« Anterior | Principal | Próximo »

O dia em que 007 saiu perdendo

Camilla Costa | 2012-07-05, 18:42

A abertura só para convidados de uma grande exposição sobre o design e os figurinos de todos os filmes de James Bond - que, segundo rumores, contou até com a presença de Sean Connery - chamava a atenção logo na entrada do Barbican Centre, um dos maiores centros de artes da Europa.

O Barbican tem espaço para exposições, cinemas, um teatro e também abriga a Orquestra Sinfônica de Londres e a Orquestra Sinfônica da BBC. Mas ontem, ele abrigou também Gilberto Gil, que apresentou um show de cerca de uma hora e meia - o segundo que faz na cidade, já que também tocou no festival Back2Black, no fim de semana.

Em inglês, Gil agradeceu entre as músicas, contou histórias do tempo em que foi preso pela ditadura militar e falou sobre como instrumentos de corda (seu violão, a guitarra do filho Bem, o violino de Nicolas Krassik e o violoncelo de Jaques Morelembaum, que o acompanhavam), instumentos de percussão e computadores se unem para fazer música.

A Orquestra Sinfônica de Londres, conduzida por um entusiasmado Francois-Xavier Roth - que até ensaiou passos de dança durante o show - acompanhou a banda de Gil desde Dorival Caymmi ("Saudade da Bahia", que emocionou especialmente esta que vos escreve) até Jimi Hendrix ("Up from the skies").

E a plateia, cheia de brasileiros auto-exilados em Londres - um pouco, mas só um pouco, como o próprio Gil em 1969 -, cantou entusiasmada até o fim e saiu sorridente do Barbican.

Não teve pra ninguém, nem pra Sean Connery.

Mais conteúdo deste blog...

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.