« Anterior | Principal | Próximo »

Bancos e Estado no mundo pós-crise

Categorias dos posts:

Rogério Simões | 2009-10-16, 10:28

champanhe.jpgO mercado financeiro no mundo desenvolvido voltou a estourar champanhe. O índice Dow Jones da Bolsa de Nova York já opera acima dos 10 mil pontos, o mercado de ações londrino segue em constante alta, e agora os bancos, que um ano atrás tanto sofriam, voltam a acumular lucros bilionários. Na quinta-feira, o Goldman Sachs anunciou um lucro de US$ 3,19 bilhões de julho a setembro, depois de desempenho semelhante no trimestre anterior. Para celebrar, a instituição já prepara o que poderá ser o seu melhor ano em termos de bônus milionários a seus executivos.

Há um ano, governos ao redor do mundo tiveram de meter as mãos nos bolsos para salvar instituições financeiras que, com seus complicados e arriscados modelos de fabricação de riqueza virtual, haviam provocado um colapso do sistema financeiro internacional. O crédito secou, e o Estado entrou em campo para evitar uma depressão igual à dos anos 30. Aqui na Grã-Bretanha muitos criticaram, e continuam criticando, o fato de o governo ter socorrido banqueiros, que seriam os responsáveis pela recessão que se seguiu à crise de crédito. Por isso, líderes como Barack Obama e Gordon Brown vêm condenando, pelo menos verbalmente, a tradicional política de bônus milionários que premiam o risco e a riqueza imediata, em mais um assalto no embate entre Estado e setor privado.

O fato de o poder público ter aparecido no mundo desenvolvido como o salvador de muitas pátrias decretou uma vitória moral do Estado sobre o mercado, afetando inclusive o debate político. Aqui na Grã-Bretanha, a oposição conservadora evitava recorrer aos antigos argumentos de Margaret Thatcher de que o governo era o culpado de tudo, afinal, dessa vez claramente os vilões haviam sido os executivos de Wall Street e da City londrina, beneficiados por uma frágil regulamentação. Mas, exatamente quando a vida começa a voltar ao normal no mundo dos banqueiros, com lucros, bônus e ações em alta, os argumentos políticos também retornam ao tradicional status quo. Na semana passada, o líder dos conservadores, David Cameron, possivelmentre o próximo primeiro-ministro britânico, culpou o tamanho do Estado pela atual crise econômica. Em seu discurso, ao final da última convenção do seu partido antes das eleições de 2010, Cameron prometeu reduzir o tamanho do governo em favor de uma "sociedade mais forte".

É possível que, sob a pressão de países como França e Alemanha e considerando os danos que mercados super desregulados causaram às economias dos Estados Unidos e da Grã-Bretanha, o mercado financeiro nunca mais volte à ciranda que tomou conta dos primeiros anos deste milênio. Mas o fortalecimento do Estado, que tem sido uma constante desde o agravamento da crise no ano passado, não significa que o mercado se contentará com a posição de coadjuvante. O histórico embate entre os poderes público e privado continua, tanto na economia como na política. O crash de 2008 deixou o Estado na dianteira, mas ainda há muita corrida pela frente.

ComentáriosDeixe seu comentário

  • 1. às 09:06 PM em 22 out 2009, L9ep2uiz Monteiro de Barros escreveu:

    Parabéns pelo equilíbrio dentro do imenso desequilíbrio entre direita e esquerda econômicas. Entretanto a historia foi assim. Direção econômica do Rei, dos senhores feudais. A burguesia se revolta com a "boa vida da elite" cujo dogma era e AINDA É, de que quem trabalha no chão de fabrica, com as mãos na massa (do pão ou do reboco)não pode ter “aptidão” para gerir a economia ou a política. Acontece que as elites falham por não considerar o povo usando dogmas antigos ou atuais, como o da mão invisível do mercado ou mesmo o da falsa meritocracia, já que o acesso a educação não é igualitária. Tudo para açular ainda mais o egoísmo imanente nos instintos de nutrição e reprodução que se manifesta por exemplo com a imensa desigualdade social. Querem ver? Não é justificável a diferença de salários entre a gerencia e o chão de fabrica, que encontramos na economia brasileira. Assim o texto é “condescendente”, da uma “passada de mão na cabeça” de ma elite que havia considerado o mercado como fim da historia (Fukuyama). Resta pouco tempo para os bancos reciclarem. A era do Estado eficaz chegou, inexoravelmente

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.