« Anterior | Principal | Próximo »

A frustração nas ruas

Rogério Simões | 2010-11-10, 15:12

estudantesblog.jpgNão é raro que crises levem a manifestações violentas de frustração coletiva. Algumas levam até mesmo a guerras, civis ou entre países. Mas na maioria dos casos a insatisfação ganha corpo nas ruas, de forma precariamente organizada, mostrando aos líderes políticos que algo não anda bem no estado da nação. Depois de meses de anúncios de cortes de gastos públicos e benefícios, aumento de impostos e alertas de que a vida na Grã-Bretanha ainda ficará pior antes de melhorar, as ruas de Londres viram sua primeira grande demonstração de ira. Dezenas de milhares de estudantes marcharam nesta quarta-feira pelo centro da capital britânica e, diante da sede do Partido Conservador, o maior da coalizão governista, muitos enfrentaram a polícia, lançaram objetos, quebraram janelas, invadiram o prédio. "It turned nasty", como dizem os ingleses.

Os estudantes protestavam contra o aumento de até 200% nas taxas cobradas de universitários para financiar seus próprios estudos, pagas depois que eles se formarem e conseguirem um emprego de remuneração razoável. Um dos partidos que compõem o governo, o Liberal-Democrata, havia se comprometido durante a campanha eleitoral a não mexer nessas taxas, o que só fez aumentar a revolta estudantil. A economia britânica já vinha sendo marcada por greves esporádicas, de refinarias ao metrô londrino, passando até pela BBC. Mas foi a primeira vez que a raiva acumulada diante das difíceis perspectivas para o cidadão transformou-se em um grande protesto violento.

Parece uma tendência difícil de combater e sobre a qual eu já falava neste blog no começo do ano passado. No último ano, a França foi palco de greves gerais e inúmeras manifestações que, apesar de impressionantes, não conseguiram evitar a aprovação do aumento da idade mínima para aposentadoria. Na Grécia, paralisações em protesto contra drásticos cortes nos gastos públicos também opuseram cidadãos e policiais de forma violenta. Um pacote de reformas trabalhistas fez a Espanha parar recentemente, enquanto milhares de manifestantes já tomaram as ruas na Bélgica, Itália e Irlanda.

O clima no chamado Primeiro Mundo é bem diferente do encontrado no Brasil, onde, apesar dos desafios à frente, a economia segue crescendo, e a população parece satisfeita com o estado geral das coisas. Passados mais de dois anos do estouro da maior crise econômica desde a Segunda Guerra, o clima nos países desenvolvidos é de preocupação, com Estados cortando investimentos e benefícios e/ou aumentando impostos. O protesto dos estudantes britânicos aconteceu no mesmo dia em que o presidente do Banco da Inglaterra, Mervyn King, disse que as perspectivas para a economia continuam incertas, com o retorno do crescimento ainda vulnerável ao cenário externo e taxas de inflação acima das metas, como tem sido há dois anos. Os salários, para quem tem emprego, em geral mantêm-se congelados ou reajustados abaixo da inflação. Basicamente, a vida do cidadão segue difícil, com poucas perspectivas de melhoras. Antes, era preciso observar dados de tabelas e gráficos para perceber o tamanho do problema. Agora é só olhar para as ruas.

ComentáriosDeixe seu comentário

  • 1. às 05:05 PM em 10 nov 2010, Marcelo Luiz Onhate escreveu:

    Será os "os mundos" estão se invertendo?

  • 2. às 01:19 PM em 11 nov 2010, Guilherme escreveu:

    Eu sou brasileiro e não estou nem um pouco satisfeito com a carga tributária.

  • 3. às 12:51 PM em 15 nov 2010, patricia kenney escreveu:

    Os povos da Europa e Estados Unidos estavam acostumados com níveis de consumo e privilégios muito acima do que provavelmente o Estado e a economia mundial podem suportar. Perder esse "status" não é fácil, mesmo. Mas, é justo que o produtos do mundo sejam tão baratos para os países desenvolvidos?

  • 4. às 03:32 PM em 21 nov 2010, Guilherme Camargo escreveu:

    Aqui no Brasil a situação tbm não é lá essas coisas... a educação das escolas está péssima, a saúde pública está um caos, violência que não tem fim, infra-estrutura precária e corruptos no poder. A diferença é que achamos isso normal e não saímos as ruas para reinvindicar nossos direitos... vamos protestar como os europeus fazem!!

  • 5. às 09:34 AM em 12 dez 2010, Leonardo Garrido escreveu:

    Realmente, as coisas não estão boas também no Brasil! Como outros já mencionaram acima, a nossa educação é péssima e a saúde também!
    Gostaria que o meu povo fosse menos feliz e satisfeito e reclamasse também!
    Estou completamente solidário com os estudantes ingleses e se eu fosse inglês também lutaria para por fim na Monarquia!

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.