimo intimidador.

  • 5. às 01:38 PM em 29 out 2007, robson centurião escreveu:

    Assim como outras empresas,o nome BBC está associado a informações fidedignas.Achei interessante o teu texto e, concordo com muito do que dizes,mas gostaria que te colocasse no lugar dos futuros profissionais do jornalismo e, dos milhares que perderão seus empregos. Partindo desta colocação, te desafio a fazer um texto estando nesta situação. Um abraço.

  • 6. às 11:38 PM em 29 out 2007, Gildcley Mendes escreveu:

    Pelo que eu li nos comentários percebo, que como eu, existem vários futuros jornalistas que também participam deste blog. Realmente o que nos espera pela frente é assustador - e isso é muito bom! - tenho plena consciência que já está ultrapassada a idéia do profissional de ráido, do profissional de tv ou do jornalista de um jornal impresso. O advento da internet que integrou tudo isso em um só lugar fez também que os jornalistas tornassem a ser multimídias, não há mais como fugir disso. Todos nós, futuros e já jornalistas, temos que saber que isso não é o futuro e sim a realidade que já esta na nossa porta.

  • 7. às 11:20 AM em 30 out 2007, Julio Gerardo Moreyra escreveu:

    Eu não sou jornalista, não sou brasileiro, nem minha língua mãe é o português e caminho pelas estradas da vida há mais de cinqüenta anos.
    Mais acho gratificante este espaço por sintonizar com suas propostas..
    Também posso dizer que no Brasil existe uma linha de pensamento que impulsa o pais a lugar privilegiado no mundo.
    Ao qual eu dou uma importância maior que o bem estar econômico.
    Não quis dizer no jornalismo brasileiro devido a que ele só existe com leitores.
    Uma coisa mais.
    Mudança é oportunidade.


    Não tenha medo amigo
    Não tenha medo
    É
    Como falou o poeta Vinicius
    "São demais os perigos dessa vida"
    Mas o sangue borbulha nas veias
    E eu tenho que andar na rua
    Gosto de enfrentar o mundo cara-a-cara
    Olhar as pessoas no olho
    Tenho que estar nos botequins, nas favelas
    Nos palcos, nas platéias
    Nos campos, nas cidades, nos sertões
    Aqui e acolá, como gente
    Pés no chão, no meio do povo
    Cautelosamente sem cautela
    Receiosamente sem receio
    Distraidamente distraído
    Mas sem medo

    Não tenha medo meu amigo, não tenha medo
    Porque o medo é o seu maior inimigo

    Admiro medrosos sem medo
    Detesto valentes
    De heróis desconfio
    Do mundo eu não tenho medo
    Mas viver a vida é um desafio
    Não tenha medo
    Não tenha medo amigo

    É amigo
    A vida é um segmento de reta sinuoso
    Um vai e vem
    Todo mundo tem que ser viandante
    Pois "barco parado não faz frete"
    - Tá lá nos caminhões
    Fé em Deus e pé na tábua
    Seguindo o destino
    Moldando o destino, transando com ele
    Sem medo do que você tem e do que você pode ter
    Do que você é e do que você será
    Vá em frente amigo
    Amando a mulher amada
    Dando amor a muitas mulheres
    Caminhando em busca do infinito
    Sem mitos, sem metas
    Sem medo
    Não tenha medo
    Porque o medo é o seu maior inimigo

    Não tenha medo de ficar doente
    De ser impotente
    Ou de levar um chifre
    Confie no amor da amante
    E na honestidade da mulher de casa
    Não é mais tempo do duelo nobre
    Ou de lavar a honra com florete ou sabre
    Não tenha medo do clamor divino
    E nem do capeta e seu inferno em brasa

    Não posso entender que está musica de Martinho esteja quase desaparecida.
    Ela me confortou em momentos difíceis

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.