« Anterior | Principal | Próximo »

De olho na música

Categorias dos posts:

Rodrigo Durão Coelho | 2009-06-17, 12:37

Como se não bastassem os problemas em campo e os estádios semi-vazios (ou meio cheios, dependendo do ponto de vista), a Copa das Confederações conseguiu despertar outro tipo de revolta nos sul-africanos, a abreviação do hino nacional.

"Foi um tapa na cara de nossa pluraridade cultural" disse o presidente da Afrikanerbond, influente organização de defesa da cultura Africaner, um dos diferentes grupos étnicos que compõem o país.

Tudo porque no jogo da estreia, domingo, foi tocada uma versão de 90 segundos do hino nacional, o que está de acordo com o protocolo da Fifa.

A letra é cantanda em cinco línguas, xhosa, zulu, sesotho, africâner e inglês, sendo que as partes referentes aos dois últimos idiomas foram cortadas.

Mesmo a Federação de Futebol Sul-Africana (em inglês, Safa) se diz preplexa com o ocorrido.

Morio Sanyane, porta-voz da organização, disse que antes da partida a entidade enviou uma versão integral da música.

"Não sei explicar o que aconteceu na hora", disse ele ao jornal local The Citzen.

O assunto vem gerando acalorados debates radiofônicos e muitos sul-africanos vêm se sentindo humilhados com o que dizem ser um desrespeito.

Tanto a Safa como muita gente na África do Sul vão estar atentos nesta quarta-feira, antes do jogo com a Nova Zelândia, para ver se os quase 4 minutos de música vão ser respeitados.

ComentáriosDeixe seu comentário

  • 1. às 05:42 AM em 18 jun 2009, marcelo escreveu:

    também acho q deveriam tocar o hino completo, mas só tocam o inicio. 4 minutos é muito tempo, e o fato de ser dividido em varios idiomas pode causar problemas em um pais q sofreu muito com a segregação racial.

  • 2. às 04:14 PM em 18 jun 2009, haroldo escreveu:

    Sexo dos Anjos!

    Um técnico que controla o som e ganha pouco não tem (teria) obrigação de saber sobre os detalhes étnos de um hino que tem dezenas de dialetos!

    É o preço da redução de custos do mundo capitalista, talvez os líderes tribais que reclamam, devem ser lembrados dos aspectos do capitalismo...

  • 3. às 04:28 PM em 18 jun 2009, Wagner escreveu:

    Issa sempre foi o padrão da FIFA e creio que os organizadores estavam cientes disso. Não sei o motivo do espanto, se não sabiam que era assim, demonstrou desorganização ou mesmo despreparo em relação a praxe da FiFA.

Mais conteúdo deste blog...

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.