« Anterior | Principal | Próximo »

A natureza desafia a humanidade

Categorias dos posts:

Rogério Simões | 2010-04-21, 15:00

ashesblog.jpgUm vulcão de nome esquisito, na remota Islândia, fez o que nem os atentados e ameaças de Osama Bin Laden haviam conseguido: interrompeu por quase uma semana o tráfego aéreo em praticamente toda a Europa. Ciente do tamanho do estrago causado pela erupção do agora famoso Eyjafjallajokull, já que escrevo este texto de São Paulo em vez de Londres, para onde eu deveria ter retornado no último sábado, vejo que a natureza testa mais uma vez os limites da mobilidade humana.

Alguns já acreditam ser o início do fim do mundo: terremotos devastadores no Haiti, Chile e na China; enchentes sem precedentes no Rio de Janeiro e em São Paulo; nevascas que paralisaram França e Grã-Bretanha; e agora um vulcão afetando a vida de milhões de pessoas ao redor do mundo. A verdade é que o ser humano, cujas atividades têm contribuído para variações drásticas do clima na Terra, como já concluiu a comunidade científica, está cada vez mais exposto a destruidores fenômenos naturais. Antes de 2010, a última erupção na geleira islandesa de Eyjafjallajokull havia ocorrido no início do século 19, quando a humanidade só se deslocava sobre a terra a pé ou com o auxílio de animais. Para cruzar oceanos, a única opção era a navegação. Pois em 1821 o Eyjafjallajokull acordou, causando imensas enchentes, mas com prejuízo apenas para os moradores da ilha. Com a humanidade hoje completamente dependente do transporte aéreo (mesmo quem não voa geralmente consome produtos transportados por aviões), as cinzas do vulcão islandês atingiram em cheio as veias que alimentam a vida moderna.

O ativista britânico George Monbiot escreveu no jornal The Guardian que os transtornos causados pelo vulcão foram semelhantes aos vistos durante a crise financeira de 2008. Para ele, a humanidade é vítima de sua dependência de relações complexas com o mundo exterior, que passam tanto por ligações aéreas como por conexões online entre instituições financeiras dos quatro cantos do mundo. Ele sugere que nós optemos por uma vida mais simples, menos dependente da tecnologia, particularmente da aviação. O autor vem, há tempos, condenando tal indústria como um dos grandes vilões do aquecimento global e diz que, quanto mais dependentes formos de andar de avião, mais vulneráveis ficaremos.

O vulcão islandês provou que ele tem certa razão, mas qual seria a opção? Abandonar os avanços tecnológicos que permitiram que povos das mais diversas localidades pudessem se conhecer e se compreender melhor? A mobilidade e a interdependência não seriam avanços no desenvolvimento da humanidade, fatores de um mundo que, apesar de muitos percalços, tem hoje um sentido maior de unidade? Sem as tecnologias que aproximaram nações, do navio e avião ao telefone e à internet, não estaria o ser humano condenado a desconfiar e declarar guerra ao habitante de outras terras? Talvez. Ou talvez a humanidade chegue a um momento em que, obrigada pelas circunstâncias ou devido à sua sabedoria, consiga satisfazer suas necessidades sem desafiar seus limites naturais. Caso contrário terá de aceitar que não há saída: de tempos em tempos, será desafiada pela própria natureza.

ComentáriosDeixe seu comentário

  • 1. às 05:04 AM em 22 abr 2010, Bel.A escreveu:

    "A verdade é que o ser humano, cujas atividades têm contribuído para variações drásticas do clima na Terra, como já concluiu a comunidade científica, está cada vez mais exposto a destruidores fenômenos naturais."
    A comunidade científica não concluiu nada, há uma grande discussão entre crentes e céticos nesse caso. No campo da meteorologia, por exemplo, a maioria não acredita na teoria antropogênica do aquecimento global, atribuindo o fenômeno a outras causas.
    E,desde que o mundo é mundo, o homem tem que driblar os fenômenos naturais, e a humanidade não acabou por isso. Não vai ser uns dias sem avião em parte da Eurolândia que o Apocalipse vai vir.
    Menos sensacionalismo, por favor! Entendo que tem sido uma chateação para vocês não poder viajar, mas nós também ficamos "ilhados" aqui no sul ano passado por causa das enchentes (até pontes caíram); os americanos ficaram "ilhados" por causa das nevascas; os chilenos por causa do terremoto... enfim, todo mundo mais cedo ou mais tarde vai passar por isso, até a Europa.
    Noticiar é extremamente válido, mas ligar a erupção de um vulcão com a teoria antropogênica do aquecimento global e o "o início do fim do mundo" é forçar a barra.
    Não precisa publicar esse comentário se não quiser, mas eu tenho uma imensa admiração pelo site da BBC, o qual eu sempre procuro para me informar e para confirmar notícias que vejo em outros sites. E quero continuar vendo aquele "bom jornalismo" que às vezes é tão difícil achar nos sites brasileiros.
    Abraços! =]

  • 2. às 04:59 PM em 24 abr 2010, Victor escreveu:

    Não seria o contrário?
    O Homem desafia a natureza e ela não se defende, se vinga.

  • 3. às 06:00 PM em 23 jun 2010, Silva escreveu:

    Olá amigo, vim aqui para deixa o link onde estão todas as obras do Cientista Herbert Alexandre Galdino Pereira da área de Eletromagnetismo Aplicado e Aviónica. Ele é autor da Teoria do Triângulo das Bermudas, que visa explicar o que ocorre com os aviões ao entrarem nessa zona, Teoria dos Celulares e Eletricidade Estática, e Orientação aos Aviadores Brasileiros ao voarem a Serra do Cachimbo, em Mato Grosso, pois existe campo Magnético na área do Brasil (relaciona-se ao vôo 1907 e com o Tráfico Aéreo). Entre outras obras.
    Deixo o Link aqui em baixo para Leitura e Downloads das Obras deles.

    http://www.scribd.com/people/documents/13555060-fuma-a

    Um abraço.

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.